Banner Portal
A individualização da desigualdade social
PDF

Palavras-chave

Educação superior
Acesso e permanência na universidade
Desigualdades escolares

Como Citar

MATTOS, Hellen Cristina Xavier da Silva; FERNANDES, Maria Cristina da Silveira Galan. A individualização da desigualdade social: dominação simbólica em experiências universitárias. Tematicas, Campinas, SP, v. 31, n. 62, p. 48–74, 2023. DOI: 10.20396/tematicas.v31i62.17638. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/17638. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

No início do século XXI, a inclusão social é uma das características mais presentes nas políticas de ingresso na educação superior. Estas políticas propiciaram a diversificação social do público universitário, mas as trajetórias dos estudantes beneficiados são marcadas por encontros com a desigualdade social. Este artigo se insere nesta temática ao problematizar as associações que os estudantes estabelecem entre as dificuldades oriundas da desigualdade social e os talentos e dons individuais, caracterizando tal associação como fruto de uma dominação simbólica. Os relatos coletados por meio de entrevistas mostram que os considerados “novos estudantes” precisaram ser superselecionados por meio da escola para adquirir habitus e capital cultural que possibilitassem seu ingresso na universidade. O encontro com a desigualdade social pode ocorrer, especialmente, pela via econômica e acadêmica, sendo que esta última se configura como uma violência simbólica mais potente porque clama à dimensão do natural. Os dados trazidos neste artigo mostraram que os próprios estudantes questionam e classificam as suas performances associando-as a questões de capacidade e de dom, sem a necessidade de qualquer intervenção ou avaliação institucional. De forma não-consciente, os estudantes empregam categorias de percepção que os fazem entrar no jogo universitário, mesmo em uma situação desfavorável. Ou seja, os estudantes atuam como cúmplices nessa relação de dominação, porque as suas disposições já foram dominadas ao reconhecerem a legitimidade da universidade, acreditarem no discurso individualizante do mérito e desconhecerem as relações de força que se mantêm para a reprodução de uma sociedade desigual por meio do sucesso escolar.

https://doi.org/10.20396/tematicas.v31i62.17638
PDF

Referências

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (Orgs.). Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998a. p. 39-64.

BOURDIEU, Pierre. Os três estados do capital cultural. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (Orgs.). Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998b. p. 71-79.

BOURDIEU, Pierre. Espaço social e poder simbólico. In: Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004. p. 149-168.

BOURDIEU, Pierre. Modos de dominação. In: A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre: Zouk, 2006. p. 191- 219.

BOURDIEU, Pierre. Violência simbólica e lutas políticas. In: Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. p. 199-251.

BOURDIEU, Pierre. Para que serve o sociólogo? In: VALLE, Ione Ribeiro; SOULIÉ, Charles (Orgs.). Pierre Bourdieu: uma sociologia ambiciosa da educação. Florianópolis: Editora da UFSC, 2019a. p. 281-303.

BOURDIEU, Pierre. A dominação. In: VALLE, Ione Ribeiro; SOULIÉ, Charles (Orgs.). Pierre Bourdieu: uma sociologia ambiciosa da educação. Florianópolis: Editora da UFSC, 2019b. p. 305-340.

BOURDIEU, Pierre. Aula de 16 de novembro de 1982. In: Sociologia geral, vol 2: habitus e campo. Curso no Collège de France (1982-1983). Petrópolis, RJ: Vozes, 2021. p. 171-199.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do ensino. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora, 1975.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Florianópolis: Editora da UFSC, 2015.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: set. 2022.

HERINGER, Rosana. Políticas de ação afirmativa e os desafios da permanência no ensino superior. In: DIAS, Carlos Eduardo Sampaio Burgos; et al. (Orgs.). Os serviços de apoio pedagógico aos discentes no ensino superior brasileiro. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020. p. 61-78.

PIOTTO, Débora Cristina. Universitários de camadas populares em cursos de alta seletividade: aspectos subjetivos. Revista Brasileira de Orientação Profissional, vol. 11, n. 2, p. 229-242, dez. 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902010000200008. Acesso em: jan. 2023.

PIOTTO, Débora Cristina. Estudantes das camadas populares na USP: encontros com a desigualdade social. In: PIOTTO, Débora Cristina. (Org.). Camadas populares e universidades públicas: trajetórias e experiências escolares. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021. p. 133-165.

WACQUANT, Loïc. Hacia uma praxrología social: la estrutura y la lógica de la sociologia de Bourdieu. In: BOUDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. Una invitación a la sociologia reflexiva. Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2005.

WACQUANT, Loïc. Lendo o capital de Bourdieu. Educação e Linguagem, ano 10, n. 16, p. 37-62, jul-dez, 2007. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/article/view/125. Acesso em: set. 2022.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Hellen Cristina Xavier da Silva Mattos, Maria Cristina da Silveira Galan Fernandes

Downloads

Não há dados estatísticos.