O uso das metodologias activas de aprendizagem para a promoção de autonomia no estudante

uma análise a partir de Paulo Freire

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tsc.v8i2.15884

Palavras-chave:

Metodologias activas de ensino, Autonomia, Educação Emancipadora, Paulo Freire

Resumo

A autonomia é um dos pilares da pedagogia freiriana na construção de uma escola emancipadora e crítica e na promoção da liberdade do estudante. Neste artigo proponho discutir o papel das metodologias activas de aprendizagem para a promoção da autonomia dos estudantes. As metodologias activas além de desenvolverem as habilidades e competências nos estudantes, permitem caminhos e novas práticas para que o educando seja protagonista em seu próprio processo de aprendizagem. O artigo é de natureza qualitativa consubstanciada a pesquisa bibliográfica, cujo objectivo é analisar em que medida as metodologias activas contribuem para a promoção da autonomia dos educandos. Concluímos que as metodologias activas de ensino permitem que os estudantes desenvolvam sua autonomia e habilidades na sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Sindique, UNIVEESIDADE EDUARDO MONDLHANE

Mestrado em Educação com área de especialização, Currículo, Sociedade e Cultura pela Universidade Eduardo Mondlane; Estudante de Pós graduação na Universidade Eduardo Mondlhane.

Referências

ABREU, J. R. P de . Contexto atual do ensino médico: metodologias tradicionais e ativas - necessidades pedagógicas dos professores e da estrutura das escolas. 2009. 130 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

ALENCAR, Jr., J. C.; ALMEIDA. C.; COSTA, M. P.; FANTINATTI, P. A. P. Metodologias Ativas de aprendizagem no desenvolvimento de autonomia do educando. In: GADOTTI, M.; ANTUNES, A.; ABREU, J.; PADILHA, P. R. (org.). A Escola dos meus Sonhos. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2019.

ANNUNCIATO, P. Inovação: o que vai ajudar a mudar sua aula. Revista Nova Escola n. 299, a. 32. São Paulo: Associação Nova Escola, fev. 2017.

BERBEL, N. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes ter-mos ou diferentes caminhos? Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v.2, n.2, 1998.

BERBEL, N. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: Uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução: Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

CUNHA, M. V. John Dewey: Uma filosofia para educadores em sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2007.

DESIGN thinking para educadores. Trad. Bianca Santana, Daniela Silva e Laura Folgueira. São Paulo: Instituto Educadigital, 2014.

DIESSEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, N. S. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

DELORS, J. Educação um tesouro a descobrir – relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Porto: Edições Asa, 2000.

DEWEY, J. Democracia e Educação. Introdução a filosofia da Educação. Tradução: Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. 3. ed. São Paulo: Companhia Nacional, 1959.

DEWEY, J. Vida e Educação. 10. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

DELLAROZA, M. S. G.; VANNUCHI, M. T. O. O currículo integrado do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina: do sonho à realidade. (livro eletrónico), São Paulo: Edições HUCITEC, Universidade Estadual de Londrina, 2005.

FREINET, C. Pedagogia do bom senso. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire, 3. Ed. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade, 21. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra S/A, 1992.

FREIRE, P. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 48. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014a.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 56. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014b.

GADOTTI, M. et al. (org). Paulo Freire uma Biobibliografia. Cortez Editora, São Paulo, 1996a.

GADOTTI, M. A voz do biógrafo brasileiro: a prática à altura do sonho. In: GADO¬TTI, M. et al. (org.). Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire: Brasília, DF: UNESCO, 1996b.

GADOTTI, M. Reinventando Paulo Freire na escola do século 21. In: TORRES, Carlos Al-berto (org.). Reinventando Paulo Freire no século 21. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2008. Série Unifreire, p. 91-107.

GADOTTI, M. Aprenda a dizer a sua palavra. EAD Freiriana - Curso a distância. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2017.

GALLO, S. Pedagogia Libertária: anarquistas, anarquismos e educação. São Paulo: Imaginário; Manaus: Editora da Universidade Federal do Ama¬zonas, 2007.

JÓFILI, Z. Piaget, Vygotsky, Freire e a construção do conhecimento na escola. Educação: Teorias e Práticas. v. 2, n. 2, p. 191-208, dez., 2002.

KERBER, C. S. de O. Pedagogia da autonomia: resenha. Revista de Educação, Ciência e Cul¬tura, v. 3, n. 7, 1998.

LIMA, R. Aprendizado baseada em problemas. Braga, Portugal: Universidade do Minho, 2011. Disponível em: http://youtu.be/43LbarfoIUo. Acesso em: 08 ago. 2021.

MAKARENKO, A. Metodologia para a organização do processo educativo. In: LUEDEMANN, C. S. Anton Maka¬renko vida e obra: a Pedagogia da Revolução. São Paulo: Ex¬pressão Popular, 2002.

MAZUR, E. (2015). Peer instruction: a revolução da aprendizagem ativa. Tradução: Anatólio Laschuk. Porto Alegre: Penso, 2015. E-PUB [recurso eletrônico].

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

MORAN, J.. Mudanças necessárias na educação, hoje. Ensino e Aprendizagem Inovadores com apoio de tecnologias. In: MORAN, J. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. Campinas: Papirus, 21. ed. 2014. p. 21-29.

PACHECO, J. A. Currículo: Teoria e Práxis. Porto: Porto editora, 1996.

PACHECO, J. A. Aprender em comunidade. 1. ed. São Paulo: Edições SM, 2014.

ROGERS, C. R. Tornar-se pessoa. Tradução: Manuel José do Carmo Ferreira. São Paulo: Mar¬tins Fontes Editora, 1987.

SAKAI, M. H.; LIMA, G. Z. PBL: uma visão geral do método. Olho Mágico, Londrina, v. 2, n. 5/6, n. Esp., 1996.

SOUZA, C. S.; IGLESIAS, A. G.; PAZIN-FILHO, A. Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais – Aspectos gerais. Medicina, v. 47, n. 3, p. 284-292, 2014.

SILVA, E. F. da. Nove aulas inovadoras na universidade. Campinas, SP: Papirus, 2011.

SANTOS, T. S. Metodologias Activas de Ensino-Aprendizagem. Olinda: Instituto Federal de educação, Ciências e Tecnologias - Olinda: PE, 2019.

TONET, I. Práxis Educativa. Rev. Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p. 9-23, jan./jun. 2014.

Downloads

Publicado

30-12-2021

Como Citar

SINDIQUE, C. O uso das metodologias activas de aprendizagem para a promoção de autonomia no estudante: uma análise a partir de Paulo Freire. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 48–68, 2021. DOI: 10.20396/tsc.v8i2.15884. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/15884. Acesso em: 7 dez. 2022.