Produção de memes como campanha contra as fake news

conciliando criatividade, humor, ativismo e formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tsc.v6i2.14531

Palavras-chave:

Memes, Fake news, Letramento digital, Formação de professores

Resumo

O presente trabalho possui por objetivo apresentar uma experiência de ativismo político, por meio da produção criativa de memes, como forma de enfrentamento ao problema das fake news. Esta experiência ocorreu no segundo semestre de 2018, com alunos do curso de Pedagogia do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, que produziram memes para veicular em suas redes sociais, como uma campanha político-educativa. A apropriação dos distintos gêneros discursivos, bem como a imersão na rede com o letramento digital desenvolvido é urgente a todos, mas aos futuros professores, trata-se de uma urgência ainda maior. A associação da criatividade, autoria e ativismo, possibilitou a estes licenciandos, ultrapassarem a cultura do compartilhamento detido no mero consumo, para promover visibilidade da sua própria autoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keite Silva de Melo, Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). É professora do curso de Pedagogia e da pós-graduação em Gestão Educacional Integrada do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro - ISE.

Andréa Villela Mafra da Silva, INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO

Pós-Doutora em Educação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente professora do Ensino Superior da FAETEC onde leciona na graduação em Pedagogia, na pós-graduação em Gestão Educacional Integrada e nas turmas do PARFOR no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. Líder do grupo de pesquisa Formação de Professores e Tecnologias Educacionais/FORPROTEC-CNPq. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Avaliação e Currículo/GEPAC-CNPq. Está à frente da Coordenação Institucional do PIBID/CAPES Pedagogia do ISERJ (2020).

http://lattes.cnpq.br/0155896273502933

Valéria Ribeiro Rodrigues, Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro

Especialista em Computação aplicada à Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Pedagoga pelo Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. Pesquisadora do grupo de pesquisa Formação de Professores e Tecnologias Educacionais/FORPROTEC-CNPq.

 

Margareth da Silva Miranda Gonçalves, Centro Universitário Faveni

Pós-graduação em Psicopedagogia pelo Centro Universitário Faveni. Pesquisadora do grupo de pesquisa Formação de Professores e Tecnologias Educacionais-FORPROTEC/CNPq.

Referências

ANDRADE, M.; PISCHETOLA, M. O discurso de ódio nas mídias sociais: a diferença como letramento midiático e informacional na aprendizagem. Revista e-Curriculum. São Paulo, v. 14, n.04, p.1377–1394, out./dez.2016. Disponível em: https://revistas.pucsp.br//index.php/curriculum/article/view/30015. Acesso em: 18 mai. 2019.

BRANCO, S. Fake News e os caminhos para fora da bolha. Revista Interesse Nacional. Ano 10, número 38, 2017. Disponível em: https://itsrio.org/wpcontent/uploads/2017/08/sergio-fakenews.pdf. Acesso em: 02 jun. 2019.

BUZATO, M. E. K. O letramento eletrônico e o uso do computador no ensino de língua estrangeira: contribuições para a formação de professores. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 2001.

BUZATO, M. E. K. et al. Remix, mashup, paródia e companhia: por uma taxonomia multidimensional da transtextualidade na cultura digital. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 13, n. 4, 2013.

DELMAZO, C.; VALENTE, J. C. L. Fake News nas redes sociais online: propagação e reações à desinformação em busca de cliques. Media&Jornalismo, v. 18, n. 32, 2018. Disponível em: http://impactum-journals.uc.pt/mj/article/view/5682/4561. Acesso em: 30 mai. 2019.

Dia Internacional do Fact-Checking Day. Plano de Aula. 02 de abril de 2017. Disponível em: http://apublica.org/2017/03/truco-plano-de-aula-gratuito-ensina-estudantes-a-checarinformacoes/. Acesso em: 23 mai. 2019.

FREIRE, F. A. Eleições municipais no Rio e os memes como ferramenta de desqualificação em campanhas eleitorais. VII COMPOLÍTICA. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1999. GABRIEL, M. Educ@r: a revolução digital na educação. São Paulo: Saraiva, 2013.

KEYES, R. Era da pós-verdade: desonestidade e enganação na vida contemporânea. Petrópolis: Vozes, 2018.

MARCOS, V. B. F. Autoria online. Dissertação de Mestrado em Teoria da Literatura. Faculdade de Letras. Universidade de Lisboa, 2013.

MARTINUZZO, J. A.; SANGALLI, H. L. J. A intimidade em tempos de rede social digital: o Facebook e a midiatização do íntimo. Educação, Cultura e Comunicação. v.6, n.12, 2015. Disponível em: http://publicacoes.fatea.br/index.php/eccom/article/view/1316. Acesso em: 19 jun. 2019.

MEDEIROS, D. H.; SFORNI, M. S. F. (Im)possibilidades da organização do ensino: desenvolvimento do pensamento teórico dos estudantes. Curitiba: Appris, 2016.

MELO, K. S.; SILVA, A. V. M. Desafios e possibilidades da cibercultura para a educação. Seda - Revista de Letras da Rural - RJ, [S.l.], v. 3, n. 8, abr. 2018. Disponível em: http://www.ufrrj.br/SEER/index.php?journal=SEDA&page=article&op=view&path%5B%5D=4 013. Acesso em: 15 ago. 2019.

MIDLEJ, M.; BONILLA, M. H.; PRETTO, N. O professor e a formação para a autoria na cibercultura: a criação dos atos de currículo. In: PORTO, Cristiane et al (Orgs.). Pesquisa e mobilidade na cibercultura: itinerâncias docentes, Salvador: EDUFBA, 2015.

PARISER, E. O filtro invisível. O que a Internet está escondendo de você. Rio de Janeiro, Ed. Zahar, 2012.

RUEDIGER, M. A. (Coord.). Robôs, redes sociais e política no Brasil: estudo sobre interferências ilegítimas no debate público na web, riscos à democracia e processo eleitoral de 2018. Rio de Janeiro: FGV, DAPP, 2017.

SANTAELLA, L. A pós-verdade é verdade ou falsa? Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2018.

SANTOS, J. G. B.; CHAGAS, V. A revolução será memetizada: engajamento e ação coletiva nos memes dos debates eleitorais em 2014. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v. 20, n. 1, 2017.

SILVA, A. V. M.; MELO, K. S. #OCUPAISERJ: estratégias comunicacionais do movimento de ocupação do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. ETD- Educação Temática Digital. Campinas, v. 19, n. 1, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647817. Acesso em: 6 jul. 2019.

SILVA, M. Meme, educação e interatividade: entrevista com Marco Silva. Periferia, v. 11, n. 1, p. 231-239, jan./abr. 2019. Entrevista concedida a Mariano Pimentel. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/periferia/article/view/38187. Acesso em: 26 mar. 2019.

SILVA, A. V. M. Apropriação tecnológica e cultura digital: usos na/da internet. Revista Observatório, Palmas, v. 5, n. 3, p. 276-292, maio, 2019.

SILVA, W. S. Imagem e subjetividade Narrativas fotográficas confessionais e a estética da afetividade. Ciberlegenda. n. 31, 2014.

TOTH, J.; MENDES, V. C. Monitorando memes em mídias sociais. In: SILVA, T.; STABILE, M. (Orgs.). Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão, 2016.

Downloads

Publicado

17-12-2019

Como Citar

MELO, K. S. de; SILVA, A. V. M. da; RODRIGUES, V. R.; GONÇALVES, M. da S. M. Produção de memes como campanha contra as fake news: conciliando criatividade, humor, ativismo e formação docente. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 197–210, 2019. DOI: 10.20396/tsc.v6i2.14531. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14531. Acesso em: 5 fev. 2023.