Os efeitos da recessão brasileira sobre a desigualdade salarial entre homens e mulheres

Autores

  • Carolina Troncoso Baltar Universidade Estadual de Campinas
  • Lilian Nogueira Rolim Universidade Estadual de Campinas
  • Eugenia Troncoso Leone Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbest.v2i..14341

Palavras-chave:

Distribuição de renda, Gênero, Mercado de trabalho, Segregação, Discriminação

Resumo

A economia brasileira entrou numa recessão profunda em 2014, quando o PIB do país começou a reduzir, com reflexos negativos para o mercado de trabalho. O objetivo deste artigo é analisar o efeito dessa recessão sobre a desigualdade salarial no país, levando em consideração as diferenças por sexo. O artigo classifica os trabalhadores em diferentes grupos considerando os grupos ocupacionais e os setores de atividades a que pertencem para verificar quem são os trabalhadores mais bem inseridos no mercado de trabalho e os que se encontram em situação de maior vulnerabilidade, separando-os por sexo. Os resultados mostram uma elevada assimetria e dispersão da distribuição dos salários no Brasil. A recessão econômica de 2015-2016 reduziu a desigualdade de renda no país e as diferenças entre homens e mulheres, pois aumentou a proporção de trabalhadores com salários mais baixos. No entanto, as diferenças salariais a favor dos homens ainda são altas, principalmente em ocupações de alta renda e com requisitos de educação superior.

Biografia do Autor

Carolina Troncoso Baltar, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Land Economy pela University of Cambridge. Professora do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas.

Lilian Nogueira Rolim, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em andamento em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas.

Eugenia Troncoso Leone, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Colaboradora da UNiversidade Estadual de Campinas.

Referências

Abramo, L. (2004). Perspectiva de gênero e raça nas políticas públicas. Mercado de Trabalho – Conjuntura e Análise [Boletim do IPEA], (25), 17-21. Disponível em: http://www.clam.org.br/bibliotecadigital/uploads/publicacoes/675_781_abramo.pdf

Arriagada, I. (2006). Transformações sociais e demográficas das famílias latino-americanas. In J. M. Domingues & M.

Maneiro (Orgs.), América Latina hoje: Conceitos e interpretações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Baltar, C. T., & Rolim, L. N. (2018). Desigualdade e vulnerabilidade no mundo do trabalho. In J. D. Krein, D. M. Gimenez, & A. L. dos Santos (Orgs.), Dimensões críticas da reforma trabalhista no Brasil (pp. 243-274). Campinas: Curt Nimuendajú.

Disponível em: https://www.eco.unicamp.br/images/arquivos/LIVRODimensoes-Criticas-da-Reforma-Trabalhista-no-Brasil.pdf

Baltar, P. E. A., & Leone, E. T. (2015). Perspectivas para o mercado de trabalho após o crescimento com inclusão social. Estudos Avançados, 29(85), 53–67. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-40142015008500005

Bandeira, L. M., & Preturlan, R. B. (2016). As pesquisas sobre uso do tempo e a promoção da igualdade de gênero no Brasil. In N. Fontoura & C. Araujo (Orgs.), Uso do tempo e gênero (pp. 43-59). Rio de Janeiro: UERJ. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/uso_do_tempo_e_genero.pdf

Beltrão, K. I., & Alves, J. E. D. (2009). A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, 39(136), 125–156. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v39n136/a0739136.pdf

Benería, L., Beik, G., & Floro, M. S. (2010). Gender, development, and globalization: Economics as if all people mattered (2nd ed.). Routledge. https://doi.org/10.1080/02255189.2016.1146130

Biavaschi, M. B. (2017). Os direitos das trabalhadoras domésticas e as dificuldades de implementação no Brasil: contradições e tensões sociais. In E. Leone, J. D. Krein, & M. Teixeira (Orgs.), Mundo do trabalho das mulheres: Ampliar direitos e promover a igualdade (pp. 243-263). Campinas: Unicamp.IE.Cesit. Disponível em: https://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2017/12/Mundo-trabalho-mulheres-web.livro_-1.pdf

Bruschini, C. (2000). Gênero e trabalho no Brasil: novas conquistas ou persistência da discriminação? In M. I. B. Rocha (Org.), Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios. São Paulo: Editora 34.

Corseuil, C. H., & Foguel, M. N. (2002). Uma sugestão de deflatores para rendas obtidas a partir de algumas pesquisas domiciliares do IBGE. [Texto para Discussão, n. 897], IPEA, Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_0897.pdf

Dedecca, C. S. (2004). Tempo, trabalho e gênero. In A. A. Costa et al. (Orgs.), Reconfiguração das relações de gênero no trabalho (pp. 21-52). São Paulo: CUT. Disponível em: https://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/05632.pdf

Duncan, O. D., & Duncan, B. (1955). A methodological analysis of segregation indexes. American Sociological Review, 20(2), 210–217. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2088328

Emerek, R., Figueiredo, H., González, P., Gonäs, L., & Rubery, J. (2003) Indicators on gender segregation. [DP 2003-2], Centro de Estudos de Economia Industrial, do Trabalho e da Empresa (CETE), Universidade do Porto. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/6379134.pdf

England, P. (2010). The gender revolution: uneven and stalled. Gender & Society, 24(2), 149–166. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/27809263

Gibb, L. S. F., & Oliveira, A. L. M. (2015). A desigualdade na distribuição do trabalho total no Brasil: a quem favorece? Revista Pesquisa & Debate, 26(2), 87–104. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/rpe/article/view/22683/17599

Guedes, M. de C., & Alves, J. E. D. (2004). A população feminina no mercado de trabalho entre 1970-2000: particularidades do grupo com nível universitário. Anais do XIV Encontro Nacional de Estudos de População, ABEP, Caxambu-MG, Brasil, 14.

Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/viewFile/1307/1271

Hermeto, A. M. (1997). A segregação ocupacional por sexo no Brasil. [Dissertação de Mestrado], Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MCCR-76AR2B

Hirata, H. (2017). O que mudou e o que permanece no panorama da desigualdade entre homens e mulheres? Divisão sexual do trabalho e relações de gênero numa perspectiva comparada. In E. Leone, J. D. Krein, & M. Teixeira (Orgs.), Mundo do trabalho das mulheres: Ampliar direitos e promover a igualdade (pp. 143-173). Campinas: Unicamp.IE.Cesit. Disponível em: https://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2017/12/Mundo-trabalho-mulheres-web.livro_-1.pdf

Hoffmann, R.; de Jesus, J. G., & de Almeida, S. S. P. (2018). A distribuição da renda no Brasil conforme a PNAD: 1995-2017. [Texto para Discussão n. 45], Instituto de Estudos de Política Econômica / Casa das Garças (IEPE/CdG), Rio de Janeiro, Brasil. Disponível em: http://iepecdg.com.br/wp-content/uploads/2018/08/PNAD9517E.pdf

Leone, E., & Baltar, P. (2006). Mercado de trabalho metropolitano: Gênero e diferenças de rendimento, 1992-2002. Gênero, 7(1), 37–58. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/31101/18190

Leone, E. T. (2020). Women’s participation in the Brazilian labour market in the context of economic growth with income distribution (2004-2013). Panoeconomicus, 67(3), 433–447. Disponível em: http://dx.doi.org/10.2298/PAN2003433T

Leone, E. T. (2017). Os impactos do crescimento econômico com inclusão social na participação das mulheres no mercado de trabalho. In E. Leone, J. D. Krein, & M. Teixeira (Orgs.), Mundo do trabalho das mulheres: Ampliar direitos e promover a igualdade (pp. 13-37). São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres; Campinas: Unicamp.IE.Cesit. Disponível em: https://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2017/12/Mundo-trabalho-mulheres-web.livro_-1.pdf

Mariano, S. A., & Carloto, C. M. (2009). Gênero e combate à pobreza: Programa Bolsa Família. Estudos Feministas, 17(3), 901–908. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2009000300018

Montali, L. (2017). Mudanças na família, no mercado de trabalho e nos arranjos familiares. In E. Leone, J. D. Krein, & M. Teixeira (Orgs.), Mundo do trabalho das mulheres: Ampliar direitos e promover a igualdade (pp. 39-66). São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres; Campinas: Unicamp.IE.Cesit. Disponível em: https://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2017/12/Mundo-trabalho-mulheres-web.livro_-1.pdf

Oliveira, A. M. H. C. (1998). Indicadores de segregação ocupacional por sexo no Brasil. Anais do XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, Caxambu-MG, Brasil, 11, 2499–2526. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/939/904

ONU Mulheres (2016). Mais igualdade para as mulheres brasileiras: caminhos de transformação econômica e social. [Encarte baseado no Relatório “O progresso das mulheres no mundo do trabalho”]. Brasília: ONU Mulheres. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/05/encarte-Mais-igualdade-para-as-mulheres-brasileiras_site_v2.pdf

Pinheiro, L. S. (2016). Determinantes da alocação do tempo em trabalho reprodutivo: uma revisão sobre os achados em pesquisas nacionais e internacionais. In N. Fontoura & C. Araújo (Orgs.), Uso do tempo e gênero (pp. 61-99). Rio de Janeiro: UERJ. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/uso_do_tempo_e_genero.pdf

Portilho, L. (2020). Mercado de trabalho e as diferenças de gênero: o caso das ocupações de nível superior no Brasil (2004-2013). [Tese de Doutorado], Instituto de Economia, Unicamp. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/343529/1/Silva_LucianaPortilhoDa_D.pdf

Ribeiro, R., & Araujo, G. S. (2016). Occupational segregation in the labour market according to skin colour and level of schooling in contemporary Brazil. Nova Economia, 26(1), 147–177. https://doi.org/10.1590/0103-6351/2652

Santos, A. L. dos, & Gimenez, D. M. (2015). Inserção dos jovens no mercado de trabalho. Estudos Avançados, 29(85), 153–168. https://doi.org/10.1590/S0103-40142015008500011

Teixeira, M. O. (2013). O mercado de trabalho reitera relações desiguais que se constroem no âmbito das relações econômicas e sociais. In Fundação Perseu Abramo & Fundação Friedrich Ebert (Orgs.), Classes? Que classes? (pp. 105-123). São Paulo: Editora FPA. Disponível em: https://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/10597.pdf

Teixeira, M. O. (2017). O que gera e perpetua a segregação, a discriminação e as desigualdades salariais. In E. Leone, J. D. Krein, & M. Teixeira (Orgs.), Mundo do trabalho das mulheres: Ampliar direitos e promover a igualdade (pp. 67-90). São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres; Campinas: Unicamp.IE.Cesit. Disponível em: https://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2017/12/Mundo-trabalho-mulheres-web.livro_-1.pdf

Teixeira, M. O. (2019). Os efeitos econômicos da reforma trabalhista. In J. D. Krein, R. V. de Oliveira, & V. A. Filgueiras (Orgs.), Reforma trabalhista no Brasil: promessas e realidade. Campinas: Curt Nimuendajú. Disponível em: https://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2019/09/Livro-REMIR-v-site.pdf

Downloads

Publicado

2020-10-26

Como Citar

Baltar, C. T. ., Rolim, L. N. ., & Leone, E. T. . (2020). Os efeitos da recessão brasileira sobre a desigualdade salarial entre homens e mulheres. RBEST: Revista Brasileira De Economia Social E Do Trabalho, 2(.), e020008. https://doi.org/10.20396/rbest.v2i.14341