A literatura diante de massacres cometidos pelo Estado brasileiro

aproximações entre Euclides da Cunha e Racionais MC's

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i57.13861

Palavras-chave:

Memória, Guerra de Canudos, Euclides da Cunha, Massacre do Carandiru, Racionais MC's

Resumo

Quase cem anos separam a Guerra de Canudos (1896-1897) e o massacre do Carandiru (1992). Entretanto, é possível fazer aproximações entre esses episódios marcantes da história do Brasil. Ambos foram crimes cometidos pelo Estado, a partir de ordens de governantes, e contaram com enorme aparato repressivo. Simbólico também que ambos passaram por uma tentativa por parte do Estado de um esquecimento oficial da violência cometida, por meio da destruição dos espaços palcos dos massacres: Canudos sendo inundada para fazer o açude Cocorobó em 1969, e a penitenciária do Carandiru sendo implodida para fazer o Parque da Juventude, a partir de 2002. A proposta deste trabalho é a de discutir nesses casos de massacres a importância que obras literárias tiveram em relação à memória desses crimes. No caso do Massacre de Canudos: Os sertões, de Euclides da Cunha; no caso do Massacre do Carandiru: “Diário de um detento”, de Racionais MC’s. A discussão sobre essas obras para a memória se torna ainda mais relevante quando levamos em conta que o Brasil tem sistematicamente falhado em julgar crimes cometidos pelo próprio Estado. Sem desconsiderar as diferenças significativas entre o livro de Euclides da Cunha e a canção dos Racionais MC’s, proponho discutir como a literatura foi convocada, nesses casos, a se posicionar diante da história brasileira, denunciando crimes cometidos pelo Estado que corriam, e ainda correm, o risco de serem silenciados e apagados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Osmo, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

-E. Provérbios 13. Atração, 2000.

ANDRÉ DU RAP. Sobrevivente Andre du Rap (do Massacre do Carandiru). Coordenação editorial de Bruno Zeni. São Paulo: Labortexto Editorial, 2002.

BOLLE, Willi. grandesertão.br: o romance de formação do Brasil. São Paulo: Duas Cidades; São Paulo: Editora 34, 2004.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CALASANS, José. Cartografia de Canudos. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo; Conselho Estadual de Cultura; EGBA, 1997.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34; São Paulo: Edusp, 2011.

CRUZ, Lua Gill da. A mediação diante do cárcere: os casos de Sobrevivente André du Rap e Cela forte mulher. Trabalhos em linguística aplicada, Campinas, v. 57, n. 2, p. 821-847, ago. 2018.

CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Edição crítica e organização de Walnice Nogueira Galvão. São Paulo: Ubu; São Paulo: Sesc, 2016.

FELMAN, Shoshana. The return of the voice: Claude Lanzmann’s Shoah. In: FELMAN, S.; LAUB, D. (Orgs.). Testimony: crises of witnessing in literature, psychoanalysis, and history. New York: Routledge, 1992, p. 204-283.

FELMAN, Shoshana. O inconsciente jurídico: julgamentos e traumas no século XX. São Paulo: Edipro, 2014.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II: curso no Collège de France (1983-1984). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Euclidiana: ensaios sobre Euclides da Cunha. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

GARCIA, Walter. Ouvindo Racionais MC’s. Teresa: Revista de Literatura Brasileira, São Paulo, n. 4/5, p. 166-180, 2004.

GARCIA, Walter. “Diário de um detento”: uma interpretação. In: NESTROVSKI, Arthur. (Org.) Lendo música. São Paulo: Publifolha, 2007, p. 179-216.

HARDMAN, Francisco Foot. Tróia de taipa: Canudos e os irracionais. In: HARDMAN, Francisco. Foot. (Org.). Morte e progresso: cultura brasileira como apagamento de rastros. São Paulo: Unesp, 1998. p. 125-136.

HARDMAN, Francisco Foot. Os sertões como poética das ruínas. In: HARDMAN, Francisco Foot. A vingança da Hileia: Euclides da Cunha, a Amazônia e a literatura moderna. São Paulo: Unesp, 2009. p. 131-138.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JOCENIR. Diário de um detento: o livro. 2. ed. São Paulo: Labortexto Editorial, 2001.

JOHNSON, Adriana Michéle Campos. Sentencing Canudos: subalternity in backlands of Brazil. Pittsburg: University of Pittsburg Press, 2010.

KEHL, Maria Rita. A fratria órfã: o esforço civilizatório do rap na periferia de São Paulo. In: KEHL, Maria Rita. (Org.). Função fraterna. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000, p. 209-244.

MACEDO, José Rivair; MAESTRI, Mário. Belo Monte: uma história da Guerra de Canudos. São Paulo: Moderna, 1997.

MACHADO, Maíra Rocha; MACHADO, Marta E. de Assis (Coords.). Carandiru não é coisa do passado: um balanço sobre os processos, as instituições e as narrativas 23 anos após o Massacre. São Paulo: FGV Direito SP, 2015.

MACHADO, Marta Rodriguez de Assis; MACHADO, Maíra Rocha; MATSUDA, Fernanda Emy; FERREIRA, Luisa Moraes Abreu; FERREIRA, Carolina Cutrupi. Massacre do Carandiru + 23: inação, descontinuidade e resistências. In: MACHADO, Maíra Rocha.; MACHADO, Marta Rodriguez de Assis. (Coords.). Carandiru não é coisa do passado: um balanço sobre os processos, as instituições e as narrativas 23 anos após o Massacre. São Paulo: FGV Direito SP, 2015. p. 43-111.

OSMO, Alan. O testemunho do Massacre do Carandiru feito por Jocenir e Mano Brown. Revista do Seta, Campinas, v. 8. p. 340-354, 2018.

PALMEIRA, Maria Rita Sigaud Soares. Cada história, uma sentença: narrativas contemporâneas do cárcere brasileiro. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

RACIONAIS MC’S. Sobrevivendo no inferno. Cosa Nostra, 1997.

RACIONAIS MC’S. Nada como um dia após outro dia. Casa Nostra/Zambia, 2002. 2 CDs.

RACIONAIS MC’S. Sobrevivendo no inferno. São Paulo: Companhia das Letras, 2018a.

RACIONAIS MC’S. Negro drama. In: MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO Assis Chateubriand. Histórias afro-atlânticas: [vol. 2] antologia. Organização editorial de Adriano Pedrosa, Amanda Carneiro, André Mesquita. São Paulo: MASP, 2018b. p. 161-164.

REESINK, Edwin. Saber os nomes: observações sobre a degola e a violência contra Bello Monte (Canudos). Revista AntrHopológicas, v. 24, n. 2, p. 43-73, jul. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaanthropologicas/article/view/23802. Acesso em: 01 set. 2020.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas-SP: Unicamp, 2007.

SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O testemunho: entre a ficção e o “real”. In: SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003a, p. 371-385.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Reflexões sobre a memória, a história e o esquecimento. In: SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003b, p. 59-88.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Testemunho e política da memória: o tempo depois das catástrofes. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 30, p. 71-98, jun. 2005.

THAÍDE; DJ HUM. Hip-hop cultura de rua. Submundo do Som, 1988.

VENTURA, Roberto. “A Nossa Vendéia”: Canudos, o Mito da Revolução Francesa e a Formação de Identidade Cultural no Brasil (1897-1902). Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 31, p. 129-145, 31 dez. 1990.

VENTURA, Roberto. Canudos como cidade iletrada: Euclides da Cunha na urbs monstruosa. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 165-182, 1997.

VENTURA, Roberto. Euclides da Cunha no vale da morte. Revista USP, São Paulo, n. 54, p. 16-20, jun./ago., 2002.

ZENI, Bruno. Uma voz sobrevivente. In: ANDRE DU RAP. Sobrevivente Andre du Rap (do Massacre do Carandiru). São Paulo: Labortexto Editorial, 2002, p. 197-218.

ZENI, Bruno. O negro drama do rap: entre a lei do cão e a lei da selva. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 50, p. 225-241, 2004.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

OSMO, A. A literatura diante de massacres cometidos pelo Estado brasileiro: aproximações entre Euclides da Cunha e Racionais MC’s. Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 57, p. 149–182, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i57.13861. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/13861. Acesso em: 5 out. 2022.