Banner Portal
Alan Turing tinha pensamento computacional? Reflexões sobre um campo em construção
PDF

Palavras-chave

Ciência da computação
Pensamento algébrico
Ecnologias educacionais
Educação
TIC

Como Citar

VALENTE, José Armando; FREIRE, Fernanda Maria Pereira; ARANTES, Flavia Linhalis; D´ABREU, João Vilhete Viegas; AMIEL, Tel; BARANAUSKAS, Maria Cecília Calani. Alan Turing tinha pensamento computacional? Reflexões sobre um campo em construção. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 7–22, 2017. DOI: 10.20396/tsc.v4i1.14482. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tsc/article/view/14482. Acesso em: 29 maio. 2024.

Resumo

A expressão pensamento computacional, amplamente usada nos últimos anos, reaviva um antigo debate em torno da importância de trazer práticas da ciência da computação para a educação. A partir da análise de um conjunto de estudos e de currículos procuramos: (i) mostrar algumas relações entre “pensamento computacional” e “pensamento algébrico” e (ii) refletir sobre possíveis impactos educacionais, sociais e econômicos desse crescente movimento. Nosso objetivo é contribuir para uma discussão fundamentada sobre o tema, considerando que, no contexto atual, existem questões econômicas e geopolíticas que resultam em diferentes metas para a educação.

 

https://doi.org/10.20396/tsc.v4i1.14482
PDF

Referências

AHO, A. V., Ubiquity symposium: Computation and computational thinking. Ubiquity, vol. 2011, no. January, 2011.

ALLINGTON, D.; BROUILLETTE, S.; GOLUMBIA, D. Neoliberal Tools (and Archives). A Political History of Digital Humanities. Los Angeles, CA: LA Review of Books, 2016 Disponível em: https://lareviewofbooks.org/article/neoliberal-tools-archives-political-history-digital-humanities/. Acesso em: 19 set. 2017.

AMIEL, T.; FEDEL, G. S.; ARANTES, F. L.; AGUADO, A. G.; Dominando para não ser dominado: Autonomia tecnológica com o Projeto Jovem Hacker, 07/2015, 16º Workshop Internacional de Software Livre (WSL), evento realizado em conjunto com o Fórum Internacional de Software Livre (FISL 16), pp.1-13, Porto Alegre, RS, BRASIL, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Terceira versão revista. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/pdf/4.2_BNCC-Final_MA.pdf. Acesso em: 29 mai. 2017.

COLLEGE BOARD. AP Computer: Science Principles Including the Curriculum Framework. New York: College Board, 2016.

COURSEREPORT Find the Best Bootcamp for You. CourseReport. Disponível em: https://www.coursereport.com. Acesso em: 12 ago. 2017.

CSTA - Computer Science Teachers Association. Operational Definition of Computational Thinking - for K–12 Education. 2011, pp. 1-1. Disponível em: https://csta.acm.org/Curriculum/sub/CurrFiles/CompThinkingFlyer.pdf. Acesso em: 12 ago. 2017.

ISTE. National Educational Technology Standards (NETS•S) and Performance Indicators for Students. Washington: ISTE, 2007. Disponível em: http://www.iste.org. Acesso em: 12 ago. 2017.

ITEA. Standards for technology literacy: Content for the study of technology. Reston, Virginia: International Technology Education Association, 2007. Disponível em: http://www.iteaconnect.org/. Acesso em: 12 ago. 2017.

FARAG, B. Please don’t learn to code. 2016. Crunch Network. Disponível em: https://techcrunch.com/2016/05/10/please-dont-learn-to-code/. Acesso em: 15 set. 2017.

FERNANDES R. K.; SAVIOLI, A. M. P. D. Características de pensamento algébrico manifestadas por estudantes do 5º ano do ensino fundamental. Revista Paranaense de Educação Matemática - RPEM, Campo Mourão, PR, v.5, n.8, p.131-151, jan.-jun. 2016. Disponível em: http://www.fecilcam.br/revista/index.php/rpem/article/viewFile/1228/pdf_168. Acesso em: 29 ago. 2017.

FNDE MEC Audiência Pública 04/2017 - Robótica Educacional. 2017. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=8crrMWWYOQs. Acesso em: 12 ago. 2017.

GADANIDIS, G.; HUGHES, J.M.; MINNITI, L.; WHITE, B. Computational Thinking, Grade 1 Students and the Binomial Theorem. Digital Experiences in Mathematics Education. 2016. Disponível em: doi 10.1007/s40751-016-0019-3. Acesso em: 03 ago. 2017.

GARDNER, H. The Mind’s New Science: a history of the cognitive revolution. New York: Basic Books, 1985.

HEMMENDINGER, D. A plea for modesty. ACM Inroads, v. 1, n. 2, p. 4–7, 2010. Pre-print available at: http://athena.union.edu/~hemmendd/History/ct.pdf. Acesso em: 19 ago. 2017.

HOYLES, C. Apresentação feita no Constructionism 2016, Session 19, Plenary 5, 2016.

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QpcqFsYpWt4&feature=youtu.be. Acesso em: 03 ago. 2017.

HOYLES, C. Computational Thinking in Mathematics Education. Disponível em: http://ctmath.ca/partners/celia-hoyles. Acesso em: 04 ago. 2017.

K12CS Site K–12 Computer Science Framework. Disponível em: https://k12cs.org/. Acesso em: 12 ago. 2017.

MARQUES, F. A realidade que emerge da avalanche de dados. Pesquisa FAPESP n. 355, 2017. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/05/23/a-realidade-que-emerge-da-avalanche-de-dados/. Acesso em: 19 set. 2017.

NORVIG, P. Teach yourself programming in ten years. 2014. Disponível em: http://norvig.com/21-days.html. Acesso em: 29 ago. 2017

PAPERT, S. Mindstorms: Children, Computers, and Powerful Ideas. New York: Basic Books, 1980.

PROULX, S. Trajetórias de uso das tecnologias de comunicação: as formas de apropriação da cultura digital como desafios de uma 'sociedade do conhecimento'. Trabalhos em Linguística Aplicada, vol. 49 n. 2 Campinas July/Dec. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-18132010000200008. Acesso em: 29 ago. 2017.

SINGER, N. How Google Took Over the Classroom. New York Times, 13 maio 2017. Disponível em: https://www.nytimes.com/2017/05/13/technology/google-education-chromebooks-schools.html. Acesso em: 19 set. 2017.

TEDRE, M.; DENNING, P. J. The long quest for computational thinking. In: Proceedings of the 16th Koli Calling Conference on Computing Education Research, Anais...2016. Disponível em: http://denninginstitute.com/pjd/PUBS/long-quest-ct.pdf. Acesso em: 19 set. 2017.

TURKLE, S.; PAPERT, S. Epistemological Pluralism: Styles and Voices within the Computer Culture. Signs: Journal of Women in Culture and Society, v. 16, n. 1, p. 128–157, 1990.

UNESCO Padrões de competência em TIC para professores. 2009. Disponível em: http://cst.unesco-ci.org/sites/projects/cst/default.aspx. Acesso em: 12 ago. 2017.

VALENTE, J. A. Integração do pensamento computacional no currículo da educação básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.14, n.03, p. 864 – 897 jul./set.2016. Disponível em: https://revistas.pucsp.br//index.php/curriculum/article/view/29051. Acesso em: 23 jun. 2017.

VARELA, F. J.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. The Embodied Mind: cognitive science and human experience. Cambridge, MA: MIT Press, 1993.

WING, J. M. Computational thinking. Communications of the ACM, v. 49, n. 3, p. 33-35, 2006

ZAPATA-ROS, M. Pensamiento computacional: Una nueva alfabetizacion digital. Revista de Educación a Distancia, v. 46, n. 4, p. 1-47, 2015. Disponível em: http://www.um.es/ead/red/46/zapata.pdf. Acesso em: 05 mai. 2017

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Tecnologias, Sociedade e Conhecimento

Downloads

Não há dados estatísticos.