Banner Portal
A produção da subalternidade sob a ótica pós-colonial (e decolonial)
PDF

Palavras-chave

Epistemologia
Modernidade
Colonialidade
Decolonialidade
Subalter-nidade
Pós-colonial

Como Citar

RIBEIRO, A. M.; PRAZERES, L. L. G. dos. A produção da subalternidade sob a ótica pós-colonial (e decolonial): algumas leituras. Tematicas, Campinas, SP, v. 23, n. 45, p. 25–52, 2015. DOI: 10.20396/tematicas.v23i45/46.11100. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11100. Acesso em: 7 dez. 2023.

Resumo

Buscamos apresentar perspectivas teóricas que compõem ou influenciaram os chamados estudos pós-coloniais e decoloniais. Para tanto, iniciamos por Foucault que possibilitou a percepção do poder entremeado às microrelações, com ênfase ao disciplinamento dos corpos e à criação das normas subliminares de conduta.  Transitamos em seguida por Derrida e Hall a fim de marcar as influências pós-moderna e pós-estruturalista na descolonização epistemológica. Ao trazer o debate para as vozes silenciadas pela diferença colonial - antítese da différance - observamos o benefício da expressão entre-lugar do brasileiro Santiago e do indiano Bhabha, como possível sinônimo de hibridismo, trânsito, fronteira, a partir das quais identidades são deslocadas e reinventadas. Acrescemos os latino-americanos do grupo modernidade-colonialidade, Quijano e Maldonado-Torres a fim de expor os tipos de colonialidade existentes e a necessidade de pensar epistemologias próprias que possam superá-los, a exemplo do feminismo decolonial de Spivak (2010), Lerma (2014) e Lugones (2011). Concluímos que há relevância nas inquietações acerca das persistentes colonialidades do poder, do saber e do ser, e chamamos atenção para a necessidade da desconstrução como método de compreensão das realidades e dos discursos sobre as realidades com o intuito de conceber uma crítica intelectual mais efetiva à produção e reprodução das subalternidades.


https://doi.org/10.20396/tematicas.v23i45/46.11100
PDF

Referências

ALMEIDA, Júlia. Perspectivas pós-coloniais em diálogos. In: ALMEIDA, Júlia, MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adelia, GOMES, Heloisa Toller (Orgs.). Crítica pós-colonial: panorama de leituras contemporâneas. 1. ed. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

ALMEIDA, Júlia, MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adelia, GOMES, Heloisa Toller (Orgs.). Crítica pós-colonial: panorama de leituras contemporâneas. 1. ed. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial.Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11. Brasília, maio – agosto de 2013, pp. 89-117. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-33522013000200004&script=sci_arttext. Acesso: 28 de nov. 2015.

BONNICI, Thomas. O pós-colonialismo e a literatura: estratégias de leitura. 2. Ed. Maringá: Eduem, 2012.

BONNICI, Thomas.Conceitos-chave da Teoria Pós-Colonial. Maringá: Eduem, 2005.

COSTA, Sérgio. Desprovincializando a Sociologia – A contribuição pós-colonial. Revista Brasileira de Ciências Sociais – VOL. 21 n. 60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v21n60/29764.pdf. Acesso: 28 de nov. 2015.

DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. Campinas, SP: Papirus, 1991.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão. 35 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-moderrnidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

LERMA, Betty Ruth Lozano. El feminismo no puede ser uno porque las mujeres somos diversas. Aportes a um feminismo negro decolonial desde la experiencia de las mujeres negras del Pacífico colombiano. La manzana de la discórdia. Julio-Diciembre, año 2010, vol. 5, n. 2:7-24. Disponível em: http://manzanadiscordia.univalle.edu.co/volumenes/articulos/Vol5N2/art1.pdf. Acesso: 20/07/2014.

LUGONES, María. Hacia un feminismo descolonial. La manzana de la discordia, Julio – Diciembre, Año 2011, Vol. 6, No. 2: 105-119. Disponível em: http://manzanadiscordia.univalle.edu.co/volumenes/articulos/V6N2/art10.pdf. Acesso em: junho/2014.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, Império e Colonialidade. In: SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul [livro eletrônico]. São Paulo: Cortez, 2013.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adelia M.. Intelectuais, Diáspora e Cultura: por uma crítica antimoderna e pós-colonial. Mouseion, n. 12, mai-ago/2012, pp. 44-55. ISSN 198-7207. Disponível em: http://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Mouseion/article/viewFile/402/408. Acesso em: junho de 2014.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adelia M.. Subalterna e heroínas. Mulheres em guerra nos séculos XVIII e XIX: por um feminismo decolonial. In: GARDIA, Sara Beatriz (Ed.). Las mujeres em los processos de independência de América Latina. Lima-Peru, CEMHAL-Biblos, 2014.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul [livro eletrônico]. São Paulo: Cortez, 2013.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.

SANTIAGO, Silviano. As raízes e o labirinto da América Latina. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2015 Adelia Miglievich Ribeiro, Lílian Lima Gonçalves dos Prazeres

Downloads

Não há dados estatísticos.