Pandemia, serviços públicos e trabalhadores vulneráveis em Portugal

uma relação ambivalente?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbest.v4i00.16528

Palavras-chave:

Pandemia Covid-19 - Portugal, Serviços públicos - Portugal, Reflexividade - Portugal, Proteção social - Portugal

Resumo

Os cidadãos são a razão de ser dos serviços públicos. A pandemia de Covid-19 realçou a sua importância, mas também revelou insuficiências e a necessidade de os reforçar. Este artigo analisa um conjunto de experiências relacionais de trabalhadores vulneráveis com os serviços públicos, em particular com os serviços de emprego e segurança social, saúde, educação e transportes. Com base em 53 entrevistas, realizadas entre 2019 e 2020, e um follow-up de 14 casos seguidos durante o primeiro confinamento da pandemia, o objetivo é compreender como se desenvolveu o processo de interação e formou a perceção sobre estes serviços. Os resultados, embora ambivalentes, no sentido em que revelam tensões entre necessidades e críticas ao seu funcionamento, apontam para uma revalorização dos serviços públicos, nomeadamente num contexto de crise, onde foram chamados a desempenhar um papel crucial e insubstituível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Caleiras, Instituto Universitário de Lisboa

Sociólogo, é quadro superior do Instituto da Segurança Social desde 1998 e investigador integrado do CIES-ISCTE. Doutorado em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Portugal.

Renato Miguel do Carmo, Instituto Universitário de Lisboa

Professor associado do Departamento de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa e investigador no Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, Portugal.  Diretor do Observatório das Desigualdades e coordenador científico do COLABOR.

Isabel Roque, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

Investigadora no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Portugal.

Rodrigo Vieira de Assis, Instituto Universitário de Lisboa

Sociólogo. Doutorado em Sociologia e mestrado em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Investigador no Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

Referências

Alves, S. (2015). Welfare State changes and outcomes – The cases of Portugal and Denmark from a comparative perspective. Social Policy & Administration, 49(1), 1–23. https://doi.org/10.1111/spol.12075

Andrews, R., Downe, J., Guarneros-Meza, V., Jilke, S., & Van de Walle, S. (2013). Public management reforms and emerging trends and effects on social cohesion in Europe. Coordinating for Cohesion in the Public Sector of the Future – COCOPS. https://repub.eur.nl/pub/78039/Metis_194342.pdf

Bertaux, D. (2020). As narrativas de vida. Editora Mundos Sociais.

Bourdieu, P. (2009). O senso prático. Editora Vozes.

Caleiras, J. (2015). Para lá dos números. As consequências pessoais do desemprego. Editora Almedina.

Caleiras, J. (2019). Entre o retrocesso e a mitigação: Caminhos e descaminhos das políticas de emprego em Portugal na última década. [Working Paper OD-CIES], ISCTE, Lisboa. https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/18854

Caleiras, J., & Caldas, J. M. C. (2017). Emprego e desemprego: o que mostram e o que escondem as estatísticas? In M. C. Silva, P. Hespanha, & J. M. C. Caldas (Orgs.), Trabalho e políticas de emprego: um retrocesso evitável (pp. 197-244). Actual Editora.

Caleiras, J., & Carmo, R. M. (2020). O regresso do desemprego massivo? [Estudos CoLABOR, n. 1], Laboratório Colaborativo para o Trabalho, Emprego e Proteção Social. https://colabor.pt/publicacoes/https-colabor-pt-wp-content-uploads-2021-03-o-regresso-do-desemprego-massivo-pdf/

Caleiras, J., & Carmo, R. M. (2022). A articulação das políticas de emprego e de proteção em Portugal: cinco décadas de movimentos nem sempre virtuosos. CoLABOR Ebooks. https://colabor.pt/publicacoes/a-articulacao-das-politicas-de-emprego-e-de-protecao-em-portugal/

Capucha, L., Bomba, T., Fernandes, R., & Matos, G. (2005). Portugal – a virtuous path towards minimum income? In M. Ferrera (Ed.), Welfare State Reform in Southern Europe – Fighting poverty and social exclusion in Italy, Spain, Portugal and Greece (pp. 176-222). Routledge.

Carmo, R. M., Caleiras, J., Roque, I., & Assis, R. V. (2021) O trabalho aqui e agora. Crises, percursos e vulnerabilidades. Editora Tinta-da-china.

Carmo, R. M., & Costa, A. F. (2015). Desigualdades em questão: análises e problemáticas. Editora Mundos Sociais.

Carmo, R. M., & D’Avelar, M. M. (2020). A miséria do tempo. Vidas suspensas pelo desemprego. Editora Tinta-da-china.

Carmo, R. M., Sebastião, J., Azevedo, J., Martins, S. C., & Costa, A. F. (Eds.) (2018). Desigualdades sociais: Portugal e a Europa. Editora Mundos Sociais.

Castel, R. (1995). Les métamorphoses de la question sociale: une chronique du salariat. Fayard.

Denhardt, J., & Denhardt, R. (2003). The new service public: serving, not steering. M. E. Sharpe.

Ferreira, L. P. (2021, junho 21). “Nas últimas décacas, a nível global, as disparidades entre trabalhadores acenturaram-se consideravelmente”. Diário de Notícias. https://www.dn.pt/sociedade/nas-ultimas-decadas-a-nivel-global-as-disparidades-entre-trabalhadores-acentuaram-se-consideravelmente--14955160.html

Hespanha P., & Caleiras, J. (2017). O labirinto das políticas de emprego. [Cadernos do Observatório sobre Crises e Alternativas, n. 10], CES, Universidade de Coimbra. https://www.ces.uc.pt/observatorios/crisalt/documentos/cadernos/Caderno10_Labirinto_politicas_emprego.pdf

Kooiman, J. (1993). Modern governance: New government society interactions. Sage.

Madureira, C. (2020). A reforma da administração pública e a evolução do estado-providência em Portugal: história recente, Ler História, 76, 179–202. https://doi.org/10.4000/lerhistoria.6408

Mozzicafreddo, J. (2002). Estado-providência e cidadania em Portugal. Celta.

Ramos, A., & Magalhães, P. (2021). European values study – Relatório do estudo dos valores europeus, 2017-2019. [Gulbenkian Studies, #1], Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa. https://gulbenkian.pt/publications/european-values-study/

Rocha, J. A. O. (2009). Gestão pública e modernização administrativa. INA Editora.

Rosa, E. (2015, março). A degradação dos serviços públicos prestados à população em Portugal. https://docplayer.com.br/42949474-A-degradacao-dos-servicos-publicos-prestados-a-populacao-em-portugal.html

Santos, B. S. (1987). O Estado, a sociedade e as políticas sociais: o caso das políticas de saúde. Revista Crítica de Ciências Sociais, (23), 13–74. http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/Estado_Sociedade_Politicas_Sociais_RCCS23.PDF

Santos, B. S. (1992). O Estado e a sociedade em Portugal (1974-1988). Edições Afrontamento.

Santos, B. S. (1993). O Estado, as relações salariais e o bem-estar social na semiperiferia: o caso português. In B. S. Santos (Org.), Portugal: um retrato singular (pp. 17-56). Edições Afrontamento.

Silva, F. C. (2013). O futuro do Estado Social. Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Silva, P. A., & Pereira, M. T. (2015). Cuidar do futuro: os mitos do Estado Social português. Clube do Autor.

Tavares, I., Cândido, A. F., Caleiras, J., & Carmo, R. M. (2021). Desemprego em 2020. Impactos da pandemia, mapeamentos e reflexões. Observatório das Desigualdades, CIES-ISCTE. https://www.observatorio-das-desigualdades.com/observatoriodasdesigualdades/wp-content/uploads/2021/04/Desemprego-em-2020.pdf

Downloads

Publicado

2022-07-16

Como Citar

Caleiras, J., Carmo, R. M. do, Roque, I., & Assis, R. V. de. (2022). Pandemia, serviços públicos e trabalhadores vulneráveis em Portugal: uma relação ambivalente?. RBEST Revista Brasileira De Economia Social E Do Trabalho, 4(00), e022003. https://doi.org/10.20396/rbest.v4i00.16528

Funding data

  • Fundação para a Ciência e a Tecnologia
    Grant numbers Este artigo resulta da investigação do projeto “EmployALL – A crise do emprego e o Estado Social em Portugal: deter a produção de vulnerabilidades sociais e de desigualdades” (PTDC/SOC - SOC/30543/2017), financiado pela FCT.