Geraldo de Barros e Lygia Pape
Capa por: Fanny Lopes, a partir de William Daniel, Self-Portrait, As Pedlar of Statues, 1850.  Organizadores: João Victor Batista, João Victor Rossetti Brancato, Ana Carolina Dias Florindo, Janaína da Silva Fonseca, Catherine Peggion Hergert, Letícia Asfora Falabella Leme, Fanny Tamisa Lopes, Fabriccio Miguel Novelli Duro, Fernando Pesce, Alysson Brenner Nogueira Pereira, Victoria Cristina Rozario Rodrigues.
`PDF

Palavras-chave

Lygia Pape
Geraldo de Barros
Design
Concretismo

Como Citar

SILVA, Lourdes Caroline Ribeiro Sanches da; MACHADO, Vanessa Rosa. Geraldo de Barros e Lygia Pape : experimentalismo artístico + design gráfico nos anos 1960. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 628–637, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4710. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4710. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

O Movimento Construtivo Brasileiro foi parte da modernização do país nos anos 1950, se empenhando em especulações abstrato-geométricas. Seus integrantes foram, muitas vezes, divididos em dois grupos ‘divergentes’ na bibliografia: concretos paulistas, associados à racionalidade; e concretos cariocas e neoconcretos, ligados ao experimentalismo. Porém, ao analisar as obras de Lygia Pape e Geraldo de Barros, percebemos como essa divisão se atenua diante de trabalhos tão complexos e experimentais.

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4710
`PDF

Referências

AMARAL, Aracy A.. Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962. Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna; São Paulo, Pinacoteca do Estado: MEC-Funarte, 1977.

BARROS, Fabiana de (organização). Geraldo de Barros: Isso. São Paulo: SESC São Paulo, 2013.

BERCLAZ, Ana Paula Soares. Cartazes concretistas: arte, design gráfico e a visualidade moderna nos anos 50 e 60 no Brasil. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, PUCRS. Porto Alegre. 2011.

BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo: Vértice e Ruptura do Projeto Construtivo Brasileiro. Segunda edição. São Paulo: Cossac Naify, 1999.

CANONGIA, Ligia. O legado dos anos 60 e 70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo Geométrico e Informal a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. Rio de Janeiro : FUNARTE, Instituto Nacional de Artes Pla?sticas, 1987.

MARTINS, Giselle Boacnin. Hobjeto: a racionalização do móvel e do espaço doméstico. 2018. Dissertação (Mestrado – Área de Concentração: Design e Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2018.

MACHADO, Vanessa Rosa. Lygia Pape: espaços de ruptura. FAPESP/Annablume: São Paulo, 2008.

NAME, Daniela. Catálogo Diálogo concreto: Design e Construtivismo no Brasil. Rio de Janeiro: Tisara arte produções Ltda., 2008.

RODRIGUES, Viviane Melino. Neoconcretismo e design: A programação visual de Lygia Pape para o Cinema Novo na década de 1960. Dissertação (mestrado em design) – Departamento de Artes e Design, PUC-Rio. Rio de Janeiro. 2009.

PAPE, Lygia. Lygia Pape - Entrevista a Lúcia Carneiro e Ileana Pradilla. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998. Coleção Palavra do artista.

PUPPO, Eugênio (Ed. e Org.). Cinema marginal brasileiro e suas fronteiras: filmes produzidos nos anos 60 e 70. Rio de Janeiro: Heco Produções. 2004.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Lourdes Caroline Ribeiro Sanches da Silva, Vanessa Rosa Machado

Downloads

Não há dados estatísticos.