Construir uma instituição

décadas iniciais da Faculdade de Educação da USP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v7i00.16065

Palavras-chave:

Origens da FEUSP, Mudanças institucionais, Compromisso político

Resumo

O presente artigo tem por objetivo oferecer elementos para uma melhor compreensão de peculiaridades de como se constituiu a Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, tanto em seus antecedentes, como em seus primeiros 20 anos de existência independente, a partir de sua instalação em janeiro de 1970. Busca também oferecer informações e análises referentes a um período de mudanças institucionais marcadas por mudanças políticas internas, além daquelas que ocorriam na sociedade. Metodologicamente, trata-se de pesquisa documental e bibliográfica, complementada por relato das próprias vivências institucionais da autora em ininterruptos 50 anos de vida na FEUSP, sendo, nesse sentido, investigação que se aproxima da abordagem (auto)biográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseli Fischmann, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, Brasil

Professora Sênior da Universidade de São Paulo. Livre Docente, Departamento Administração Escolar, USP. Doutora em Filosofia e História da Educação, Universidade de São Paulo (1989). Mestre em Educação, área Administração Escolar (1982), Universidade de São Paulo. Aprovada para o título de Professora Titular, USP (1997). Foi Professora Titular do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Metodista de São Paulo (2009-2017), tendo sido Coordenadora do referido PPGE (2011-2017). Na atuação internacional destaca-se: Visiting Scholar da Harvard University no período 2003-2005; Presidente e membro do Juri Internacional do Prêmio UNESCO de Educação para Paz, Paris (1999-2002). Membro do Grupo de Trabalho temporário assessor do Conselho Executivo da UNESCO, Paris, para Educação para Direitos Humanos como representante do GRULAC (1998-1999). Fellow, The John D. and Catherine T. MacArthur Foundation (1994-1997). Convidada a apresentar seu trabalho em diversos centros e instituições em diferentes continentes e países.Tem experiência na área de Políticas Públicas de Educação, em nível nacional e internacional; Cultura, Organização e Educação; Filosofia, com ênfase em Política, Ética e Educação.Coordenou a área Filosofia e Educação da Pós-Graduação em Educação, USP (2007-2008). Atua de modo marcante nos temas Pluralidade Cultural; Laicidade do Estado e Educação; Discriminação, preconceito, estigma; e Defesa da liberdade de consciência e defesa/promoção dos direitos de minorias; ensino religioso nas escolas públicas e Estado laico; educação em direitos humanos; educacao para a paz; ensino religioso em escolas públicas e defesa da liberdade de crença. Expert UNESCO para a Coalizão de Cidades contra Racismo, Discriminação e Xenofobia. Fonte: Currículo Lattes

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna-Barreto. (Auto)Biográfico: um método possível de pesquisa? Prefácio. In PASSEGGI, Maria da Conceição; VICENTINI, Paula Perin; SOUZA, Elizeu Clementino de. Pesquisa (auto)biográfica: narrativas de si e formação. Curitiba (PR): CRV, 2013.

ANTUNHA, Heládio César Gonçalves. As origens da Faculdade de Educação: a introdução dos estudos pedagógicos de nível universitário no estado de São Paulo. Revista da Faculdade de Educação, v.1, n.1, 1975, p. 25-41. Disponível em http://educa.fcc.org.br/pdf/rfe/v1n1/v1n1a02.pdf . Acesso em 17 dez 2021.

ANTUNHA, Heládio César Gonçalves. A instrução pública no Estado de São Paulo: A Reforma de 1920. Estudos e Documentos, v. 12, FEUSP, 1974.

AZEVEDO, Fernando de. Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932). Manifesto dos educadores: mais uma vez convocados (1959). Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4707.pdf. Acesso em 11 dez 2021.

AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1943.

AZEVEDO, Fernando de. Educação Pública em S. Paulo. Problemas e discussões. inquérito para "O Estado de S. Paulo" , em 1926. Série Brasiliana. Biblioteca Pedagógica Brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937. Disponível para acesso eletrônico em https://bdor.sibi.ufrj.br/bitstream/doc/180/1/98%20PDF%20-%20OCR%20-%20RED.pdf . Acesso em 12 dez 2021.

BARROS, Roque Spencer Maciel de (org.). Diretrizes e bases da educação nacional. São Paulo: Pioneira, 1960.

BONTEMPI JR., Bruno. A cadeira de História e Filosofia da Educação da USP entre os anos 40 e 60: um estudo das relações entre a vida acadêmica e a grande imprensa. Tese. PUC/SP - Programa de Pós-Graduação em Educação: História e Filosofia da Educação, 2001. Disponível em https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/10655 . Acesso em 18 dez 2021.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil (de 18 de setembro de 1946). Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao46.htm . Acesso em 11 dez 2021.

BRASIL. Ato Adicional nº 5, de 13 de dezembro de 1968. São mantidas a Constituição de 24 de janeiro de 1967 e as Constituições Estaduais. O Presidente da República poderá decretar a intervenção nos estados e municípios, sem as limitações previstas na Constituição, suspender os direitos políticos de quaisquer cidadãos pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos eletivos federais, estaduais e municipais, e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ait/ait-05-68.htm . Acesso em 18 dez 2021.

BRASIL. Decreto-Lei nº 477, de 26 de fevereiro de 1969. Disponível em https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1960-1969/decreto-lei-477-26-fevereiro-1969-367006-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 18 dez 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm . Acesso em 18 dez 2021.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm. Acesso em 11 dez 2021.

BRASIL. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5540.htm. Acesso em 12 dez 2021.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º Graus e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692.htm . Acesso em 18 dez 2021.

BRASIL. Reforma Universitária – Relatório do Grupo de Trabalho Criado pelo Decreto n9 62.937/68. 3ª ed.. Brasília: Ministério da Educação e Cultura. Secretaria da Educação Superior, 1983. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002285.pdf . Acesso em 8 dez 2021.

CAPELATO, Maria Helena; PRADO, Maria Ligia. O bravo matutino – Imprensa e ideologia no jornal O Estado de S. Paulo. São Paulo: Alfa-Ômega, 1980.

CARDOSO, Irene de Arruda Ribeiro. A universidade da comunhão paulista (O projeto da criação da Universidade de S. Paulo). São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1982. Disponível em https://uspcaf.files.wordpress.com/2011/11/a-universisidade-da-comunhc3a3o-paulista.pdf . Acesso em 3 dez 2021.

CARVALHO, Laerte Ramos de. A educação brasileira e a sua periodização. Encontro Internacional de Estudos Brasileiros. Primeiro Seminário de Estudos Brasileiros. Introdução ao estudo da história da educação brasileira, Instituto de Estudos Brasileiros (IEB-USP), São Paulo, 13 a 25 de setembro de 1971, mimeo. Republicado em: Revista Brasileira de História da Educação n°2, jul./dez. 2001, pp. 137-152. Disponível em https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38745/20275. Acesso em 18 dez 2021.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Fernando de Azevedo, pioneiro da educação nova. Revista Instituto de Estudos Brasileiros, v. 37, 1994, p. 71-79. Disponível em https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/71080/74039 . Acesso em 10 dez 2021.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1982.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Ideologia e educação brasileira - católicos e liberais. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979.

ENTINI, Carlos Eduardo. “Pesquisa do jornal em 1926 mostrou necessidade de criação da Universidade de São Paulo”. In: O Estado de S. Paulo, 23 jan 2014, edição eletrônica. Disponível em https://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,pesquisa-do-jornal-em-1926-mostrou-necessidade-de-criacao-da-universidade-de-sao-paulo,9575,0.htm. Acesso em 8 dez 2021.

FERNANDES, Florestan. A formação política e o trabalho do professor. In: CATANI, D.;, MIRANDA, H.T.; MENEZES, L.C.; FISCHMANN, R.(orgs). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986.

FISCHMANN, Roseli (org.). Escola brasileira: temas e estudos. São Paulo: Atlas, 1987.

FISCHMANN, Roseli. Memória coletiva e insurgência contra o olvido: em favor da convivência na escola. Ensaio: avaliação e políticas públicas de educação, Rio de Janeiro, v.21, n. 81, p. 801-820, out./dez. 2013.

FREITAG, Barbara. Escola, estado e sociedade. São Paulo: Edart, 1977.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 65 (150), , maio-ago./1984, p. 407-425. Disponível em https://download.inep.gov.br/download/70Anos/Manifesto_dos_Pioneiros_Educacao_Nova.pdf . Acesso em 10 dez 2021.

MORAES, Carmen Sylvia Vidigal Moraes. “Florestan Fernandes, a sociologia e a educação pública”. In: A Terra é redonda – Eppur si muove. 22/12/2020. Disponível em https://aterraeredonda.com.br/florestan-fernandes-a-sociologia-e-a-educacao-publica/?doing_wp_cron=1641585479.8762810230255126953125. Acesso em 5 dez 2021.

MORAES, Carmen Sylvia Vidigal Moraes. “A sistematização da política educacional dos ‘liberais reformadores’: o inquérito de 1926”. Revista da Faculdade de Educação, v. 20 n. 1-2 São Paulo dez. 1994, p. 81-106. Disponível em http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551994000100006&lng=pt&nrm=iso . Acesso em 18 dez 2021.

PAULILO, André Luiz. A reforma da educação como perícia: questões do fazer administrativo nos anos 1920. Revista História da Educação, v. 17, n. 41, set./dez. 2013, p. 43-57.

PILETTI, Nelson. Da educação física às ciências sociais. Revista Instituto de Estudos Brasileiros, v. 37, 1994, p. 71-79. Disponível em https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/71118/74085. Acesso em 10 dez 2021.

PONTES, José Alfredo Vidigal. O Estado de S.Paulo – Resumo. Acervo de O Estado de S. Paulo. Disponível em https://www.estadao.com.br/historico/print/resumo.htm. Acesso em 14 dez 2021.

SILVA, José Carlos Sooma; VIDAL, Diana Gonçalves; ABDALA, Rachel Duarte. Fernando de Azevedo em releituras. Sobre lutas travadas, investigações realizadas e documentos guardados. Jundiaí (SP): Paco Editorial, 2020.

SOUZA, Antonio Cândido de Mello e. Um reformador. Revista Instituto de Estudos Brasileiros, v. 37, 1994, p. 11-17. Disponível em https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/70512/73282. Acesso em 10 dez 2021.

SOUZA, Antonio Cândido de Mello e. Prefácio. In: DUARTE, Paulo. Mário de Andrade por ele mesmo. São Paulo: EDART, 1971.

VOVELLE, Michel. A revolução francesa e seu eco. Revista Estudos Avançados, v. 3 n. 6, Ago 1989, p. 25-45. Disponível em https://www.scielo.br/j/ea/a/dRnfWsbWdxZRhyC3kf6ts3v/?format=pdf&lang=pt e em https://www.scielo.br/j/ea/a/dRnfWsbWdxZRhyC3kf6ts3v/ . Acesso em 18 dez 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

FISCHMANN, R. Construir uma instituição: décadas iniciais da Faculdade de Educação da USP. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e021039, 2021. DOI: 10.20888/ridpher.v7i00.16065. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/16065. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO