Banner Portal
A autorregulação, a autonomia e a autoria discente e docente através do uso do Scratch
Capa da Revista TSC, volume 6, Número 2, ano 2019 Número especial sobre Aprendizagem Criativa
PDF

Palavras-chave

Autonomia
Autoria
Autorregulação
Scratch

Como Citar

MENDES FILHO, A. A autorregulação, a autonomia e a autoria discente e docente através do uso do Scratch. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 81–95, 2019. DOI: 10.20396/tsc.v6i2.14515. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14515. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

O artigo visa uma reflexão sobre o estudo de caso na Escola Municipal João de Lima Paiva no município de São Paulo e a relação direta entre a utilização da linguagem de programação Scratch e a autorregulação em Rosário (1997, 2007) e Zimmerman (2000), a autonomia de aprendizagem em Freire (1996, 2009) e a autoria dos estudantes e docentes conforme (Dewey (2010) e Resnick (2013). A pesquisa bibliográfica e documental oferece embasamento e reflexões sobre os agentes envolvidos neste processo e a importância de ter liberdade para ressignificar e expor suas interpretações. Em Papert (1994, 2007) a contextualização da aprendizagem e a valorização da prática, permitiu a observação de adequações necessárias a uma aprendizagem que se adeque a realidade emergente.

https://doi.org/10.20396/tsc.v6i2.14515
PDF

Referências

ANTUNES, C.. Novas maneiras de ensinar, novas formas de aprender.Porto Alegre: Artmed, 2002.

BAKHTIN, M.. Estética da Criação Verbal.São Paulo: WMF Martins Fontes, 2000. 421p.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Fundamental.Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

DEWEY, J.Experiência e educação: textos fundantes de educação. Petrópolis: Vozes, 2010.

ESCHER, M. C. 1953 “Spirals” In M. C. Escher: Cycle, Spirals, and Snakes.May 17 –September 27, 2008. Disponível em: http://www.artistsmarket.com/escher_essays/cycleSpiralsSnakes. Acesso em: 16/06/2019.

FARIAS, I. M. S. de . Didática e docência: aprendendo a profissão. 2. Ed. Brasília: Líber livro, 2009.p.11-53.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 1. ed, São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 48. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GUTIERREZ, S.de S.. Mapeando caminhos de autoria e autonomia: A inserção das Tecnologias Educacionais informatizadas no trabalho de educadores que cooperam em comunidade de pesquisadores.Porto Alegre: UFRGS, 2003. 233p. Projeto de dissertação em Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5830/000432196.pdf. Acesso em: 12/07/2018.

MARTINS, A. R. de Q . Usando o Scratch para potencializar o pensamento criativo em crianças do ensino fundamental. Dissertação de mestrado, 113p. Universidade dePasso Fundo –RS. 2012. Disponível em: http://www.upf.br/ppgedu/images/stories/defesa-dissertacao-amilton-rodrigo-de-quadros-martins.PDF. Acesso em: 20/06/2019.

MARTINS, J. L.;SILVA, B. A construção da autonomia no processo educativo: o que pensam os participantes de um curso de especialização em coordenação pedagógica. Revista e-Curriculum, São Paulo, n.12 v.02 maio/out. 2014, p. 1143-1161. Programa de Pós-graduação Educação: Currículo –PUC/SP. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/20482. Acesso em: 04/07/19.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre: Artes Médicas,1994.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre: ArtMed, edição revisada, 2007.

RAMALHO, P. John Dewey: educar para crescer.2011. Disponível em: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/john-dewey-307892.shtml. Acesso em: 19/07/2017.

RESNICK, M. Lifelong Kindergarten. 2013.Disponível em:http://web.media.mit.edu/~mres/papers/CulturesCreativityEssay.pdf. Acesso em:14/05/2018.ROSÁRIO, P. Facilitar a aprendizagem através do ensinar a pensar. Psicopedagogia, educação e cultura, [S. l.], v. I (2),p. 237–249, 1997.

ROSÁRIO, P.; COSTA, J. C.; MOURÃO, R.; CHALETA, E.; GRÁCIO,M. L.; NÚÑEZ, J. C.; GONZÁLEZ–PIENDA, J. De pequenino é que autorregula o destino.Educação. Temas e Problemas, nº 4, ano 2, Évora: Edições Colibri. 2007. p. 281-293.Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/11925. Acesso em: 20/09/2019.

SALLES, C.A. Redes da Criação: construção da obra de arte. 2.ed. São Paulo: Horizonte, 2008.______. Arquivos de criação: arte e curadoria.Vinhedo: Editora Horizonte, 2010.

SILVA, M. Educação presencial e online. Sugestões de interatividade na cibercultura. In: TRIVINHO, E.; Cazeloto,E.(orgs.)A cibercultura e seu espelho. São Paulo: ABCiber; Instituto Itaú Cultural, 2009. p. 90 -102.

SILVA, B.; LIMA, J. C. Utilização de recursos digitais nas aulas de apoio educativo –introduzindo processos metacognitivos e de autorregulação das aprendizagens.Atas do IX Colóquio Sobre Questões Curriculares/ V Colóquio Luso Brasileiro. Debater o Currículo e seus Campos: Políticas, Fundamentos e Práticas. Porto: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, pp. 4374 –4387 (ISBN: 978-972-8746-90-2). 2010. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/18762. Acesso em: 20/07/2019.

SILVA, A. P. de S. A..; TOLEDO. N. C. de S.. A Cidade que a Gente Quer. SCRATCH, TCA8B, 2014. Disponível em: https://scratch.mit.edu/projects/35849878/#player. Acesso em: 25/06/2019.

SOARES, S. F. D. S. M. Autorregulação da tomada de apontamentos no Ensino Básico. 2007. Tese (Doutorado em Educação) -Universidade do Minho, Braga 2007.

ZIMMERMAN, B. J. Attaining Self-Regulation:a social cognitive perspective. In: M. BOEKAERTS, P. R. P. A. M. Z. Handbook of self-regulation. San Diego: Academic Press, 2000. p. 13-39.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Aldo Mendes Filho

Downloads

Não há dados estatísticos.