Banner Portal
Do logo ao pensamento computacional
PDF

Palavras-chave

Revisão sistemática da literatura
Linguagem Logo
Pensamento computacional

Como Citar

VIEIRA, Marli Fátima Vick; SANTANA, André Luiz Maciel; RAABE, André Luís Alice. Do logo ao pensamento computacional: o que se pode aprender com os resultados do uso da linguagem logo nas escolas brasileiras. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 82–106, 2017. DOI: 10.20396/tsc.v4i1.14486. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14486. Acesso em: 14 jul. 2024.

Resumo

O termo Pensamento Computacional se popularizou e tem sido apontado como uma nova abordagem para o uso de tecnologia nas escolas. A promessa é de que ela poderá melhorar a capacidade dos estudantes de resolverem problemas usando conhecimentos de Computação, em especial a programação. Mas a ideia não é nova; na década de 1980 um amplo empreendimento de uso da linguagem de programação Logo nas escolas foi realizado no Brasil em diferentes estados. Este artigo busca resgatar alguns dos principais resultados da utilização do Logo à época, a fim de promover reflexões sobre o momento atual em que o Pensamento Computacional bate à porta das instituições educacionais.

https://doi.org/10.20396/tsc.v4i1.14486
PDF

Referências

ABREU, R. A.S. Uma avaliação sobre o uso da Linguagem Logo no processo de construção de noções topológicas. 1990. Dissertação (Mestrado), Departamento de Educação, PUC-RJ.

ACUNZO, I.M. M. Avaliação da relação desenvolvimento cognitivo e proficiência em programação na linguagem Logo: uma abordagem piagetiana. 1987. Tese de (Doutorado) Fundação Getúlio Vargas.

BARANAUSKAS, M.C. C.Conceitos Geométricos através da Linguagem Logo. 1981. 126 f. Dissertação de Mestrado -Curso de Ciência da Computação, Instituto de Matemática, Estatística e Ciência da Computação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1981.

BLIKSTEIN, P. Digital Fabrication and ’Making’ in Education: The Democratization of Invention. In: J. Walter-Herrmann & C. Büching (Eds.), FabLabs: Of Machines, Makers and Inventors. Bielefeld: Transcript Publishers. 2013.

BOYTCHEV, P. Logo Tree Project. 2011. Disponível em http://recursostic.educacion.es/secundaria/edad/4esotecnologia/quincena12/pdf/Logo_TreeProject.pdf. Acesso em: 17 ago. 2017.

BRACKMANN, C. Desenvolvimento do Pensamento Computacional através de atividades desplugadas na Educação Básica, 2017. Tese (Doutorado em Informática na Educação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

DIAS, A.G.de L.“O Jogo da Tartaruga: um jogo para encenar LOGO”. 1998. 133 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

ESTACIO, M. LOGO e a ativação do funcionamento cognitivo. 1988. Dissertação (Mestrado). UERJ, Rio de Janeiro, RJ.

FAGUNDES, L.da C.; MOSCA, P.R.F.i. Interação com computador de crianças com dificuldade de aprendizagem: Uma abordagem piagetiana. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 37, n. 1, p. 32-48, 1985.

FAGUNDES, L. da C.; MOSCA, P.R.F. As conceitualizações das crianças que estão programando em Logo: a construção e a composição de módulos na imagem mental e na programação. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 38, n. 3, p. 58-70, 1986.

GARCIA, A. F; PERIOTTO, A. J; MARCATO, S. A; COLANZI, T. E; FREGONEIS, J.G. Uma metodologia para a introdução da linguagem Logo na educação do Portador de Deficiência Auditiva. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 77, n. 187, 2007.

GROHS, G.H.M.; FREITAS, L.B.z de L.; SPERB, T.M. Desenvolvimento sociocognitivo no ambiente Logo. Salão de Iniciação Científica (5.: 1993: Porto Alegre). [Resumos]. Porto Alegre: UFRGS, 1993.

GROVER, S.; PEA, R. Computational thinking in K-12: A review of the state of the field. Educational Researcher, v. 42, n. 1, p. 38-43, 2013.

MAGGI, L.. A utilização do computador e do programa LOGO como ferramentas de ensino de conceitos de Geometria Plana. 2002. 170 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Matemática, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2002.

MOURA, F.W.de. O potencial da linguagem Logo no aprendizado de matemática. 2013. 102 f. TCC (Graduação) - Curso de Licenciatura em Matemática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

PAPERT, S. A máquina das crianças: Repensando a escola na era da informática. Artes Médicas: Porto Alegre. 1994.

PEREIRA, F.de Á. Aprendizagem de tópicos de uma geometria em ambiente logo: uma proposta didática para os anos finais do ensino fundamental. 2013. 125 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ensino de Matemática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

RAABE, A.L.A.; VIEIRA, M. V.; SANTANA, A. L. M.; GONCALVES, F. A.; BATHKE, J. Recomendações para Introdução do Pensamento Computacional na Educação Básica. In: 4º DesafIE – Workshop de Desafios da Computação Aplicada à Educação, 2015, Recife. Anais do Congresso Anual da SBC. Porto Alegre: SBC, 2015. v. 1. p. 15-25.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

RIPPER, A.V. O ambiente logo como mediador instrumental. Em Aberto, v. 12, n. 57, 2008.

SALES, E. R.; et al. O Ambiente Logo como Elemento Facilitador na Releitura de Significados em uma Atividade de Ciências com Alunos Surdos. In: VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, 2007, São José dos Campos-SP. O Paradigma do Desenvolvimento Sustentável. São José dos Campos-SP: UNIVAP, 2007.

SANTAROSA, L. M. C; GERBASE, C. K; TIJIBOY, A. V; TISO, A. M. C; CARVALHO, M. J. Experiência interativa com microcomputador em linguagem LOGO com crianças repetentes de 1ª série do 1º grau. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 39, n. 3, p. 116-135, 1987.

SILVA, P. V. B. da; MORO, M. L. F. A interação de adolescentes marginalizados com a linguagem Logo. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 11, n. 1, 1998.

VALENTE, J.A.. O Professor no Ambiente Logo: formação e atuação. Campinas: Gráfica da UNICAMP, 1996.

VALENTE, J.A.. Integração do Pensamento Computacional no currículo da Educação Básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. Revista e-Curriculum, v. 14, n. 3, 2016.

WANG, P. S. From Computing to Computational Thinking. Boca Ratom, FL: CRC Press, Taylor & Francis Group, 2016.

WING, J.M. Computational thinking. Communications of the ACM, v. 49, n. 3, p. 33-35, 2006.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Tecnologias, Sociedade e Conhecimento

Downloads

Não há dados estatísticos.