William Zadig no Brasil
Capa por: Fanny Lopes, a partir de William Daniel, Self-Portrait, As Pedlar of Statues, 1850.  Organizadores: João Victor Batista, João Victor Rossetti Brancato, Ana Carolina Dias Florindo, Janaína da Silva Fonseca, Catherine Peggion Hergert, Letícia Asfora Falabella Leme, Fanny Tamisa Lopes, Fabriccio Miguel Novelli Duro, Fernando Pesce, Alysson Brenner Nogueira Pereira, Victoria Cristina Rozario Rodrigues.
PDF

Palavras-chave

William Zadig
Monumento a Olavo Bilac
Década de 1910
Década de 1920

Como Citar

BENTO, Amanda Batista. William Zadig no Brasil: circulação e trajetória. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 79–90, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4692. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4692. Acesso em: 21 jun. 2024.

Resumo

Esta comunicação parte do objetivo de traçar um esboço acerca da trajetória do artista sueco William Zadig (1884 - 1952), figura à qual carecem estudos no Brasil. O artista mudou-se para o país no início da década de 1910, se instalando na cidade de São Paulo, mas, antes, passou pela Alemanha e pela França. Na capital paulista, o artista foi professor de escultura no Liceu de Artes e Ofícios e fundou um curso de pintura e desenho junto com o pintor alemão Georg Elpons e o pintor brasileiro José Wasth Rodrigues. Ao visualizar a produção artística no Brasil, nos deparamos com a rede de sociabilidade do escultor e sua relação com figuras ligadas à Faculdade de Direito do Largo São Francisco.

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4692
PDF

Referências

AMARAL, Aracy A. Tarsila: sua obra e seu tempo. Editora 34, 4º edição, 2010.

BARBUY, Heloisa. As Esculturas da Faculdade de Direito. Cotia, SP: Ateliê Editorial; São Paulo: Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, 2017.

BEGLIOMINI, Helio. Luiz Pereira Barreto. In Presidentes da Casa de Luiz Pereira Barreto em seus 120 anos (1895-2015) de existência. Editora Expressão & Arte, p. 67-72, 2015.

CAMPOS, Eudes. O historiador Yan de Almeida Prado (1898-1987) e a antiga arquitetura de São Paulo. 2012. O estudo cita que Almeida Prado foi aluno de Elpons, em seu curso fundado junto com Zadig.

COUTO, Maria de Fátima Morethy. Caminhos e descaminhos do modernismo brasileiro: O ‘’confronto’’ entre Anita e Tarsila. Revista Esboços: histórias em contextos globais, da Universidade Federal de Santa Catarina, vol. 15, núm. 20, 2008.

DUTRA, Lidiane Fonseca. Diálogo entre arte e ecologia através das obras de Tarsila do Amaral e Frans Krajcberg. Revista Didática Sistêmica, vol. 12, 2010.

LAUDANNA, Mayra; ARAÚJO, Emanoel. De Valentim A Valentim. A Escultura Brasileira - século XVIII ao XX. Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. São Paulo, Brasil, p. 111, 2010.

LOBSTEIN, Dominique. Paris, etapa obrigatória para a glória. Os prêmios concedidos aos artistas estrangeiros nos Salões parisienses de 1802 a 1824. Tradução por Maria de Fátima Morethy Couto. Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da UnB, Brasília, v. 15, n. 2, 2016.

MATTOS, Claudia V. Artistas Viajantes na Fronteira da História da Arte. In III Encontro de História da Arte da UNICAMP, 2007.

NASCIMENTO, Ana Paula. Entre a fricção e a serenidade, a caminho do interior: os painéis de Wasth Rodrigues no peristilo do Museu Paulista. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. Vol. 27, 2019.

SALGUEIRO, Valéria. Grand Tour: uma contribuição à história do viajar por prazer e por amor à cultura. Rev. Bras. Hist., São Paulo , v. 22, n. 44, p. 289-310, 2002.

VALIN, Roberta; PIRES, Carlos. Os cadernos de Anita Malfatti no IEB. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 71, 2018.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Amanda Batista Bento

Downloads

Não há dados estatísticos.