Para além das grandes gravadoras

percursos históricos, imaginários e práticas do “independente” no Brasil

Autores

  • Thiago Pires Galletta Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v3i1.12950

Palavras-chave:

História da música brasileira, Produção musical independente, Indústria fonográfica, Internet

Resumo

Este artigo se propõe a analisar os diferentes matizes e sentidos associados historicamente ao termo e ao fenômeno “independente”, ao longo dos trajetos de desenvolvimento da produção fono­gráfica e musical brasileira. Simultaneamente, busca-se evidenciar o modo como o conjunto multiface­tado de sentidos e referências a respeito desta nomenclatura (gestados por processos e experiências concretizados em décadas passadas), permanece informando e servindo de parâmetro à articulação de discursos contemporâneos de artistas, produtores, jornalistas e público, quando estes se utilizam das expressões “cena independente” e “produção musical independente”. Tendo em vista o recente contex­to de grande impacto das tecnologias digitais e da internet sobre as esferas da produção, distribuição e consumo musical, o texto aponta para a relevância deste mapeamento das combinações entre “velhos” e “novos” sentidos, atribuídos ao fenômeno “independente”, no imaginário sócio-musical atual. A partir deste mapa, procura-se contribuir para a identificação de algumas pistas e elementos pertinentes aos novos caminhos e à reorganização econômica, política e estética da nossa música, em meio às acele­radas transformações contemporâneas em curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Pires Galletta, Universidade Estadual de Campinas

Mestrado em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ABMI [Associação Brasileira de Música Independente]. Estimativa do Mercado Independente – Relatório. ABMI, 2012.

ADEUS, batucada. Banda desenhada, 04 dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2013.

ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa ao mercado de nicho. São Paulo: Campus, 2006.

ARTE EM REVISTA: São Paulo: CEAC (Centro de Estudos de Arte Contemporânea), ano 6, n. 8, 1984. Edição especial: Independentes.

BAHIANA, Ana Maria. Nada será como antes: MPB nos anos 70. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

BARRETO LIMA, Mariana Mont'Alverne. As majors da música e o mercado fonográfico nacional. Tese (Doutorado em Sociologia) – IFCH-UNICAMP, Campinas, 2009.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

CAMARGO COSTA, Iná. Quatro notas sobre a produção independente de música. Arte em Revista: Revista do CEAC (Centro de Estudos de Arte Contemporânea), edição temática “Independentes”, ano 6, nº 8, p.6-11 e 17-21, 1984.

CAMBRAIA NAVES, Santuza. Canção popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

DA NATUREZA dos lobos. Banda desenhada, 7 fev. 2013. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2013/02/da-natureza-dos-lobos.html. Acesso em: 20 jul. 2013.

DESAFINANDO o coro dos contentes. Banda desenhada, 11 jul. 2011. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2011/07/desafinando-o-coro-doscontentes.html. Acesso em: 27 jul. 2013.

DIAS TOSTA, Márcia. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo; FAPESP, 2000.

FERNANDES DE OLIVEIRA, Laerte. Em um porão de São Paulo: o Lira Paulistana e a produção alternativa. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2002.

FRANCIS, Karina. A emergente música independente. Rockazine, 2011. Disponível em: http://www.rockazine.com.br/a-emergente-musica-independente/. Acesso em: 16 set. 2013.

FRYER, Peter. Rhythms of resistance: African musical heritage in Brazil. London: Pluto, 2000.

GALLETTA, Thiago Pires. Cena musical independente paulistana - início dos anos 2010: a “música brasileira” depois da internet. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2013.

GPOPAI-USP [Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à informação – Universidade de São Paulo]. Uma análise qualitativa do mercado de música no Brasil. São Paulo: ECA-USP, 2010.

GUERRINI JUNIOR, Irineu. Discos em bancas: da indústria cultural à guerrilha cultural. In: GUERRINI JUNIOR, Irineu; VICENTE, Eduardo (orgs.). Na trilha do disco: relatos sobre a indústria fonográfica no Brasil. Rio de Janeiro: E-Papers Serviços Editoriais, 2010. p. 127-148.

HERSCHMANN, Micael. Indústria da Música em transição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

MÁRIO SOUZA, Francisco. Como fazer um disco independente. Petrópolis: Vozes, 1986.

MENDONÇA, Luciana. Do mangue para o mundo: o local e o global na produção e recepção da música popular brasileira. Tese (Doutorado em Sociologia). IFCH-UNICAMP, Campinas, 2004.

MILLARCH, Aramis. Chico diz como se faz um elepê independente. Estado do Paraná, 13 dez. 1986. Disponível em: http://www.millarch.org/artigo/chico-dizcomo-se-faz-um-elepe-independente. Acesso em: 20 set. 2013.

MULLER, Daniel Gustavo Mingotti. Música instrumental e indústria fonográfica no Brasil: a experiência do selo som da gente. Dissertação (Mestrado em Música). IA-UNICAMP, Campinas, 2005.

NICOLAU NETTO, Michel. O discurso da diversidade: a definição da diferença a partir da world music. Tese (Doutorado em Sociologia). IFCH-UNICAMP, Campinas, 2012.

O CARA do outro lado. Banda desenhada, 20 jun. 2011. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2011/06/caruaru-120-por-hora.html. Acesso em: 16 set. 2013.

PELAS ESQUINAS de sua casa. Banda desenhada, 30 mar. 2012 Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2012/03/pelas-esquinas-de-suacasa.html. Acesso em: 25 jul. 2013.

ROSA de Sangue. Direção de Melina Hickson. 1998. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=CtLAiQ72C_k#t=179 . Acesso em: 17 set. 2013.

SEBRAE [Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas] / ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing]. Música independente: Estudos de Mercado SEBRAE/ESPM 2008. SEBRAE/ESPM, 2008.

SEGNINI, Liliana. À procura do trabalho intermitente no campo da música. Revista Estudos de Sociologia, Araraquara, v.16. n. 30, p.177-196, 2011.

SMITH, R.J. James Brown: sua vida, sua música. São Paulo: Leya, 2012.

TATIT, Luiz. Antecedentes dos independentes. Arte em Revista: Revista do CEAC (Centro de Estudos de Arte Contemporânea), edição temática “Independentes”, ano 6, n. 8, 1984. p. 30-36.

TEASER Rede Brasil de Festivais Independentes 2012. 18 jul. 2012. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=rmseWhrT1FA# at=38. Acesso em: 05 jul. 2013.

TELES, José. Do frevo ao manguebeat. São Paulo: Editora 34, 2000.

______. A viagem psicodélica de Satwa faz 40 anos. Jornal do Commércio, 31 jan. 2013. Disponível em: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cultura/musica/noticia/2013/01/31/aviagem-psicodelica-de-satwa-faz-40-anos-71889.php. Acesso em: 19 set. 2013.

TINHORÃO, José Ramos. Pequena história da música popular: da modinha a canção de protesto. Petrópolis: Vozes, 1978.

VAZ, Gil Nuno. História da música independente. São Paulo: Brasiliense, 1988.

VICENTE, Eduardo. A música popular e as novas tecnologias de produção musical: uma análise do impacto das novas tecnologias digitais no campo de produção da canção popular de massas. Dissertação (Mestrado em Sociologia). IFCH- UNICAMP, Campinas, 1996.

________. Música e disco no Brasil: a trajetória da indústria nas décadas de 80 e 90. Tese (Doutorado em Comunicação). ECA-USP, São Paulo, 2001.

Z DA QUESTÃO. Banda desenhada, 29 set. 2011. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2011/09/z-da-questao.html. Acesso em: 09 ago. 2013.

ZAN, José Roberto. A Gravadora Elenco e a Bossa Nova. Cadernos de Pós-Graduação da UNICAMP, Campinas, v. 2, n. 1, p.64-70, 1998.

Downloads

Publicado

2014-09-22

Como Citar

GALLETTA, T. P. Para além das grandes gravadoras: percursos históricos, imaginários e práticas do “independente” no Brasil. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 54–79, 2014. DOI: 10.20396/muspop.v3i1.12950. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12950. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos