Como o Estado fortalece ou destrói políticas públicas?

comparando os governos Joe Biden e Jair Bolsonaro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbest.v4i00.16534

Palavras-chave:

Democracia, Neoliberalismo, Estado de bem-estar social

Resumo

No cenário de crise da democracia liberal, o propósito do artigo é analisar comparativamente a política embrionária de planejamento estatal do governo Joe Biden (EUA) e o projeto deliberado de destruição de políticas públicas sob o governo de Jair Bolsonaro. Para alicerçar nosso argumento foi mobilizada a literatura e foi realizada coleta de evidências em jornais e relatórios. Ainda que em fase de negociação com o Congresso, Biden vem promovendo um plano trilionário de investimentos em infraestrutura atrelado à redefinição da matriz produtiva, com sustentabilidade socioambiental e taxação dos mais ricos para o financiamento do Estado de bem-estar social. Por outro lado, desprovido de qualquer visão de planejamento estratégico de longo prazo, Bolsonaro se vale de uma lógica imediatista e de um ativo intervencionismo estatal para destruir legados institucionais de políticas públicas em diversas áreas, promove completa militarização da máquina pública federal e ataca as instituições do Estado Democrático de Direito. Sem mecanismos efetivos de controle e transparência, Bolsonaro entregou o orçamento do governo federal nas mãos de um bloco de parlamentares fisiológicos (o chamado “Centrão”) em troca de apoio político. O resultado parece ser a gradual deterioração das políticas sociais universais no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Santos Pinho, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutor em Ciência Política pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Referências

Abranches, S. (2020), O tempo dos governantes incidentais. Companhia das Letras.

Alesina, A., Favero, C., & Giavazzi, F. (2012), The output effect of fiscal consolidations. [Working Paper, n. 18336], National Bureau of Economic Research.

Alesina, A., & Perotti, R. (1995). Fiscal expansions and adjustments in OCDE countries. Economic Policy, 10(21), 205-248. https://doi.org/10.2307/1344590

Azevedo, J. S. G de. (2022), Estado e desenvolvimento: EUA, China e algumas experiências históricas. In G. Maringoni (Org.), A volta do Estado planejador: neoliberalismo em xeque (pp. 93-126). Contracorrente.

Bartels, L. (2008), Unequal democracy: The political economy of the New Gilded Age. Russel Sage Foundation; Princeton University Press.

Bastos, P. P. Z., & Belluzzo, L. G. (2019). Uma crítica aos pressupostos do ajuste econômico. In M. Lisboa & S. Pessôa (Orgs.), O valor das ideias: debate em tempos turbulentos (pp. 432-449). Companhia das Letras.

Belluzzo, L. G., & Galípolo, G. (2021), Dinheiro: o poder da abstração real. Contracorrente.

Bragon, R. (2022, Fevereiro 22). Flávio Bolsonaro mobilizou Receita contra caso da “rachadinha”, mostram documentos inéditos. Folha de S. Paulo.

Bresser-Pereira, L. C. (2009), Globalização e competição: por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não. Elsevier.

Bresser-Pereira, L. C. (2007). Novo Desenvolvimentismo e ortodoxia convencional. In E. Diniz (Org.), Globalização, estado e desenvolvimento (pp. 63-96). FGV Editora.

Bresser-Pereira, L. C. (2005). Proposta de desenvolvimento para o Brasil. In J. Sicsú, L. F. de Paula, & R. Michel (Orgs.), Novo-desenvolvimentismo: um projeto nacional de crescimento com equidade social (pp. 133-144). Fundação Konrad Adenauer.

Brown, W. (2019). Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática no Ocidente. Editora Filosófica Politeia.

Chang, H.-J. (2004). Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. Editora UNESP.

Couto, C. (2022, Fevereiro 21). Qual o tamanho do estrago bolsonaresco? Carta Capital.

Cunha, J. (2021, Dezembro 6). Centrais sindicais repudiam estudos para mudança de leis trabalhistas. Folha de S. Paulo.

Dantas, D, Gullino, D., & Góes, B. (2022, Janeiro 24). Três partidos do Centrão controlam mais de R$ 149,6 bilhões do governo Bolsonaro. O Globo.

Deccache, D. (2022). Se o dinheiro não acabou, por que a austeridade fiscal? In G. Maringoni (Org.), A volta do Estado planejador: neoliberalismo em xeque (pp. 175-194). Contracorrente.

Fraser, N. (2019). Neoliberalismo progressista versus populismo reacionário: a escolha de Hobson. In H. Geiselberger (Org.), A grande regressão: um debate internacional sobre os novos populismos e como enfrentá-los (pp. 77-89). Estação Liberdade.

Fraser, N. (2020). O velho está morrendo e o novo não pode nascer. Autonomia Literária.

Gala, P., & Roncaglia, A. (2022), O desafio da política industrial em tempos de pandemia. In G. Maringoni (Org.), A volta do Estado planejador: neoliberalismo em xeque (pp. 423-448). Contracorrente.

Jabbour, E., Pinto, E. C., & Dantas, A. (2022). Notas sobre a reconstrução do Brasil. [Texto para Discussão, n. 5], Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Levitsky, S., & Ziblatt, D. (2018). Como as democracias morrem. Zahar.

Maringoni, G. (2022a). Introdução: O eterno retorno daquele que nunca saiu de cena. In G. Maringoni (Org.), A volta do Estado planejador: neoliberalismo em xeque (pp. 19-27). Contracorrente.

Maringoni, G. (2022b). O Estado, agendas e disputas políticas. In G. Maringoni (Org.), A volta do Estado planejador: neoliberalismo em xeque (pp. 31-56). Contracorrente.

Marques, J. (2022, Fevereiro 22). “Fachin manda recados a Bolsonaro em posse no TSE e cobra respeito às urnas”. Folha de S. Paulo.

Mounk, Y. (2019). O povo contra a democracia: por que nossa liberdade corre perigo e como salvá-la. Companhia das Letras.

Oreiro, J. L., & Gala, P. (2019). O núcleo duro da divergência entre ortodoxos e heterodoxos na economia. In M. Lisboa & S. Pessôa (Orgs.), O valor das ideias: debate em tempos turbulentos (pp. 426-431). Companhia das Letras.

Ostry, J., Loungani, P., & Furceri, D. (2016). Neoliberalism: oversold? Finance and Development, 53(2), 38-41. https://www.imf.org/external/pubs/ft/fandd/2016/06/pdf/ostry.pdf

Oxford Committe for Famine Relief – OXFAM (2022). A desigualdade mata. https://materiais.oxfam.org.br/relatorio-a-desigualdade-mata

Paula, L. F. de., & Jabbour, E. M. K. (2019). Texto rebate críticas aos economistas heterodoxos de Lisboa e Pessôa. In M. Lisboa & S. Pessôa (Orgs.), O valor das ideias: debate em tempos turbulentos (pp. 414-425). Companhia das Letras.

Paulani, L. M. (2022). Choque neoliberal, fascismo cultural e pandemia: a destruição do Estado no Brasil. In G. Maringoni (Org.), A volta do Estado planejador: neoliberalismo em xeque (pp. 357-382). Contracorrente.

Pinho, C. E. S., & Lanzara, A. P. (2021), Democracia vilipendiada, privatização e desmonte de políticas públicas sob o governo Bolsonaro. [Cadernos da Reforma Administrativa, n. 30], Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado.

Pinho, C. E. S. (2019). Planejamento estratégico governamental no Brasil: autoritarismo e democracia (1930-2016). Appris.

Pinho, C. E. S. (2021). Estado de bem-estar social e “comunidades epistêmicas da austeridade fiscal” no Brasil: de Lula da Silva a Jair Bolsonaro (2003-2020). Sociedade e Estado, 36(1), 195-216. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202136010010

Piketty, T. (2020), Capital e ideologia. Intrínseca.

Polanyi, K. (2000), A grande transformação: as origens de nossa época. Campus.

Przeworski, A. (2020). Crises da democracia. Zahar.

Ramos, J. M. (2022, Fevereiro 12). Um ano da posse de Joe Biden. Folha de S. Paulo.

Resende, A. L. (2020). Consenso e contrassenso: por uma economia não dogmática. Portfolio-Penguin.

Resende, A. L. (2022), Moeda é dívida pública. In G. Maringoni (Org.), A volta do Estado planejador: neoliberalismo em xeque (pp. 165-174). Contracorrente.

Roncaglia, A., & Barbosa, N. (2021), Introdução. In A. Roncaglia de C., & N. Barbosa (Orgs.), Bidenomics nos trópicos (pp. 07-17). FGV Editora.

Souza Neto, C. P. de (2020). Democracia em crise no Brasil: valores constitucionais, antagonismo político e dinâmica institucional. Contracorrente; Editora da UERJ.

Souza Neto, C. P. de (2021, Julho 21). Democracia e poder militar. O Estado de S. Paulo.

Stiglitz, J. E. (2010). O mundo em queda livre: os Estados Unidos, o mercado livre e o naufrágio da economia mundial. Companhia das Letras.

Tomazelli, I. (2022, Fevereiro 21). Gastos do orçamento de anos anteriores crescem com emendas do relator. Folha de S. Paulo.

Trindade, N. (2020, Fevereiro 19). Heleno sugere a Bolsonaro enfrentar a chantagem do Congresso, mas Presidente pede cautela. O Globo.

Downloads

Publicado

2022-10-27

Como Citar

Pinho, C. E. S. (2022). Como o Estado fortalece ou destrói políticas públicas? comparando os governos Joe Biden e Jair Bolsonaro. RBEST Revista Brasileira De Economia Social E Do Trabalho, 4(00), e022006. https://doi.org/10.20396/rbest.v4i00.16534