O surgimento das classes experimentais secundárias em instituições públicas de ensino do Estado de São Paulo (1951-1962)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v7i00.16078

Palavras-chave:

Classes Experimentais Secundárias, Classes Nouvelles, Cultura Escolar Ensino Secundário

Resumo

O campo educacional brasileiro, nos anos 1950, era favorável à iniciativas de renovação do ensino secundário e, nesse contexto, as classes experimentais integravam a clave das inovações pedagógicas pretendidas. No estado de São Paulo, o surgimento dessas experiências contou com as ações de Luis Contier, que, após estagiar no Centre International d´Études Pédagogiques, em Sèvres, onde circulava a matriz das Classes Nouvelles, implantou o ensaio em um instituto estadual, à margem da legislação vigente. O corpus empírico é composto por documentos brasileiros e franceses: periódicos; documentos oficiais; relatórios; relatos e documentos de ex-alunos/as e ex-professores/as. Utiliza-se os conceitos de apropriação e circulação, de Roger Chartier; tática e estratégia, de Michel de Certeau, e campo, de Pierre Bourdieu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Vieira, Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade Educação, Universidade de São Paulo, Brasil

Leticia Vieira: Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Gerente de Educação do Ensino Médio e Profissional da Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina, Brasil. É pesquisadora e Secretária Executiva do "Observatório do Ensino Médio em Santa Catarina", Grupo de Pesquisa interinstitucional.

Referências

AMADO, Gildásio. Ginásio Moderno. Rev. Bras. de Est. Pedagogia, n. 93. v. XLI, jan./mar. 1964.

BOURDIEU, Pierre. Algumas propriedades dos campos. In: ______. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero. 1983a. p. 89-94.

______. Alta Costura e Alta Cultura. In: BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero. 1983b, p. 154-161.

______. NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (Orgs.). Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. p. 65-69.

______. Homo Academicus. VALLE, Ione Ribeiro; VALLE, Nilton (trad.). PIACENTINI, Maria Tereza de Queiroz (rev.). 2. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2013.

CARVALHO, Luís Miguel. Sobre a Circulação do Conhecimento Educacional: três incursões. In: Ó, Jorge Ramos do; _______. Emergência e Circulação do Conhecimento Psicopedagógico Moderno (1880-196): estudos comparados Portugal-Brasil. Lisboa: Educa, 2009. (Ciências da Educação: 7) p. 155-194.

CENTRE INTERNATIONAL D’ETUDES PEDAGOGIQUES. Classes Nouvelles - Classes Pilotes. Sévres, França [Entre 1950 e 1960]). Acervo Luis Contier: Centro de Memória da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

______. [Encarte informativo do Centre International d'études pedagogiques]. [Entre 1950 e 1960b]. Acervo Luis Contier: Centro de Memória da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

______. L’étude du Milieu. Sévres, França [Entre 1950 e 1960b]). Acervo Luis Contier: Centro de Memória da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

CERTEAU, Michel de. Teoria e Método no Estudo das Práticas Cotidianas. In: SZMRECSNAYI, Maria Ivone (Org). Anais do encontro Cotidiano, Cultura Popular e Planejamento Urbano. FAU/USP: São Paulo, 1985. P. 3-19.

______. A Cultura no Plural. Campinas: Papirus, 1995.

______. A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Tradução: Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

CHARTIER, Anne-Marie; HÉBRARD, Jean. A invenção do cotidiano: uma leitura, usos. Proj. História. São Paulo. Nov. 1998.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1990.

______. VI. Textos, impressões, leituras. In: HUNT, Lynn (Org.). A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 211-38.

______. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. PRIORE, Mary del (Trad.) Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994.

CHIOZZINI, Daniel Ferraz. Os ginásios vocacionais: a (des)construção de uma experiência educacional transformadora (1961-1969). Campinas, SP: 2003. 134 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas – Faculdade de Educação, UNICAMP, 2003.

______. Memória e História da Inovação Educacional no Brasil: o caso dos Ginásios Vocacionais (1961-1969). Campinas, SP: 2010. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas – Faculdade de Educação, UNICAMP, 2010.

CLASSES experimentais no ensino secundário. Rev. Bras. de Est. Pedag. Vol. XXX, n. 72. 1963. P. 73-83.

CLASSES experimentais. Jornal “O Estado de São Paulo”. São Paulo, nov. 1959.

Acervo Luis Contier: Centro de Memória da Educação da Universidade de São Paulo.

CONSULTORIA JURÍDICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Parecer nº 77/58, de 18 de abril de 1958. Ministério da Educação e Cultura: São Paulo. 1958.

CONTIER, Luiz. Sugestões sobre renovação dos métodos e processos de ensino apresentadas à Jornada de Diretores do Ensino Secundário. São Paulo, 15 a 20 out. 1956. Mimeografado. Arquivo Luiz Contier: Centro de Memória da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

CONTIER, Luis. Plano para a organização das Classes Experimentais. [São Paulo], [1958]. Acervo Luis Contier. Centro de Memória da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

______. Relatório que apresenta o Prof. Luiz Contier, Educador Acompanhante da Classe Experimental do Instituto de Educação “Narciso Pieroni” de Socorro. 1959. 5p. São Paulo. Acervo Luis Contier: Centro de Memória da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

______. Relatório que apresenta o Prof. Luiz Contier sobre o funcionamento da Classe Experimental do Instituto de Educação “Narciso Pieroni”, de Socorro. 1960. 2 p. Acervo Luis Contier. Centro de Memória da Faculdade de Educação da USP.

______. O Ginásio Vocacional: uma experiência brasileira. Palestra proferida pelo Prof. Luis Contier, diretor do Serviço de Orientação Pedagógica da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Diretor do Ginásio Vocacional do Liceu Eduardo Prado. Associação Interamericana de Educação. 12 de outubro de 1966.

______. Luiz Contier: Introdutor das Classes Experimentais no Brasil. Entrevista. 04 de fevereiro de 1981. Arquivo Luis Contier: Centro de Memória da Educação da Universidade de São Paulo.

CUNHA, Nádia; ABREU, Jayme. Classes Secundárias Experimentais – Balanço de uma experiência. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. v. XL, jul./set., nº 91, 1963. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. p. 90-51.

DALLABRIDA, Norberto. MEC-INEP contra a Reforma Capanema: renovação do ensino secundário na década de 1950. Perspectiva. Florianópolis, v. 32, no. 2, p. 407 -427, mai/ago, 2014.

______. A renovação escolar na década de 1950. Jornal da Educação, Joinville, Ano XXIX, no. 294, p. 5, abr. 2016.

______. As classes secundárias experimentais: uma tradição escolar (quase) esquecida. Revista Brasileira de História da Educação. Maringá-PR, v. 17, n. 3[46], p. 213-234, jul./set. 2017a.

______. Circuitos e usos de modelos pedagógicos renovadores no Ensino Secundário brasileiro na década de 1950. Hist. Educ. Santa Maria, v. 22, n. 55, p. 101-115, Aug. 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/80587. Acesso em: 18 jul. 2019.

DESIGNAÇÕES para o ensino vocacional. Folha de São Paulo. São Paulo, 19 mar. 1965. Acervo Luis Contier: Centro de Memória da Educação da Universidade de São Paulo.

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO. Secretaria de Estado dos Negócios da Educação. [Objetivos das classes experimentais]. São Paulo: SP. [Entre 1950 e 1960].

EZPELETA, Justa; ROCKEWELL, Elsie. Pesquisa Participante. Cortez: São Paulo. 1989.

FAURE, Pierre. L’Enseignement au Brèsil. Pedagogie, education et culture. Oct. 1963. p. 733-736.

FONTES, Alice Aguiar de Barros. Inovações educacionais: autores e atores das classes experimentais. 1999. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

GARCIA, Walter E. (Org). Inovação Educacional no Brasil: problemas e perspectivas. SP: Editora autores Associados. 1995.

INSTRUÇÕES SOBRE A NATUREZA E ORGANIZAÇÃO DAS CLASSES EXPERIMENTAIS. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. São Paulo. V 30, N 72, Out-Dez 1958. P. 79-83.

LIMA, Lauro de Oliveira. Estórias da Educação no Brasil: de Pombal a Passarinho. 2. ed. Rio de Janeiro: Brasília, s. d. 350 p.

LUGLI, Rosario S. Genta; CATANI, Denice Bárbara. O trabalho docente no Brasil: o discurso dos Centros Regionais de Pesquisa Educacional e das entidades representativas do magistério (1950-1971). 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

MARQUES, Sandra Machado Lunardi. Contribuição ao estudo dos Ginásios Vocacionais do Estado de São Paulo: o Ginásio Vocacional “Chanceler Raul Fernandes” de Rio Claro. Dissertação (Mestrado). PUC-SP, São Paulo, 1985.

MASCELLANI, Maria Nilde. A origem dos Vocacionais. Texto impresso. Arquivo Maria Nilde Mascellani. Centro de Memória da Educação da Universidade de São Paulo. [entre 1950 e 1970b]. 78 p.

______. Uma pedagogia para o trabalhador: O Ensino Vocacional como base para uma proposta pedagógica de capacitação profissional de trabalhadores desempregados (Programa Integrar CNM/CUT). 1999. Tese (Doutorado) - FE/USP -São Paulo, SP.

PLANO para organização das Classes Experimentais. [São Paulo], [1958]. Acervo Luis Contier. Centro de Memória da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

PRIMEIRA JORNADA DE DIRETORES. Folheto de Anais da Primeira Jornada de Diretores. Editora Clássico-Científica: São Paulo. 1957.

PROCESSAM-SE EM ESTABELECIMENTO oficial da capital ensaios sobre aplicação de novos métodos de ensino. Ensino e Magistério. Folha da manhã, 29 de novembro de 1956.

ROCKWELL, Elsie. La apropiación, un proceso entre muchos que ocurren en ámbitos escolares. Memoria, conocimiento y utopia: anuário de la Sociedad Mexicana de Historia de la Educación. México, n. 1, enero 2004/mayo 2005. p. 28-38.

ROVAI, Esméria et al. ROVAI, Esméria (Org.). Ensino Vocacional: uma pedagogia atual. São Paulo: Cortez, 2005.

SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 35. 069, de 11 de jun. 1959. Dispõe sobre a instalação e funcionamento das classes experimentais em estabelecimentos oficiais de ensino secundário. Diário Oficial do Estado de São Paulo. n. 129. 12 jun. 1959.

SCHEIBE, Leda; DAROS, Maria das Dores; DANIEL, Leziany Silveira. Santa Catarina e o programa nacional de reconstrução de Anísio Teixeira: a Contribuição dos Intelectuais Catarinenses. In: Anísio Teixeira na organização de INEP: Programa para a reconstrução da Nação Brasileira (1952-1964). Marta Maria de Araújo, Iria Brzezinski (Org.). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006.

SCHREIBER, Stefanie. Cultura Escolar no Curso Ginasial Experimental Santa Cruz (1959 – 1962). Florianópolis,2016. 76p. Trabalho de Conclusão de Curso (História). Universidade do Estado de Santa Catarina.

SENA, Adalberto Correia. Parecer do Técnico de Educação Adalberto Correia Sena, da Diretoria do Ensino Secundário. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. São Paulo. V 30, N 72, Out-Dez 1958. P. 78-79.

SILVA, Analice Martins da. Escola Experimental do Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais do Recife: lócus de ensino e pesquisa (1961-1975). In: Pesquisa e Educação na Contemporaneidade: Perspectivas Teórico-Metodológicas. Caruru. Setembro/2012.

STRENGER, Irineu. Luta contra o academismo nas escolas: alunos ajudam professores na revolução pedagógica. Arquivo Luis Contier: Centro de Memória da Educação da Universidade de São Paulo. [195-?].

TAMBERLINI, Ângela Rabello Maciel de Barros. Os Ginásios Vocacionais, a História e a possibilidade de futuro. In: ______. Ensino Vocacional: uma pedagogia atual. São Paulo: Cortez, 2005. P. 15-24.

TEIXEIRA, Anísio. Apresentação. In: CUNHA, Nádia; ABREU, Jayme. Classes Secundárias Experimentais – Balanço de uma experiência. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Vol. XL, jul./set., nº 91, 1963. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. p. 90-51.

VIEIRA, Letícia. Um Núcleo Pioneiro na Renovação da Educação

Secundária Brasileira: as Primeiras Classes Experimentais do Estado De São Paulo (1951-1961). 2015. (Dissertação) - Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Ciências Humanas e da Educação da UDESC. Florianópolis/SC.

______; CHIOZZINI, Daniel Ferraz. Luis Contier como catalisador de redes: classes experimentais e renovação do ensino secundário em são paulo nas décadas de 1950 e 1960. Hist. Educ. Santa Maria, v. 22, n. 55, Ago. 2018. p. 61-80. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/80603. Acesso em: 28 fem. 2020.

WARDE, Mirian Jorge. O Colégio de Aplicação da Universidade de São Paulo. In: GARCIA, Walter E. (Org). Inovação Educacional no Brasil: problemas e perspectivas. SP: Editora autores Associados. 1995.

WEREBE, M. J. A renovação pedagógica em França. Revista de Pedagogia. São Paulo: EDUSP, v. 2, ano 2, n. 1, jan./jun, 1956. P. 57‐68.

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

VIEIRA, L. O surgimento das classes experimentais secundárias em instituições públicas de ensino do Estado de São Paulo (1951-1962). RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e021040, 2021. DOI: 10.20888/ridpher.v7i00.16078. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/16078. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO