As africanidades no centro histórico do Crato-CE e o ensino de geografia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v9i00.17432

Palavras-chave:

Africanidades, Espaço geográfico , Interdisciplinaridade, Educação antirracista

Resumo

Este artigo tem o objetivo de reconhecer as africanidades nas arquiteturas do Museu Histórico do Crato e a Igreja de Nossa Senhora da Penha, ambos situados no centro histórico da cidade do Crato, Ceará. Nesses dois equipamentos urbanos existem um conjunto de conhecimentos africanos. Para realizar essa pesquisa fizemos uma revisão bibliográfica a fim de nos fundamentar na perspectiva da afrodescendência e trabalhamos com a iconografia. Para tanto, dialogamos com autores, como Cunha Junior (2010, 2011, 2020), Silva (2019), Souza (2016) e Quirino (2018). O artigo articula reflexões no campo da história, geografia e educação, reflete a importância da produção desse conhecimento e aponta os percursos urbanos (SILVA; CUNHA JUNIOR, 2019) como possibilidade metodológica na construção de uma educação antirracista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Ferreira da Silva, Universidade Regional do Cariri, URCA, Brasil

Professor de Geografia e pesquisador das relações étnico-raciais no Cariri cearene, membro do Grupo de Estudo em Educação, Gênero e Relações Étnico-Raciais (NEGRER).

Cicera Nunes, Universidade Regional do Cariri, URCA, Brasil

Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (2010). Realizou estágio de pós-doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Museologia da Universidade Federal da Bahia - UFBA (2020/2021). Atualmente é Professora Adjunta vinculada ao Departamento de Educação da Universidade Regional do Cariri - URCA; Professora Permanente do Mestrado Profissional em Educação e do Mestrado Profissional em Ensino de História da URCA; Coordenadora do Núcleo de Estudos em Educação, Gênero e Relações Étnico-Raciais - NEGRER/URCA; Coordenadora Geral do Congresso Internacional Artefatos da Cultura Negra (2014-2020); Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros - ABPN e da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPED.

Referências

CARMO, Eliane Fátima. Boa Morte do História da África nos anos iniciais do ensino fundamental: os Adinkra. Salvador: Ed. Artegraf, 2016.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Cultura afrocearense. In: Artefatos da cultura negra no Ceará. CUNHA JUNIOR, H. et al. (org.). Fortaleza: Edições UFC, 2011. p. 102-132.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Nós, afro-descendentes: história africana e afrodescendente na cultura brasileira. In: ROMÃO, J. (org.). História da Educação do Negro e outras histórias. Brasilia: MEC, 2020.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Tecnologia africana na formação brasileira. Rio de Janeiro: CEAP, 2010.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Urbanismo africano: 6000 anos construindo cidades (uma introdução ao tema). Revista Teias, v. 21, n. 62, jul./set. 2020.

DIOP, Cheikh Anta. Unidade cultural da África negra, as esferas do patriarcado e do matriarcado na antiguidade clássica. Luanda: Ed. Mulemba; Ramada: Ed. Pedago, 2014.

DYBAX, Vanessa. Cultura africana por meio dos símbolos gráficos Adinkra. Os desafios da escola pública paraense na perspectiva do professor PDE: produçãoes didáticos-pedagógicos. Paraná: Cardenos PDE, 2016.

FARIAS FILHO, W. A. Crato: Evolução Urbana e Arquitetura 1740-1960. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2007.

FIGUEIREDO FILHO, José de. Engenho de Rapadura do Cariri. Fortaleza: Edições UFC, 2010. (Coedição Secult. Edições URCA)

MARTÍNEZ, Silvia Alicia. Organização do arquivo histórico do liceu de humanidades de campos: portas abertas em busca da divulgação. In: MENEZES, Maria Cristina (org.). Desafios Iberoamericanos: o Patrimônio Histórico-Educativo em Rede. São Paulo: CME/FEUSP, 2016. 585p.

MILLER, Joseph C. África Central durante a era do comércio de escravizados de 1490 a 1850. In: HEYWOOD, Linda M. (org.). Tradução VAMPEAN FREGONEZ, Ingreid de Castro; CASSON, Thais Cristina; BENEDITO, Vera Lúcia. Diáspora negra no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2019.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. Quilombola e intelectual: possibilidades nos dias da destruição. Diáspora Africana. São Paulo: Filhos da África: 2018.

NUNES, Cicera. Reisado cearense: uma proposta para o ensino das africanidades. Fortaleza: Conhecimento, 2011.

QUERINO, Manuel. O colono preto como fator da civilização Brasileira. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/20815/13416. Acesso em: 17 set. 2021.

SANTOS, Ana Paula dos. Educação escolar quilombola no Cariri cearense: africanização da escola a partir de pedagogias de quilombo. 2018. 218 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará-UFC, Fortaleza/CE, 2018.

SILVA, Alberto da Costa e. A Enxada e a Lança. Disponível em: https://docero.com.br/doc/81x11vn. Acesso em: 16 set. 2021.

SILVA, Diana Rocha da; CASTRO, Cesar Augusto; CASTELLANOS, Samuel Luis Velasquez. Acervos provocados e possibilidades de pesquisa sobre o patrimônio histórico bibliográfico educativo no APEM. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. 1-26, 2021.

SILVA, Meryelle Macedo da. Patrimônio Arquitetônico Afrocratense: implicações educativas. 2019. 114f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Regional do Cariri-URCA, Crato/CE, 2019.

SILVA, Meryelle Macedo da; CUNHA JUNIOR, Henrique. Percursos urbanos como forma de pesquisar o patrimônio afrocratense. GeoTextos, v. 15, n. 2, p. 199-215, dez. 2019.

SILVA, Meryelle Macedo; CUNHA JUNIOR, Henrique. O espaço urbano do Crato-CE: a visibilidade de um patrimônio afroarquitetônico. In: SANTOS, Marlene Pereira dos; CUNHA JUNIOR, Henrique (Orgs.). Afro Patrimônio cultural. Fortaleza: Via Dourado: 2019.

SOUZA, Lorena Francisco de. As relações etnicorraciais na geografia escolar: desafios metodológicos e pedagógicos. Revista produção acadêmica – Núcleo de Estudos Urbanos Regionais e Agrários/ NURBA, v. 2, n. 2, p. 04-19, dez. 2016.

STELLA, Thomas Henrique de Toledo. Convulsões sociais no antigo egito: os trabalhadores da necrópole tebana no final do novo reinado. 2018. Disponível em: https://docplayer.com.br/199914266-Ii-dossie-convulsoes-sociais-no-antigo-egito-os-trabalhadores-da-necropole-tebana-no-final-do-novo-reinado-thomas-henrique-de-toledo-stella-1.html. Acesso em: 14 set. 2021.

WEIMER, Günter. Interrelações arquitetônicas Brasil África. Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, 2008. Disponível em: https://www.ihgrgs.org.br/artigos/membros/G%C3%BCnter%20Weimer%20-%20Inter-rela%C3%A7oes%20Arquitetonicas%20Brasil-Africa.pdf. Acesso em: 18 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

SILVA, Rafael Ferreira da; NUNES, Cicera. As africanidades no centro histórico do Crato-CE e o ensino de geografia. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023011, 2023. DOI: 10.20888/ridphe_r.v9i00.17432. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/17432. Acesso em: 15 abr. 2024.