Antiterapias, de Jacques Fux: a leitura posta em metaficção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v6i00.14663

Palavras-chave:

Metaficção, Leitura, Escrita criativa

Resumo

Este estudo se dedica a refletir sobre a  categoria narrador em Antiterapias, de Jacques Fux, de forma a  elucidar o modo metanarrativo de operar a obra, sua ação construtora de um leitor-escritor-narrador, projeção motivada na e pela contemporaneidade. A obra ilustra a relação entre leitura e criação, faces que se entrançam e desenham um mapa de leituras. Trata-se de uma composição  concebida como um testemunho manifesto na encenação de um leitor que se projeta como escritor que narra a si  nas suas dispersões numa biblioteca labiríntica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lopes da Silva, PUC Minas

Doutora em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), professora na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MINAS).

Referências

ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. Porto Alegre: L&PM, 1997.

AVELAR, Mário. Metaficção. In: CEIA, Carlos. E-Dicionário de termos literários. Disponível em: http://edtl.fcsh.unl.pt/business-directory/6067/metalinguagem/. Acesso em: 12 out. 2016.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BERNARDO, Gustavo. O livro da metaficção. Rio de Janeiro: Tinta Negra Bazar Editorial, 2010.

CEIA, Carlos. E-Dicionário de termos literários. Disponível em: http://edtl.fcsh.unl.pt/.Acesso em: 30 nov. 2016.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1996.

DONNE, John. Meditações VII. Disponível em: http://blogso.yurivieira.com/2011/03/john-donne-sinos dobram/#sthash.yxN5c1IB.dpuf. Acesso em: 21 jul. 2015.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Nova Veja, 2012.

FUX, Jacques. Antiterapias. Belo Horizonte: Scriptum Livros, 2012.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri, SP: Manole, 2005.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

MEIRELES, Cecília. Obra poética. Rio de Janeiro: Aguilar, 1986.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A criação do texto literário. In: PERRONE-MOISÉS, Leyla. Flores da escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p. 100-110.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A literatura exigente. Folha de S. Paulo, 25 mar. 2012. Caderno Ilustríssima, p. 4-5.

RAMOS, Graciliano. São Bernardo. Rio de Janeiro: Record, 2008.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Ed. comemorativa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

WALTY, Ivete. Metalinguagem. In: CEIA, Carlos. E-Dicionário de termos literários. Disponível em: http://edtl.fcsh.unl.pt/business-directory/6067/metalinguagem/. Acesso em: 12 out. 2016.

WOOLF, Virgínia. O leitor comum. Rio de Janeiro: Graphia, 2007.

Downloads

Publicado

2020-12-08

Como Citar

SILVA, Vera Lopes da. Antiterapias, de Jacques Fux: a leitura posta em metaficção. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 6, n. 00, p. e020020, 2020. DOI: 10.20888/ridpher.v6i00.14663. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/14663. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO