Os pequenos sujeitos da luta pela terra

educação infantil popular na ciranda infantil do MST

Autores

  • Fábio Accardo de Freitas Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v26i51.11618

Palavras-chave:

Criança, Infância, Culturas infantis, Sociologia da infância, Educação, Movimento popular

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a prática educativa com as crianças na Ciranda Infantil do pré-assentamento Elizabeth Teixeira do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) a partir da Sociologia da Infância e da Educação Popular. As crianças são o ponto de partida da prática educativa, e da análise realizada, uma vez que são reconhecidas como sujeitos da história, atores no mundo e protagonistas da luta pela terra. A análise partiu da minha participação como educador-pesquisador na Ciranda Infantil do pré-assentamento e dos relatos de atividades do coletivo de extensão Universidade Popular, utilizados como fonte da pesquisa. Os relatos apresentam o protagonismo das crianças como sujeitos no mundo e produtoras de culturas infantis (FERNANDES, 2004; CORSARO, 2011). Como espaço de educação das crianças Sem Terrinhas, a Ciranda Infantil insere-se na trajetória da Educação Popular, coloca o movimento social como espaço e princípio educativo de formação dos sujeitos, garante espaço de encontro do coletivo infantil e reconhece as crianças enquanto pequenos sujeitos da luta pela terra, elementos que contribuem para caracterizá-la como uma experiência de Educação Infantil Popular.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Accardo de Freitas, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ACAMPAMENTO ELIZABETH TEIXEIRA. Manifestação de apoio ao Assentamento Milton Santos, Sem Terrinhas do Elizabeth Teixeira. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ciAZzr0DQvk&feature=youtu.be. Acesso em: 05. 02. 2015.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação popular na escola cidadã. Editora Vozes, 2002.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

CAMINI, Isabela. A infância no MST – Desafio atual. In: Anais do I Seminário Regional de Educação do Campo, Eixo 11, Santa Maria-RS, Outubro, 2013. Disponível em: http://coral.ufsm.br/sifedocregional/images/Anais/Eixo%2011/Isabela%20Camini.pdf. Acesso em: 30. 07. 2015.

CORSARO, Willian A. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FÁVERO, Osmar. Cultura popular e educação popular : memória dos anos 60. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

FERNANDES, Florestan. Folclore e Mudança Social na cidade de São Paulo.São Paulo: Martins Fontes, 2004.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Como Citar

FREITAS, F. A. de. Os pequenos sujeitos da luta pela terra: educação infantil popular na ciranda infantil do MST. Tematicas, Campinas, SP, v. 26, n. 51, p. 87–118, 2018. DOI: 10.20396/tematicas.v26i51.11618. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11618. Acesso em: 19 ago. 2022.