Articulações entre práticas de educação ambiental, robótica e cultura maker no contexto das aulas de laboratório de ciências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tsc.v7i2.14869

Palavras-chave:

Horta escolar, Educação maker, Robótica educativa, Robótica pedagógica, Ensino de ciências, Educação ambiental

Resumo

O artigo descreve uma prática interdisciplinar desenvolvida em uma escola municipal de Ensino Fundamental 2 em Curitiba, que consistiu na articulação entre os saberes científicos desenvolvidos no componente curricular de Ciências e os saberes populares relacionados a hortas urbanas, costurados pela Robótica e pelo viés maker, realizando o reaproveitamento de materiais em uma abordagem STEAM. A metodologia é de natureza qualitativa, exploratória, com observação e pesquisa participante. Os resultados revelaram estudantes estimulados a refletir sobre as práticas alimentares, os cuidados com o ambiente, o consumo consciente e o reaproveitamento de materiais. Concluiu-se que as práticas interdisciplinares conduzidas de maneira lúdica e mão na massa, envolvendo tecnologias como a Robótica, contribuem positivamente para uma postura mais crítica e ativa dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Alvares Machado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Professora do magistério da Prefeitura Municipal de Curitiba do  Ensino Fundamental.

 

Márcia Regina Rodrigues da Silva Zago, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Professora do magistério da Prefeitura Municipal de Curitiba do Ensino Fundamental.

Referências

AZEVEDO, E. Alimentos orgânicos: ampliando os conceitos de saúde, humana, ambiental e social. São Paulo: Editora Senac. 2012.

AZEVEDO, L. S. Cultura maker: uma nova possibilidade no processo de ensino eaprendizagem.2019, 100 p.Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós Graduação em Inovação em Tecnologias Educacionais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Instituto Metrópole Digital. Natal, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/28456/1/Culturamakernova_Azevedo_2019.pdf. Acesso em:27 jul. 2020.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Portugal: edições 70. Simulacros e simulação. Portugal: Relógio D’Água, 2008.

BOURSCHEID, J. L. W.; FARIAS, M. E.A convergência da educação ambiental, sustentabilidade, ciência, tecnologia e sociedade (CTS) e ambiente (CTSA) no ensino de ciências. Revista Thema, v. 11, n. 1, p. 24-36, 2014.

BAZZO, W.A. Ciência, Tecnologia e Sociedade e o contexto da educação tecnológica. 3. ed. Florianópolis: UFSC, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Lei 9795/1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htmAcesso em:27 jul. 2020.

CABEZA E. U. R; ROSSI, D.; MARCHI, V. Sagui Lab: Cultura Maker na sala de aula. Disponível em: https://www.academia.edu/28181007/Sagui_Lab_Cultura_Maker_na_sala_de_aula. Acesso em:27 jul. 2020.

CABEZA, E. U. R.; STEFANIN, T.; ROSSI, D.; ANDRADE, A. B. P.A cultura maker como democratização tecnológica no meio rural.Ciência Alimentando o Brasil, v. 143, p. 660-672. 2016. Disponível em: https://www.agbbauru.org.br/publicacoes/Alimentando2ed/pdf/Alimentando2ed-17-SNCT2016.pdf. Acesso em 27 jul. 2020.

CORREA, L. F.; BAZZO, W. A. Contribuições da Abordagem Ciência, Tecnologia e Sociedade para a Humanização do Trabalho Docente. Revista Contexto & Educação, v. 32, n. 102, p. 57-80, 2017.

CURITIBA. Secretaria Municipal da Educação de Curitiba. Subsídios para a Organização das práticas educativas em oficinas nas unidades escolares com oferta de educação em tempo integral. Curitiba: Secretaria Municipal da Educação, 2016a.

CURITIBA. 1º Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Curitiba –PLAMSAN-CURITIBA. 2016b. Disponível em: https://mid.curitiba.pr.gov.br/2017/00188887.pdf. Acesso em:02 ago. 2020.

CURITIBA. Prefeitura Municipal. Currículo do Ensino Fundamental. Secretaria Municipal da Educação. Curitiba: SME, 2016c.

CURITIBA. Diretrizes Curriculares para a Educação Municipal de Curitiba. Secretaria Municipal da Educação. Curitiba: SME, 2006.

DEMO, P.. Educação científica. Revista Brasileira de Iniciação Científica, v. 1, n. 1, maio 2014, p. 1-19.

DEMO, P. Desafios modernos da educação. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

FEENBERG, A. Questioning Technology. Londres: Routledge, 1999.

FERNANDES, I. M. B.; PIRES, D. M.; IGLESIAS-D. J. Perspectiva Ciência, Tecnologia, Sociedade, Ambiente (CTSA) nos manuais escolares portugueses de Ciências Naturais do 6º ano de escolaridade. Bauru, Revista Cienc. Educ., v.24. n. 4, 2018, p. 875-890.

GONÇALVES, C. W. P. (Org.). O desafio ambiental. 3ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

HOLANDA, L.; BACICH, L. A aprendizagem baseada em projetos e a aprendizagem STEAM. in: HOLANDA, L.; BACICH, L. (Orgs.). STEAM em sala de aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na educação básica. Porto Alegre: Penso, 2020.

LOURENÇO, N.; COELHO, I. Vermicompostagem nas escolas: manual prático do professor.1a.ed. Lisboa: Sítio do Livro, 2012.

MELO, F. C. et al. Quais são as vozes do currículo oculto? Evidência, Araxá, v. 12, n. 12, p. 195-203, 2016.

MENEZES, E.T. de; SANTOS, T.H. dos. Robótica Educacional. Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2015. Disponível em: https://www.educabrasil.com.br/robotica-educacional/. Acesso em: 15 de set. 2020.

MONK, S. Programação com Arduino. Porto Alegre: Bookman, 2013.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda.Educatrix. Dossiê currículo. Ano 7, n. 12. São Paulo: Moderna, 2013. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/metodologias_moran1.pdf. Acesso em:27 jul. 2020.

ONU. Organização Das Nações Unidas. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/. Acesso em: 02 ago. 2020.

PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da Informática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

PARK, N.; KO, Y. Computer Education's Teaching-Learning Methods Using Educational Programming Language Based on STEAM Education. In: PARK, J. J. et al. (Eds.): NPC 2012, LNCS 7513. p. 320–327, 2012. Disponível em: https://link.springer.com/content/pdf/10.1007%2F978-3-642-35606-3_38.pdf. Acesso em:02 ago. 2020.

PIRES, M. P. O STEAM e as atividades experimentais investigativas. In:HOLANDA, L.; BACICH, L. (Orgs.). STEAM em sala de aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na educação básica. Porto Alegre: Penso, 2020.

RAABE, A.; GOMES, E. B. Maker: uma nova abordagem para tecnologia na educação. Revista Tecnologias na Educação, v. 26, n. 26, p. 6-20, 2018. Disponível em: http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2018/09/Art1-vol.26-EdicaoTematicaVIII-Setembro2018.pdf. Acesso:em 27 jul. 2020.

RODRIGUES, A. P. S.; ZAGO, M. R. R. S.; OLIVEIRA, N. G. N.; LIMA, L.; CASAGRANDE JUNIOR, E. F.; SILVA, M. C.; HULLER, A. Movimentos a Favor da Agricultura Urbana em Curitiba -Paraná e a Constituição de Práticas de Ensino Ambientais/Educativas. Educação Ambiental em Ação, v. 64, s/p, 2018.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: ArtesMédicas, 1998.

SACRISTÁN, J. G. O que significa currículo? in: SACRISTÁN, J. G. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso. 2013.

SANTOS, W. L. P. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino. 2007. Disponível em: http://files.gpecea-usp.webnode.com.br/200000358-0e00c0e7d9/AULA%206-%20TEXTO%2014-%20CONTEXTUALIZACAO%20NO%20ENSINO%20DE%20CIENCIAS%20POR%20MEI.pdf. Acesso em:17 set. 2020.

SCHONS, C.et al. A Robótica Educativa na Instituição Escolar para alunos do Ensino Fundamental da disciplina de Língua Espanhola através das Novas Tecnologias de Aprendizagem. I WORKSHOP DE COMPUTAÇÃO DA REGIÃO SUL. In:Anais [...]. 2004.

SETUBAL, M. A. Educação e sustentabilidade: princípios e valores para a formação de educadores. São Paulo: Petrópolis, 2015. 192p.

STELLA, A. L. et. al. BNCC e a cultura maker: uma aproximação na área da matemática para o ensino fundamental. Campinas. Revista InovaEduc.n. 4, ago. 2018. Disponível em: https://www.lantec.fe.unicamp.br/pf-lantec/n4.art6_.pdf. Acesso em 27 jul. 2020.

TRISTÃO, M.A Educação Ambiental na formação de professores: rede de saberes. São Paulo: Annablume; Vitória: Facitec, 2004. 236p.

VALENTE, J. A. Informática na educação no Brasil análise e contextualização histórica. In: VALENTE, J. A. (Org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: Unicamp/NIED, 1998. p 1-28.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

MACHADO, A. A.; ZAGO, M. R. R. da S. Articulações entre práticas de educação ambiental, robótica e cultura maker no contexto das aulas de laboratório de ciências. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 143–168, 2020. DOI: 10.20396/tsc.v7i2.14869. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14869. Acesso em: 23 jan. 2022.