Como engajar estudantes das séries iniciais (5º ano) a desenvolver o pensamento matemático utilizando robótica e aprendizagem maker

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tsc.v7i2.14870

Palavras-chave:

Lógica de programação, Pensamento computacional, Matemática, Scratch

Resumo

O processo de ensino e aprendizagem dos fundamentos de programação tem se demonstrado difícil e complexo para alunos e professores. Desta forma, torna-se imprescindível desenvolver pesquisas para sua melhoria. Cada vez mais, percebe-se que o aprendizado de programação é um grande desafio para todos os alunos, em diversas áreas do conhecimento. Sendo assim, essa pesquisa busca mostrar como o “pensamento computacional”, aliado a uma ferramenta de software, pode auxiliar no processo de ensino e aprendizagem de alunos do 5º ano do ensino fundamental, que tiveram atividades envolvendo o raciocínio matemático e o uso de ferramentas computacionais. Neste sentido, métodos que facilitam a aprendizagem no ensino fundamental podem ser utilizados de forma eficiente. O presente trabalho propõe três cenários que são exemplos de processos de aprendizagem: desenvolvimento dos conceitos matemáticos de práticas computacionais e desenvolvimento de aprendizado computacional. E os resultados obtidos neste estudo de caso comprovam a eficácia do método aplicado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Muniz Bozolan, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutoranda em Tecnologias da Inteligência e Design Digital pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora e coordenadora auxiliar nos cursos Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Gestão de Tecnologia da Informação, na Universidade Paulista. Professora titular no Instituto Tecnológico de Barueri, atua ainda como desenvolvedora em diversas linguagens de programação.

 

Hermes Renato Hildebrand, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor da Universidade Estadual de Campinas e da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação do TIDD - Tecnologia da Inteligência e Design Digital, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

 

Referências

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora. São Paulo: Penso, 2018.

BELLEMAIN, F. O paradigma micromundo. In: CARVALHO, L. M.; GUIMARÃES, L. C. (Org.). História e Tecnologia no Ensino da Matemática. Rio de Janeiro: Ime-UERJ, 2002. p.51-63.

BRENNAN, K.; RESNICK, M. New frameworks for studying and assessing the development of computational thinking. 2012. Disponível em: Acesso em: 10 ago. 2020.

BLIKSTEIN, P. Digital Fabrication and ‘Making’ in Education: The Democratization of Invention. In: WALTER-HERRMANN , J.; BÜCHING. C. FabLabs: Of Machines, Makers and Inventors. Stanford: Stanford University, 2013.

CUNY, J.; SNYDER, L.; WING, J. M. Demystifying computational thinking for non-computer scientists. Unpublished manuscript in progress, 2010.

GANDA, D; BORUCHOVITCH, E. A autorregulação da aprendizagem: principais conceitos e modelos teóricos. Psicologia da Educação, São Paulo, 46, 1º sem. de 2018, p. 71-80.

PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PAPERT, S. The Children’s Machine: rethinking school in the age of the computer. New York: Basic Books, 1992.

PAPERT S. Situating constructionism. In: HAREL, I.; PAPERT, S. (Eds.) Constructionism. New Jersey: Ablex, Norwood, p.1–11, 1991.

PAPERT, S. Logo: computadores e Educação. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PAPERT, S. Mindstorms; Children, Computers and Powerful Ideas. Nova York: Livros Básicos, 1980.

PIAGET, Jean. Epistemologia Genética. 2a ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PIAGET, Jean. O Nascimento da Inteligência na Criança. 4a ed. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

RESNICK, M. Jardim de infância para a vida toda: por uma aprendizagem criativa, mão na massa e relevante para todos. Porto Alegre: Penso, 2020.

VALENTE, J. A. Informática na Educação no Brasil: Análise e Contextualização Histórica. Campinas: UNICAMP/NIED, 1999a.

VALENTE, J. A. O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP/NIED, 1999b.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WING, J. M. Computational thinking. Communications of the ACM, v. 49, n. 3, p. 33 - 35, 2006.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

BOZOLAN, S. M.; HILDEBRAND, H. R. Como engajar estudantes das séries iniciais (5º ano) a desenvolver o pensamento matemático utilizando robótica e aprendizagem maker. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 169–184, 2020. DOI: 10.20396/tsc.v7i2.14870. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14870. Acesso em: 17 jan. 2022.