Aplicação de sala de aula invertida para o aprendizado de língua portuguesa no ensino médio de escola pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tsc.v5i1.14728

Palavras-chave:

Metodologia ativa, Língua portuguesa, Sala de aula invertida, Google form, Ensino médio

Resumo

O artigo descreve um estudo de caso relacionado à implantação do método de sala de aula invertida na disciplina de língua portuguesa de uma escola de ensino médio estadual da periferia da cidade de São Paulo (SP) atendendo estudantes de baixa renda, com dificuldade de acesso a Internet e tendo como dispositivo o seu próprio celular pessoal. Para tanto, será apresentado um estudo de caso qualitativo realizado após a aplicação de uma sequência didática de Língua Portuguesa durante um bimestre para quatro turmas do 2º ano do ensino médio, totalizando 80 estudantes entre 16 e 18 anos. As atividades propostas com o apoio da plataforma Google Form possibilitaram maior autonomia e engajamento dos estudantes na disciplina de língua portuguesa, bem como sugerem impactos nos indicadores das avaliações externas realizadas pela Secretaria Estadual de Educação do Estado de São Paulo. São avaliadas as relações entre o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) aliadas às metodologias ativas de forma a ressignificar o processo de aprendizagem tendo o estudante em sua centralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Izabel Oliveira da Silva, Universidade Federal de São Paulo

Mestranda em Educação na Universidade Federal de São Paulo. É integrante do grupo de pesquisa Linguagens, Educação e Cibercultura da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP.

 

Lucila Pesce, Universidade Federal de São Paulo

Doutora em Educação, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com pós-doutorado em Filosofia e História da Educação, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora associada do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo.

 

Antonio Valerio Netto, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Pós-Doutorado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês. Pesquisador bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (DT).

 

Referências

ALMEIDA, M.E.B.; ASSIS, M.P. Integração da Web 2.0 ao currículo: a geração web currículo.2011.Disponível em: http://www.educoas.org/portal/La_Educacion_Digital/laeducacion_145/articles/ART_bianconcini_ES.pdf. Acesso em: 09 jul. 2018

BACICH, L.; MORAN, J. M. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Revista Pátio, v. 17, n. 25,p.45-47, 2015. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2015/07/hibrida.pdf. Acesso em: 09 jul. 2018

BACICH, L., NETO, A. T., TREVISANI, F. M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Penso Editora, 2015.

BARD, R. D.; MATUZAWA, F. L.; MÜLBERT, A. L. Uso de Tecnologia Educacional em uma Escola Pública Municipal: Uma Experiência de Avaliação Formativa usando o Formulário Google. 2017. Disponível em: http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2017/10/Art14-vol.21-Edi%C3%A7%C3%A3o-Tem%C3%A1tica-V-Outubro-2017.pdf. Acesso em:10 jul. 2018.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de Aula Invertida, uma Metodologia Ativa de Aprendizagem. Ed. LTC, 2017.

BONILLA, M. H. S.; PRETTO, N. L. Inclusão digital: polêmica contemporânea. EDUFBA, 2011. Disponível em: http://books.scielo.org/id/qfgmr. Acesso em:10 jul. 2018.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; STAKER, H. Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. 2016. Clayton Christensen Institute, p. 1-52.

DEWEY, J. Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo: uma reexposição. 3º. ed. São Paulo: Nacional, 1959

EI! ENSINO INOVATIVO. Sala de aula invertida. 2015. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/ei/article/download/57632/56174. Acesso em: 10 jul. 2018.

EDUCAUSE. Things you should know about flipped classrooms. 2012. Disponível em: http://net.educause.edu/ir/library/pdf/eli7081.pdf. Acesso em: 12 jul. 2018.

FERRAZ, A. P. C. M.; BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Rev. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n2/a15v17n2.pdf. Acesso em: 11jul. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33ª ed. São Paulo: Paz e Terra; 2006

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

HSIEH, M.; DAWSON, P. A university's information literacy assessment program using Google Docs.Brick and Click Libraries, 2010.Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED513812.pdf#page=128. Acesso em: 05 jul. 2018.

MEIRIEU, Philippe. Aprender... sim, mas como? Tradução de Vanise Pereira Dresch; consultoria de Maria da Graça Souza Horn e Heloísa Schaan Solassi. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

MORAN, J. M. Novos modelos de sala de aula, 2013. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/modelos_aula.pd. Acesso em: 05 jul. 2018.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, v. 2, p. 15-33, 2015. Disponível em: http://rh.unis.edu.br/wp-content/uploads/sites/67/2016/06/Mudando-a-Educacao-com-Metodologias-Ativas.pdf. Acesso em: 05 jul. 2018.

MORAN, J.M. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Papirus Editora, 2007.

NUNES, F. L. Aplicação do peer instruction no ensino tecnológico superior com o auxílio do google forms: um estudo de caso. In: SIMPEP–SIMPÓSIO DEENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v. 25, Bauru, 2016. Anais...Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Fabiano_Nunes2/publication/311616431_Aplicacao_do_Peer_Instruction_no_ensino_tecnologico_superior_com_o_auxilio_do_Google_Forms_um_estudo_de_caso/links/58513b4e08ae95fd8e1554c4.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

ROCHA, H. M.; LEMOS, W. D. Metodologias ativas: do que estamos falando? Base conceitual e relato de pesquisa em andamento. In: SIMPÓSIO PEDAGÓGICO E PESQUISAS EM COMUNICAÇÃO, 9.,Resende, 2014. Anais...Resende: Associação Educacional Dom Boston, 12, 2014. Disponível em: https://www.aedb.br/wp-content/uploads/2015/05/41321569.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

SANTIAGO, M. E. V.; DOS SANTOS, R. Google Drive como ferramenta de produção de textos em aulas de inglês instrumental. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. ISSN 2237-759X, v. 29, 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/intercambio/article/view/2096. Acesso em:10 jul. 2018.

SCHNEIDER, E. I.; SUHR, I. R. F.; ROLON, V. E.;ALMEIDA, C. M. D. Sala de Aula Invertida em EAD: uma proposta de Blended Learning. Revista Intersaberes, v. 8, n.16, p. 68-81, 2013.

SOUZA, V.; DOS SANTOS, G. N. O aplicativo “Google Formulário” como ferramenta de avaliação em sala de aula. 2016. Disponível em: http://www.filologia.org.br/rph/ANO22/66supl/0093.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

VALENTE, J. A. Blendedlearning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, n. 4, 2014

Downloads

Publicado

20-12-2018

Como Citar

SILVA, M. I. O. da; PESCE, L.; VALERIO NETTO, A. Aplicação de sala de aula invertida para o aprendizado de língua portuguesa no ensino médio de escola pública. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 100–119, 2018. DOI: 10.20396/tsc.v5i1.14728. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14728. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Relatos de experiência