Do arco musical primitivo ao berimbau de barriga

a trajetória do instrumento mor da capoeira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v7i00.15788

Palavras-chave:

Arco musical, Berimbau de barriga, Capoeira

Resumo

Esse estudo tem por objetivo analisar a trajetória do milenar arco musical até a sua configuração brasileira como a conhecemos. O berimbau de barriga é hoje considerado, mundialmente, o principal instrumento da capoeira em todas as suas vertentes. Para atender aos objetivos dessa investigação, apresentaremos algumas lutas que utilizam instrumentos musicais para a sua prática, destacando o fato de que nenhuma delas utiliza o arco musical como acompanhamento, tal como ocorre com a capoeira. Apresentaremos ainda dados alusivos a alguns arcos musicais antecessores ao berimbau de barriga, conhecidos e divulgados pela humanidade, bem como, os primeiros registros que evidenciam a presença desse instrumento na capoeira. Defendemos a ideia de que o berimbau de barriga é uma ressignificação do arco musical africano, ocorrida no Brasil, no início do século XX. É neste mesmo período que se inicia o desenvolvimento da indústria automobilística no país e que os capoeiras passam a retirar o arame de aço que compõe a estrutura do pneu do automóvel para confeccionar o berimbau de barriga, pois percebem que esse material traz uma melhor sonoridade e durabilidade ao instrumento. Em decorrência dessa descoberta, surgiu a necessidade do uso do dobrão (moeda de cobre) para diferenciar os distintos sons que o instrumento passou a proporcionar. Mostraremos ainda que não encontramos a utilização do caxixi acompanhando outro instrumento musical que não seja o berimbau de barriga, assim como, em nenhuma outra manifestação que não a capoeira. Em nossas pesquisas encontramos o caxixi sendo usado de forma isolada como instrumento musical, seja por percussionistas, seja em rituais do candomblé. Verificamos, porém, que o arco musical malunga é tocado com o acompanhamento de um tipo de chocalho denominado "mai misra", que tem formato e função diferentes do caxixi. Neste artigo, descreveremos ainda as principais características e a composição do berimbau de barriga, bem como os elementos que o compõem: a verga, o arame, a cabaça, o caxixi, o dobrão e a baqueta. Apresentaremos dados comparativos em uma tabela que mostra a diferença de peso da verga entre a sua retirada na mata e sete dias após ter sido secada à sombra. Por fim, a título de ilustração, mostraremos o processo de confecção do berimbau de barriga a partir de uma oficina realizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luiz Cirqueira Falcão, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (1982), mestrado em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994) e doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2004). Pós-Doutorado em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo (2017). Atualmente é Professor Aposentado, Associado IV da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em capoeira, lutas e fundamentos socioculturais da prática pedagógica, atuando principalmente nos seguintes temas: capoeira, educação física, educação, cultura e relações interétnicas

Marcos Duarte de Oliveira, Força Aérea Brasileira

Iniciou a prática da capoeira em 1980, em Brasília. Participou de diversos concursos de cantigas de capoeira em âmbito nacional. Foi formado mestre de capoeira no ano 2000, em Brasília. Participou da fundação da Confraria Catarinense de Capoeira, em 2003, e foi eleito presidente por dois mandatos consecutivos. Compôs a equipe de organização do 1° Congresso Estadual de Santa Catarina, sendo nomeado como um dos delegados para representá-la no primeiro e no segundo Congressos Nacional de Capoeira. Idealizador do Festival Mosaico Integrado de Capoeira (MIC), realizado em Florianópolis em seis edições anuais. Participou como convidado na condição de notório saber de banca de doutorado sobre musicalidades da capoeira na UFSC. Compôs a equipe que idealizou e realizou o Curso de Formação Continuada de Educadores de Capoeira de Santa Catarina, realizado na Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é membro do Colegiado de Mestres de Capoeira de Santa Catarina. 

Referências

ALLODI, Liliana. Cultivando com fases da lua. Site Conexão Planeta, 2016. Disponível em: https://conexaoplaneta.com.br/. Acesso em: jun. 2021.

ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig. Capoeira, arte crioula. Cultures-Kairós [En ligne], Capoeiras? objets sujets de la contemporanéité, Théma versions originales (portugais du Brésil), Mis à jour le 16/12/2012. Disponível em: http://revues.mshparisnord.org/cultureskairos/index.php?id=541 Acesso em: 05 abr. 2021.

BIANCARDI, Emília. Raízes Musicais da Bahia. Salvador-BA: Editora Omar G, 2006.

CARDIN, Fernão. Tratados da terra e gente do Brasil. Rio de Janeiro: J. Leite & Cia, 1925.

CASCUDO, Luis da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1972.

CARNEIRO, Édison. Capoeira. Cadernos de Folclore 1. Rio de Janeiro: Departamento de Assuntos Culturais/FUNARTE/SEC/MEC, 1975.

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. 3 ed. São Paulo: Martins Editora, 1940.

FONSECA, M. C. L. Para além da pedra e cal: por uma concepção ampla de patrimônio cultural. In: ABREU, R.; CHAGAS, M. (Org.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A: FAPERJ, 2003, p. 56-76.

GALLO, Priscila Maria. Caxixi: um estudo do instrumento afro-brasileiro em práticas musicais populares na região de Salvador-BA. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2012.

HISTÓRICO do desenvolvimento do pneu. Michelin Goodyear. Disponível em: http://www.recauchutagemonline.com/O%20Pneu.html. Acesso em: jun. 2021.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN. Certidão do registro nº 7: roda de Capoeira. Brasília, DF. 20 nov. 2008. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/certidao_roda_de_capoeira.pdf. Acesso em: 24 dez. 2021.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Patrimônio cultural imaterial da humanidade. Brasília, 2014. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/71. Acesso em: 24 dez. 2021.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Salvaguarda da Roda de Capoeira e do Ofício dos Mestres de Capoeira: apoio e fomento.

Coordenação e organização Rívia Ryker Bandeira de Alencar, Brasília, DF., 2017.

METAL, História, composição, tipos, produção e reciclagem 2000, Disponível em: http://www.recicloteca.org.br/material-reciclavel/metal. Acesso em: 10 jun. 2021.

MYERS, Helen. Fieldwork in Ethnomusicology: an introduction. New York: Norton e Company, 1992.

MUKUNA, Kazadi wa. Contribuição Bantu na Música Popular Brasileira. São Paulo: Global, 1979.

MULUMBA, Jorge. Apresentação dos instrumentos do grupo de música ancestral Nguami Maka. 21 nov. de 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=wIW88MZLLWg. Acesso em: 11 jun. 2021.

OLAVO, Mestre. Live: Na identidade da capoeira. (45:10 mm). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5bSVIbQw81U&t=2712s. Acesso em: 01 dez. 2020.

PIEPER, Josef. Solo quien ama canta. Madrid Espanha, Editora Encuentro, 2015.

PIERRY, Plínio. 20.000 réis: O dobrão brasileiro. 7 jun. 2018.

Disponível em: https://collectgram.com/blog/20000-reis-o-dobrao-brasileiro/. Acesso em: 11 jun. 2021.

ROOTS of Capoeira 1. Balthazar Tchatoka plays M'bulumbumba and sings to Cobra Mansa. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=JJ5VJpTkmZk. Acesso em: 15 jun. 2021.

SHAFFER, Kay. O Berimbau de barriga e seus toques. Ministério de Educação e Cultura: Secretaria de Assuntos Culturais, Fundação Nacional de Arte, Instituto Nacional do Folclore, 1977.

SILVA, Antonio de Moraes. Dicionário da língua portuguesa. Lisboa: Empresa Literária Fluminense, 1877.

SOARES, C. E. L. A negregada instituição: os capoeiras no Rio de Janeiro, 1850-1890. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1994.

STOTZ, Marcelo Backes Navarro. Ritmo & rebeldia em jogo: só na luta da capoeira se dança? Dissertação (Mestrado em Educação Física) Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Desportos. Florianópolis, 2010.

TOMPKINS Eric. The History of the Pneumatic Tyre. Eastland: Dunlop Archive Project. 1981.

TREVISOL, Volmar. Morfologia e fenologia do porongo: produtividade e qualidade da cuia. Tese (Doutorado em Ciências) - Universidade de São Paulo - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, 2013.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

FALCÃO, J. L. C.; DUARTE DE OLIVEIRA, M. . Do arco musical primitivo ao berimbau de barriga: a trajetória do instrumento mor da capoeira. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e021022, 2021. DOI: 10.20888/ridpher.v7i00.15788. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/15788. Acesso em: 6 out. 2022.