Entre a ficção e a realidade?

guerra em Surdina e Boris Schnaiderman à luz da reflexão entre memória, história e literatura de testemunho

Autores

  • Wanderson Ramonn Pimentel Dantas Universidade Federal do Piauí
  • Johny Santana de Araújo Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v28i56.13180

Palavras-chave:

História, Guerra, Literatura de testemunho, Força Expedicionária Brasileira, Boris Schnaiderman

Resumo

O presente artigo pesquisa a relação entre história, memória e literatura de testemunho em Boris Schnaiderman e a sua obra, Guerra em Surdina. Nessa obra, o autor descreve as experiências dos soldados brasileiros na Itália, por meio da ficção. No intuito de entender o porquê de apresentar-se como ficção, investigamos o autor e a obra. O primeiro momento da pesquisa é apresentar os contextos e a influência na escrita do autor com base em Dominick LaCapra (2015). Num segundo momento, refletimos sobre o aspecto ficcional da obra com aporte em Walter Benjamin (2012) e Márcio Seligmann-Silva (2013), no sentido de compreender os motivos de contar as experiências de choque dos brasileiros em forma de literatura. Num terceiro momento, perscrutamos pela análise de pontos-chave da obra para compreender a sua dinâmica no argumento da brutalização do homem e combate ao mito da guerra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanderson Ramonn Pimentel Dantas, Universidade Federal do Piauí

Licenciado em História pela Universidade Federal do Piauí. Mestrando em História do Brasil pelo Programa de Pós-Graduação em História do Brasil ligado à mesma instituição.

Johny Santana de Araújo, Universidade Federal do Piauí

Professor da Universidade Federal do Piauí e Membro do Programa de Pós-graduação em História do Brasil e líder do Núcleo de História, Memória, Sociedade e Política (cadastrado junto ao CNPq). Tutor do Programa de Educação Tutorial do Curso de Licenciatura em História da Universidade Federal do Piauí.

Referências

AGRONOMANDOS de 1940 da Escola Nacional de Agronomia. O Campo, Rio de Janeiro, dezembro de 1940, p. 64. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/083291/10731. Acesso em: 10 de maio de 2020.

ASSIS, Ivone Gomes de. Guerra em surdina: a ficção de Boris Schnaiderman entre a política e a poética. Dissertação. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, 2014.

ARRUDA, Demócrito Cavalcante de.; MORAIS, Berta. Et al. Depoimento de Oficiais da Reserva sobre a F.E.B. 3. ed. Rio de Janeiro: Cobraci Publicações, 1960.

ALVES, Vagner Camilo. O Brasil e a Segunda Guerra Mundial: história de um envolvimento forçado. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2002.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. v. III Obras Escolhidas. Trad. José Carlos Martins Barbosa; Hemerson Carlos Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BONALUME NETO, Ricardo. A Nossa Segunda Guerra: os brasileiros em combate, 1942-1945. Rio de Janeiro: Expressão e cultura, 1995.

CAPELATO, Maria Helena. Estado Novo: o que trouxe de novo? In: DELGADO, Lucília de Almeida Neves; FERREIRA, Jorge; et al. O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. p. 107-143.

CARVALHO, Nelson Rodrigues de. Do Terço velho ao Sampaio da FEB. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1953.

CASTELLO BRANCO, Manoel Thomaz. O Brasil na II Grande Guerra. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1960.

CASTRO, Celso. Exército e nação: estudos sobre a história do Exército brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

CASTRO, Celso. A invenção do Exército Brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

CATROGA, Fernando. Memória, História e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

CYTRYNOWICZ, Roney. Guerra sem guerra: a mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Geração Editorial, 2000.

F. C., Entre a ficção e a realidade. Correio da manhã, Rio de Janeiro, 19 de junho de 1965, Memória, 2º caderno, p. 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/089842_07/65712. Acesso em: 22 de setembro de 2019.

FERRAZ, Francisco César Alves. A guerra que não acabou: reintegração social dos veteranos da força expedicionária brasileira (1945-2000). Londrina: EDUEL, 2012.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Trad. de Dante Moreira Leite. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LACAPRA, Dominick. Retórica e História. Revista Territórios & Fronteiras. Trad. Eduardo Ferraz Felipe e Tiago Ponce de Moraes Rio de Janeiro, n. 1, jan.-jun. 2013, p. 97-118.

MARRIDALE, Catherine. War, death and remembrance in Soviet Russia. In: SIVAN, Emmanuel; WINTER, Jay. Et al. War and Remembrance in the Twentieth Century. Cambridge: Cambridge University Publisher, 1999. p. 61-83.

MAXIMIANO, Cesar Campiani. Barbudos, sujos e fatigados: soldados brasileiros na Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Grua, 2010.

MORAES, João Batista Mascarenhas de. A F.E.B. pelo seu comandante. 2. ed. São Paulo: Instituto Progresso Editorial, 1947.

MORAES, João Batista Mascarenhas de. Memórias. v.1. Rio de janeiro: Ed. José Olympio, 1969.

PROVOCAÇÕES com Boris Schnaiderman. Provocações. São Paulo: TV Cultura. 1 de agosto de 2012. Programa de TV. Disponível em: https://tvcultura.com.br/videos/6208_provocacoes-189-vom-boris-schnaiderman-bloco-01.html. Acesso em: 25 de dezembro de 2019.

REMARQUE, Erich Maria. Nada de novo no front. Trad. de Helen Rumjanek. São Paulo: Abril Cultural, 1981.

SCHNAIDERMAN, Boris. Autor e obra. Entrevista concedida a’O Jornal. O Jornal, Rio de Janeiro, 14 fev. 1965. Caderno 3, p. 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/110523_06/41815. Acesso em: 22 de junho de 2019.

SCHNAIDERMAN, Boris. In: Entrevista. Revista Brasileira de Psicanálise. São Paulo, v. 43, n. 1, p. 15-25, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2009000100002 Acesso em: 5 de janeiro de 2020.

SCHNAIDERMAN, Boris. Guerra em surdina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

SCHNAIDERMAN, Boris. In. Memórias de um ex-combatente. Entrevista concedida a Neldson Marcolin. Revista Pesquisa Fapesp, São Paulo, n. 246, p. 24-29, junho, 2015. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/2015/10/14/boris-schnaiderman-memorias-de-um-ex-combatente/. Acesso em: 16 de agosto de 2019.

SCHNAIDERMAN, Boris. Minha guerra: lembranças de um soldado. In: COGGIOLA, Osvaldo (Org.). Segunda Guerra Mundial: um balanço histórico. Trad. de Paula Bernardes Sória, Silvana Finzi Foá e Henrique Carneiro. São Paulo: Xamã; FFLCH-USP, 1995. p. 283-292.

SILVA, Márcio Seligmann. Testemunho: entre a ficção e o real. SILVA, Márcio Seligmann. Et al. In: História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013. p. 371-385.

Downloads

Publicado

2020-12-13

Como Citar

DANTAS, W. R. P.; ARAÚJO, J. S. de . Entre a ficção e a realidade? guerra em Surdina e Boris Schnaiderman à luz da reflexão entre memória, história e literatura de testemunho. Tematicas, Campinas, SP, v. 28, n. 56, p. 137–166, 2020. DOI: 10.20396/tematicas.v28i56.13180. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/13180. Acesso em: 28 nov. 2021.