Geraldo de Barros e Lygia Pape

experimentalismo artístico + design gráfico nos anos 1960

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4710

Palavras-chave:

Lygia Pape, Geraldo de Barros, Design, Concretismo

Resumo

O Movimento Construtivo Brasileiro foi parte da modernização do país nos anos 1950, se empenhando em especulações abstrato-geométricas. Seus integrantes foram, muitas vezes, divididos em dois grupos ‘divergentes’ na bibliografia: concretos paulistas, associados à racionalidade; e concretos cariocas e neoconcretos, ligados ao experimentalismo. Porém, ao analisar as obras de Lygia Pape e Geraldo de Barros, percebemos como essa divisão se atenua diante de trabalhos tão complexos e experimentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lourdes Caroline Ribeiro Sanches da Silva, Universidade Federal de Viçosa

Graduanda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Viçosa.

Vanessa Rosa Machado, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Docente na Universidade Federal da Integração Latino-Americana.

Referências

AMARAL, Aracy A.. Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962. Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna; São Paulo, Pinacoteca do Estado: MEC-Funarte, 1977.

BARROS, Fabiana de (organização). Geraldo de Barros: Isso. São Paulo: SESC São Paulo, 2013.

BERCLAZ, Ana Paula Soares. Cartazes concretistas: arte, design gráfico e a visualidade moderna nos anos 50 e 60 no Brasil. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, PUCRS. Porto Alegre. 2011.

BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo: Vértice e Ruptura do Projeto Construtivo Brasileiro. Segunda edição. São Paulo: Cossac Naify, 1999.

CANONGIA, Ligia. O legado dos anos 60 e 70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo Geométrico e Informal a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. Rio de Janeiro : FUNARTE, Instituto Nacional de Artes Pla?sticas, 1987.

MARTINS, Giselle Boacnin. Hobjeto: a racionalização do móvel e do espaço doméstico. 2018. Dissertação (Mestrado – Área de Concentração: Design e Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2018.

MACHADO, Vanessa Rosa. Lygia Pape: espaços de ruptura. FAPESP/Annablume: São Paulo, 2008.

NAME, Daniela. Catálogo Diálogo concreto: Design e Construtivismo no Brasil. Rio de Janeiro: Tisara arte produções Ltda., 2008.

RODRIGUES, Viviane Melino. Neoconcretismo e design: A programação visual de Lygia Pape para o Cinema Novo na década de 1960. Dissertação (mestrado em design) – Departamento de Artes e Design, PUC-Rio. Rio de Janeiro. 2009.

PAPE, Lygia. Lygia Pape - Entrevista a Lúcia Carneiro e Ileana Pradilla. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998. Coleção Palavra do artista.

PUPPO, Eugênio (Ed. e org.). Cinema marginal brasileiro e suas fronteiras: filmes produzidos nos anos 60 e 70. Rio de Janeiro: Heco Produções. 2004.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

SILVA, L. C. R. S. da; MACHADO, V. R. Geraldo de Barros e Lygia Pape : experimentalismo artístico + design gráfico nos anos 1960. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 628–637, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4710. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4710. Acesso em: 2 fev. 2023.