A doutrina do Higienismo na Revista de Educação e Ensino

Octavio Pires e a higiene dos internatos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v7i00.15539

Palavras-chave:

Higiene Escolar, Instrução Pública, Internatos.

Resumo

O objetivo deste artigo é identificar e compreender as ideias de Octavio Pires sobre a higiene nos internatos. Para tanto, realizamos uma pesquisa histórica, utilizando como fontes os artigos publicados na Revista de Educação e Ensino, entre fevereiro e novembro de 1892, por Octavio Pires, seu diretor, principal articulista e um dos divulgadores da doutrina do higienismo no Pará. No tratamento dos dados, utilizamos a técnica de análise de conteúdo quando observamos a forte influência e a constante recorrência a experiências europeias da época, sempre citadas como referências imprescindíveis para as lideranças educacionais paraenses. Também constatamos a intervenção dos agentes higienistas nas produções e práticas educativas, não só no que tange à definição de espaços físicos e conteúdos programáticos, mas também aos próprios métodos de ensino, prescrições de “controle”, “vigilância” e “fiscalização” como elementos constitutivos da implementação do higienismo nas escolas, revelando a forte preocupação com a disciplina e a moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Damasceno, Universidade Federal do Pará

Professor Titular da Universidade Federal do Pará, docente do Programa de Pós-graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica (PPEB) e do Programa de Pós-graduação em Educação na Amazônia (PGEDA). Pós Doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998). Mestre em Educação Escolar Brasileira pela Universidade Federal de Goiás (1991). Especialista em Educação e Problemas Regionais pela UFPA (1985). Graduado em Arquitetura pela Universidade Federal do Pará (1983). Desenvolve estudos na área da História da Educação, Política Educacional, Gestão e Planejamento Educacional. Atualmente coordena o Laboratório de Pesquisas em Memória e História da Educação (LAPEM) e é vice-coordenador do Grupo de Estudos em Educação no Pará na Primeira República (GEPRE). Membro da Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE), da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), da Associação Nacional de Política e Administração da Educação (ANPAE) e do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP), além de ser membro titular do Conselho Municipal de Educação de Belém. Foi assessor da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo na gestão de Paulo Freire e Secretário de Estado de Desenvolvimento Social do Pará. Fonte: Plataforma Lattes

Suellem Pantoja, Universidade Federal do Pará

Doutoranda em Educação na Amazônia (PGEDA/UFPA). Mestre em Educação (PPEB/UFPA), na linha de Gestão e organização do trabalho pedagógico na Escola Básica. Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (UFPA).

Joaquina Ianca Miranda, Universidade Federal do Pará

Graduanda do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia na Universidade Federal do Pará (UFPA). Bolsista no Laboratório de Pesquisas em Memória e História da Educação (LAPEM) e voluntária no Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Infâncias e Educação - INFANCE.

Referências

BASTOS, M. H. C. Leituras da ilustração brasileira: Célestin Hippeau (1803-1883). Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, v. 2, n. 3, p. 67-112, jan./jun. 2002.

BASTOS, M. H. C. A educação comparada no século XIX: a obra de Célestin Hippeau (1803-1883). In: ENCONTRO INTERNACIONAL DA SBEC, 2003, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: PUCRS. 2003.

BEZERRA, R. A higiene escolar em Pernambuco: espaços de construção e os discursos elaborados. 2010. 363 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

BRASIL. Decreto nº 981, de 8 de novembro de 1890. Approva o Regulamento da Instrucção Primaria e Secundaria do Districto Federal. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, [1890]. Disponível em: tinyurl.com/c5uevter. Acesso em: 20 abr. 2021.

CARDOSO, W. C. R. Literatura Cívico Patriótica: República, Educação e Manuais Didáticos no Pará Republicano (1900-1920). In: XXVII Simpósio Nacional de História. Florianópolis - SC: ANPUH, 2015.

CONCEIÇÃO, J, T. Internar para educar: colégios-internatos no Brasil (1840-1950). 323 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

COSTA, J. F. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2004.

CRUZ, E. História do Pará. Belém: Governo do Estado do Pará, 1973.

CUNHA, M. S. C. da. "Matutos" ou astutos? oligarquia e coronelismo no Pará republicano (1897-1909). 2008. 115 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em História Social da Amazônia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2008.

DAMASCENO, K. K.; ARAÚJO, S. M. S. Um intelectual “orgânico”: Octavio Pires e a elaboração da Revista Educação e Ensino, editada no Pará no final do século XIX. Intellèctus, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 205-223, 2016.

FERREIRA, A. G. Higiene e controlo médico da infância e da escola. Cadernos Cedes, São Paulo, v. 23, n. 59, p. 9-24, abr. 2003.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

FRANÇA, M. P. S. G. S. A.; FRANÇA, S. A. S. F. Colégio Nossa Senhora do Amparo: casa de oração, educação e trabalho (1860-1870). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. esp., p. 175-186, out. 2011.

GOELLNER, S. V. O método Francês e a Educação Física no Brasil: da caserna à escola. 1992. 223 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1992.

GONDRA, J. G. Olhos na América: uma leitura dos relatórios Hippeau, Educar em Revista, Curitiba, n. 19, p. 161-185, 2002.

GÓIS JÚNIOR, E.; LOVISOLO, H. R. Descontinuidades e continuidades do movimento higienista no Brasil do século XX. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 25, n. 1, p. 41-54, set. 2003.

LACERDA, F. G. Migrantes Cearenses no Pará: faces da sobrevivência (1899-1916). 2006. 346 f. Tese (Doutorado) - Departamento de História, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-16072007-105321/publico/TESE_FRANCIANE_GAMA_LACERDA.pdf. Acesso em: 13 dez. 2021

LEMOS, F. C. S.; VASCO, D. S. Alguns percursos históricos entre o higienismo e a medicalização na atenção à infância e às famílias. Artifícios, v. 2, n. 4, p. 1-20, 2012.

MELO JÚNIOR, D. S. A escolarização das práticas corporais em meio a “babel da instrucção publica” baiana: os confrontos em torno da gymnastica, musica e dança. 2015. 192 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2015.

OLIVEIRA, M. A. T. Saberes e práticas sobre a educação do corpo infantil na instrução pública primária nos anos finais do século XIX no Brasil. Sarmiento, n. 13, pp. 131-149, 2009.

PARÁ. Regulamento Escolar, Programmas, Horario e Intrucções Pedagogicas para as Escolas Públicas do Estado do Pará. Belém: Imprensa de Tavares Cardoso & Cia, 1890.

PIRES, O. Hygiene escolar e suas vantagens. Revista de Educação e Ensino, v. I, n. 8, 1891.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 2, 1892a.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. III, n. 3, 1892b.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 4, 1892c

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 5, 1892d.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 6, 1892e.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 7, 1892f.

PIRES, O. Hygiene dos int ernatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 8, 1892g.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 9, 1892h.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 10, 1892i.

PIRES, O. Hygiene dos internatos. Revista de Educação e Ensino, v. II, n. 1, 1892j.

PYKOSZ, L. C.; OLIVEIRA, M. A. T. A higiene como tempo e lugar da educação do corpo: preceitos higiênicos no currículo dos grupos escolares do estado do Paraná. Currículo sem Fronteiras, v. 9, n. 1, p. 135-158, 2009.

SABINO, E. B. A Assistência e a Educação de Meninas Desvalidas no Colégio Nossa Senhora do Amparo na Província do Grão-Pará (1860-1889). 2012. 157 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

SARGES, M. N. Belém: riquezas produzindo a belle-époque (1870-1912). Belém: Paka-Tatu, 2002.

SCHELBAUER, A. R. Célestin Hippeau: contribuições para a história da escola primária e dos métodos de ensino no Brasil. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL, 7., Campinas. Anais... Campinas: UNICAMP, 2006.

SOARES, C. L. Educação do corpo: apontamentos para a historicidade de uma noção. Educar em Revista, v. 37, 2021.

SOUZA, M. S. A.; MELO, D. P. O pensamento higienista de educação em José Veríssimo e a formação da criança. In: SIMPÓSIO DE HISTÓRIA DO MARANHÃO OITOCENTISTA, 3., 2013, São Luís. Anais... São Luís: UEMA, 2013. p. 1-10.

VAGO, Tarcísio Mauro. Cultura escolar, cultivo de corpos: educação Physica e Gymnastica como práticas constitutivas dos corpos de crianças no ensino público primário de belo horizonte (1906-1920). Educar, Curitiba, n. 16, p. 121-135, 2000.

VALENTIM, R. P. F.; PEREIRA, B. A.; LEITE, R. F. P. A Psicologia nos programas da Escola Normal do Distrito Federal e sua adesão aos projetos eugênicos e higiênicos da Primeira República brasileira. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, v. 16, n. 1, p. 133-154, 2016.

VIANA, L. C. A colonização de corpos, corações e mentes: educação e higienismo em escritos de periódicos pedagógicos no Pará (1891-1912). 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Pará. Belém, 2015.

ZUCOLOTO, P. C. S. V. O médico higienista na escola: as origens históricas da medicalização do fracasso escolar. Revista Brasileira do Crescimento e Desenvolvimento Humano, Marília, v. 17, n. 1, p. 136-145, 2007.

Downloads

Publicado

2021-10-08

Como Citar

DAMASCENO, A.; PANTOJA, S. .; MIRANDA, J. I. A doutrina do Higienismo na Revista de Educação e Ensino: Octavio Pires e a higiene dos internatos. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e021015, 2021. DOI: 10.20888/ridpher.v7i00.15539. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/15539. Acesso em: 6 out. 2022.