As ganhadeiras de Itapuã

uma etnografia de um ensaio de uma escola de samba no centro de Niterói-RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i58.15366

Palavras-chave:

Afro-religioso, Niterói, Carnaval, Intolerância religiosa

Resumo

Este artigo tem como objetivo a análise do ensaio da escola de samba Unidos do Viradouro na Avenida Ernani Amaral Peixoto, localizada no centro da cidade de Niterói, município fluminense do estado do Rio de Janeiro. Com um enredo intitulado: Viradouro de Alma Lavada, a agremiação sagrou-se campeã no carnaval de 2020 na Marques de Sapucaí em um desfile que trouxe a ancestralidade e força das mulheres negras e ex-escravas de ganho como uma marca identitária na formação cultural do Brasil. Com base em uma etnografia realizada em três ensaios na Avenida Ernani Amaral Peixoto nos meses de novembro e dezembro de 2019, busquei perceber como a agremiação levou esta temática para um espaço público da cidade, destacando também os aspectos afro-religiosos presentes no enredo, num movimento que visibiliza manifestações de religiões de matriz afro-brasileira.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Rosa da Silva, Universidade Federal Fluminense

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ALMEIDA, Thiago Acacio de; CUNHA JUNIOR, Milton Reis; ABRANTES, Samuel Sampaio; LANGHI, Lília Fernanda Gutman Tosta Paranhos. Poética dinástica do tabuleiro de Ciata: sapiências das baianas do atual carnaval carioca. Policromias – Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som. Rio de Janeiro, p. 480-515, dez. 2020.

ANJOS, José Carlos Gomes. No território da linha cruzada: a cosmopolítica afro-brasileira. Porto Alegre: Editora da UFRGS/Fundação Cultural Palmares, 2006.

ARAÚJO, Patrício Carneiro. Ekodidé no sambódromo: Segredo ritual, candomblé e espaço público no carnaval paulistano. ANAIS da 29ª Reunião Brasileira de Antropologia. Editora Kiron: Brasília, 2014. Disponível em: http://evento.abant.org.br/rba/29RBA/#. Acesso em: 30 ago. 2021.

BIRMAN, Patricia. Males e malefícios no discurso neopentecostal. In: BIRMAN, Patrícia; NOVAES, Regina; CRESPO, Samira. O mal à brasileira. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1997, p. 62-80.

DOMINGUES, Petrônio. A nova abolição. São Paulo: Selo Negro, 2008.

DOMINGUES, Petrônio. Fios de Ariadne: o protagonismo negro no pós-abolição. Anos 90, Porto Alegre, v. 16, n. 30, p. 215-250, dez. 2009.

FERREIRA, Felipe. Escolas de Samba: uma organização possível. Sistemas & Gestão, v. 7, n.2, p. 164-172, 2012.

HOFBAUER, Andreas. Dominação e contrapoder o candomblé no fogo cruzado entre construções e desconstruções de diferença e significado. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 5, p. 37-79, janeiro-julho de 2011.

LEITE, Ilka Boaventura. Território negro em área rural e urbana - algumas questões. Textos e debates. NUER/UFSC, Florianópolis, ano 1, n. 2, 1991.

MENEZES, Renata; BÁRTOLO, Lucas. Quando devoção e carnaval se encontram. PROA - Revista de Antropologia e Arte. Unicamp, v. 9, n. 1, p. 96-121, jan/ jun 2019.

MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Intolerância religiosa e discriminação racial: duas faces de um mesmo problema público? In: LIMA, Antônio. BELTRÃO, Jane Felipe. CASTILHO, Andrea Lobo. LACERDA, Paula. OSORIO (org.). A antropologia e a esfera pública no Brasil: Perspectivas e Prospectivas sobre a Associação Brasileira de Antropologia no seu 60º Aniversário. Rio de Janeiro: E-papers / ABA publicações, v.1, p. 329-363, 2018.

MIRANDA, Ana Paula Mendes de; BONIOLO, Roberta Machado. “Em público é preciso se unir”: conflitos, demandas e estratégias políticas entre religiosos de matriz afro-brasileira na cidade do Rio de Janeiro. Religião & sociedade, v.37, p. 86-119, 2017.

MIRANDA, Ana Paula Mendes de; CORREA, Roberta de Mello; ALMEIDA, Rosiane R. O “Renascimento” da Intolerância Religiosa e as Formas de Administração Institucional de Conflitos no Brasil. In: PERLINGEIRO, Ricardo (org.) Liberdade Religiosa e direitos humanos. Niterói: Nupej / TRF2, 2019, p. 111-147.

MOURA, Mariluce. De Itapuã à Sapucaí, passando pela academia. Edgardigital: UFBA, 2020.

NASCIMENTO, Abdias. O Negro Revoltado. Rio de Janeiro: GRD, 1968.

SCHWARCZ, Lilia. “Nomeando as diferenças: a construção da ideia de raça no Brasil”. In: Glaucia Villas BOAS, Glaucia Villas.

GOLÇALVES, Marco Antônio (org.) O Brasil na Virada do Século. Rio de Janeiro: Relume/Dumará, 1995, p. 177-191.

SILVA, Fernanda Oliveira da. Os negros, a constituição de espaços para os seus e o entrelaçamento destes espaços: associações e identidades negras em Pelotas (1820 – 1943). (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em História. PPGH: PUC, Porto Alegre, 2011.

SILVA, Rafael Rosa. “Saí da vila e fui sambar lá no asfalto”: território, sociabilidade e identidade negra no carnaval de rua de Bagé RS. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Cultura e Territorialidades. PPCULT: UFF, Niterói, 2019.

SILVA, Tiago Rosa. Vivências e experiências associativas negras em Bagé-RS no Pós-abolição: imprensa, carnaval e Clubes Sociais Negros na fronteira sul do Brasil - 1913-1980. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em História. PPGH: UFPEL, Pelotas, 2018.

TANAKA-SORRENTINO, Harue. Articulações pedagógicas no coro das Ganhadeiras de Itapuã: um estudo de caso etnográfico. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Música. PPGMus: UFBA, Salvador, 2012.

TANAKA-SORRENTINO, Harue. De Itapuã a João Pessoa (PB): análise de um episódio na “Passarela do samba”. XXX Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em música – Manaus, 2020. Disponível em: https://anppom-congressos.org.br/index.php/30anppom/30CongrAnppom/paper/view/287. Acesso em: 25 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

SILVA, R. R. da. As ganhadeiras de Itapuã: uma etnografia de um ensaio de uma escola de samba no centro de Niterói-RJ. Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 58, p. 164–191, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i58.15366. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15366. Acesso em: 16 maio. 2022.