Banner Portal
Discurso de ódio acerca do jovem
PDF

Palavras-chave

Representações sociais
Juventude
Movimento estudantil

Como Citar

ACCORSSI, Aline; NETTO, Livian Lino; CLASE, Julia Rocha. Discurso de ódio acerca do jovem: “chama a BM e desce o sarrafo nesse bando de playboy desocupado”. Tematicas, Campinas, SP, v. 27, n. 54, p. 73–94, 2019. DOI: 10.20396/tematicas.v27i54.12339. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/12339. Acesso em: 17 jul. 2024.

Resumo

O presente artigo procura refletir sobre as representações sociais de internautas, a partir dos seus comentários em uma reportagem de um jornal local, sobre a ocupação estudantil secundarista no Instituto Federal Sul-rio-grandense (Campus Pelotas). Foram analisados os 271 comentários realizados na matéria sobre a ocupação, publicada no dia 16 de outubro de 2016, na página do jornal no Facebook. Os dados foram submetidos a uma análise de conteúdo do tipo temática, o que gerou um mapa representacional. O tema de maior prevalência e que perpassa todos os demais, sendo caracterizador da representação social de juventude, está relacionado a desqualificação juvenil. Dele derivam outros dois grupos de pensamentos acerca do jovem: o primeiro refere-se à imaturidade, incapacidade e improdutividade, já o segundo à fácil manipulação frente aos modismos e suposta doutrinação da esquerda. Diante disso, cabe à sociedade a condução da construção social do jovem enquanto “homem de bem”. O desvio dessa formação caracterizaria uma inversão da ordem, uma contravenção, a qual necessita de controle, punição e ódio.

https://doi.org/10.20396/tematicas.v27i54.12339
PDF

Referências

ABRAMO, Helena Wendel. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação. (Número especial - Juventude e contemporaneidade), n.5-6, p. 25-36, 1997.

ABRIC, Jean-Claude. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, Antonia Silva Paredes; OLIVEIRA, Denise Cristina de. (Orgs.), Estudos interdisciplinares de representação social (p. 27-38). Goiânia: AB, 1998.

ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de; TRACY, Kátia. Noites Nômades: espaço e subjetividade nas culturas jovens contemporâneas. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

BOURDIEU, Pierre. A “juventude” é apenas uma palavra! In: BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1989.

CAMPOS, Antonia, et al.. Escolas de luta. São Paulo: Veneta, 2016.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, n.24, Set /Out /Nov /Dez, 2003.

DUVEEN, Gerard. Introdução: o poder das ideias. In: MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: Investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2003.

GUARESCHI, Pedrinho. Representações sociais, mídia e movimentos sociais. In: GUARESCHI, Pedrinho, et al. (Orgs.). Representações Sociais em Movimento: psicologia do ativismo político. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2010, p. 77-93.

GUARESCHI, Pedrinho; ROSO, Adriane. Teoria das Representações Sociais: sua história e seu potencial crítico e transformador. In: CHAMON, Edna; GUARESCHI, Pedrinho; CAMPOS, Pedro (Orgs). Textos e debates em Representação Social. Porto Alegre: ABRAPSO, 2014.

IASI, Mauro Luis. A rebelião, a cidade e a consciência. In: MARICARO, Ermínia. et al. Cidades Rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. 1º ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise (Org.) As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001, p. 17-44.

JOVCHELOVITCH, Sandra. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis: Vozes, 2008.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2010.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, 1999, p. 7-32.

MOSCOVICI, Serge. Representações Sociais: investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2003.

NARCISO, Pedro Felipe. Ocupações: CRONOLOGIA. In.: CATTANI, Antonio David (Org.). Escolas Ocupadas. Porto Alegre: Cirkula, 2017.

NOVAES, Regina. Juventude: políticas públicas, conquistas e controvérsias. In: J. O. Beozzo, & C. B. Franco (Orgs.), Juventudes em foco. São Paulo: Paulus, 2013, p. 39-74. Disponível em: juventude.gov.br/articles/particpatorio/0005/7079/0_regina_novaes.doc. Acesso em: 14 jun. 2019.

O MAL-EDUCADO. Como ocupar um colégio?: manual escrito por estudantes secundaristas da Argentina e Chile. Disponível em: https://gremiolivre.files.wordpress.com/2015/10/como-ocupar-um-colc3a9gio.pdf. Última atualização em: outubro de 2015. Acesso em: 8 mai. 2019.

SANGUINÉ, Leon. Cem estudantes ocupam o Campus Pelotas do IFsul. Disponível em: https://www.facebook.com/diariopopularRS/posts/1391153644245933?__tn__=-R. Acesso em: 17 abr. 2019.

TAVOLARI, BIANCA et al . As ocupações de escolas públicas em São Paulo (2015-2016): Entre a posse e o direito à manifestação. Novos estud. CEBRAP, São Paulo, v. 37, n. 2, ago. 2018, p. 291-310.

THOMPSON, John. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 1995.

UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas). Primeiro colégio ocupado por estudantes no Paraná. Disponível em: http://ubes.org.br/2016/primeiro-colegio-ocupado-por-estudantes-no-parana/. Publicado em: 18 mai. 2016. Acesso em: 02 nov. 2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Aline Accorssi, Livian Lino Netto, Julia Rocha Clase

Downloads

Não há dados estatísticos.