A autorregulação, a autonomia e a autoria discente e docente através do uso do Scratch

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tsc.v6i2.14515

Palavras-chave:

Autonomia, Autoria, Autorregulação, Scratch

Resumo

O artigo visa uma reflexão sobre o estudo de caso na Escola Municipal João de Lima Paiva no município de São Paulo e a relação direta entre a utilização da linguagem de programação Scratch e a autorregulação em Rosário (1997, 2007) e Zimmerman (2000), a autonomia de aprendizagem em Freire (1996, 2009) e a autoria dos estudantes e docentes conforme (Dewey (2010) e Resnick (2013). A pesquisa bibliográfica e documental oferece embasamento e reflexões sobre os agentes envolvidos neste processo e a importância de ter liberdade para ressignificar e expor suas interpretações. Em Papert (1994, 2007) a contextualização da aprendizagem e a valorização da prática, permitiu a observação de adequações necessárias a uma aprendizagem que se adeque a realidade emergente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aldo Mendes Filho, Universidade Estadual de Campinas

Mestrado em Educação com Ênfase em Novas Tecnologias na Universidade Estadual de Campinas. Membro do LANTEC (Laboratório de Novas Tecnologias Aplicadas à Educação).

Referências

ANTUNES, C.. Novas maneiras de ensinar, novas formas de aprender.Porto Alegre: Artmed, 2002.

BAKHTIN, M.. Estética da Criação Verbal.São Paulo: WMF Martins Fontes, 2000. 421p.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Fundamental.Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

DEWEY, J.Experiência e educação: textos fundantes de educação. Petrópolis: Vozes, 2010.

ESCHER, M. C. 1953 “Spirals” In M. C. Escher: Cycle, Spirals, and Snakes.May 17 –September 27, 2008. Disponível em: http://www.artistsmarket.com/escher_essays/cycleSpiralsSnakes. Acesso em: 16/06/2019.

FARIAS, I. M. S. de . Didática e docência: aprendendo a profissão. 2. Ed. Brasília: Líber livro, 2009.p.11-53.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 1. ed, São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 48. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GUTIERREZ, S.de S.. Mapeando caminhos de autoria e autonomia: A inserção das Tecnologias Educacionais informatizadas no trabalho de educadores que cooperam em comunidade de pesquisadores.Porto Alegre: UFRGS, 2003. 233p. Projeto de dissertação em Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5830/000432196.pdf. Acesso em: 12/07/2018.

MARTINS, A. R. de Q . Usando o Scratch para potencializar o pensamento criativo em crianças do ensino fundamental. Dissertação de mestrado, 113p. Universidade dePasso Fundo –RS. 2012. Disponível em: http://www.upf.br/ppgedu/images/stories/defesa-dissertacao-amilton-rodrigo-de-quadros-martins.PDF. Acesso em: 20/06/2019.

MARTINS, J. L.;SILVA, B. A construção da autonomia no processo educativo: o que pensam os participantes de um curso de especialização em coordenação pedagógica. Revista e-Curriculum, São Paulo, n.12 v.02 maio/out. 2014, p. 1143-1161. Programa de Pós-graduação Educação: Currículo –PUC/SP. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/20482. Acesso em: 04/07/19.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre: Artes Médicas,1994.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre: ArtMed, edição revisada, 2007.

RAMALHO, P. John Dewey: educar para crescer.2011. Disponível em: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/john-dewey-307892.shtml. Acesso em: 19/07/2017.

RESNICK, M. Lifelong Kindergarten. 2013.Disponível em:http://web.media.mit.edu/~mres/papers/CulturesCreativityEssay.pdf. Acesso em:14/05/2018.ROSÁRIO, P. Facilitar a aprendizagem através do ensinar a pensar. Psicopedagogia, educação e cultura, [S. l.], v. I (2),p. 237–249, 1997.

ROSÁRIO, P.; COSTA, J. C.; MOURÃO, R.; CHALETA, E.; GRÁCIO,M. L.; NÚÑEZ, J. C.; GONZÁLEZ–PIENDA, J. De pequenino é que autorregula o destino.Educação. Temas e Problemas, nº 4, ano 2, Évora: Edições Colibri. 2007. p. 281-293.Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/11925. Acesso em: 20/09/2019.

SALLES, C.A. Redes da Criação: construção da obra de arte. 2.ed. São Paulo: Horizonte, 2008.______. Arquivos de criação: arte e curadoria.Vinhedo: Editora Horizonte, 2010.

SILVA, M. Educação presencial e online. Sugestões de interatividade na cibercultura. In: TRIVINHO, E.; Cazeloto,E.(orgs.)A cibercultura e seu espelho. São Paulo: ABCiber; Instituto Itaú Cultural, 2009. p. 90 -102.

SILVA, B.; LIMA, J. C. Utilização de recursos digitais nas aulas de apoio educativo –introduzindo processos metacognitivos e de autorregulação das aprendizagens.Atas do IX Colóquio Sobre Questões Curriculares/ V Colóquio Luso Brasileiro. Debater o Currículo e seus Campos: Políticas, Fundamentos e Práticas. Porto: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, pp. 4374 –4387 (ISBN: 978-972-8746-90-2). 2010. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/18762. Acesso em: 20/07/2019.

SILVA, A. P. de S. A..; TOLEDO. N. C. de S.. A Cidade que a Gente Quer. SCRATCH, TCA8B, 2014. Disponível em: https://scratch.mit.edu/projects/35849878/#player. Acesso em: 25/06/2019.

SOARES, S. F. D. S. M. Autorregulação da tomada de apontamentos no Ensino Básico. 2007. Tese (Doutorado em Educação) -Universidade do Minho, Braga 2007.

ZIMMERMAN, B. J. Attaining Self-Regulation:a social cognitive perspective. In: M. BOEKAERTS, P. R. P. A. M. Z. Handbook of self-regulation. San Diego: Academic Press, 2000. p. 13-39.

Downloads

Publicado

17-12-2019

Como Citar

MENDES FILHO, A. A autorregulação, a autonomia e a autoria discente e docente através do uso do Scratch. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 81–95, 2019. DOI: 10.20396/tsc.v6i2.14515. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14515. Acesso em: 31 jan. 2023.