As relações entre o movimento sindical e os governos petistas (2003-2016)

Autores

  • Cauê Vieira Campos Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v27i53.11606

Palavras-chave:

Sindicalismo, Centrais sindicais, Reorganização sindical, Governo, PT, CUT

Resumo

Neste artigo, pretendemos abordar as relações desenvolvidas entre o movimento sindical brasileiro com os governos Lula (2003-2010) e Dilma (2011-2016) do Partido dos Trabalhadores, com foco principal nas centrais sindicais, como representantes da cúpula desse movimento. Partindo da ideia de que a ascensão de Lula ao Planalto Federal é um marco histórico para o país, principalmente para o sindicalismo – como seu grande representante nas décadas de 1980 e 1990. Retomamos as medidas econômicas e políticas do governo que influenciam diretamente no mercado do trabalho e no campo sindical, e como as centrais e sindicatos reagiram a essas medidas. Mas não vemos o movimento sindical como mero reagente das medidas governamentais, mas também parte dele como construtor, do que ficou conhecido “concertação social”. Concluímos que neste período houve um processo de institucionalização e aumento do reconhecimento do sindicalismo como interlocutor do Estado, contudo em detrimento da ação direta grevista e aumento do afastamento entre as cúpulas dirigentes e as bases dos trabalhadores. Tendo como resultado a incapacidade de resistência aos ataques promovidos pelo grande capital de forma mais dura a partir de 2016. Fazemos isso, principalmente, através da bibliografia da área, na qual houve vasta discussão sobre essa temática, e dados econômicos, sociais e sindicais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cauê Vieira Campos, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em andamento em Ciências Políticas pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BASTOS, P. P. Z. Ascensão e crise do governo Dilma Rousseff e o golpe de 2016: poder estrutural, contradição e ideologia. Revista de Economia Contemporânea, v. 21, p. 1-63, 2017.

BOITO, A.; MARCELINO, P.; O sindicalismo deixou a crise para trás? Um novo ciclo de greves na década de 2000. CADERNO CRH, Salvador, v. 23, n. 59, p. 323-338, Maio/Ago. 2010.

BOITO JR., A.; GALVÃO, A.; MARCELINO, P. R. P. . La nouvelle phase du syndicalisme brésilien. Cahiers des Amériques Latines (Paris), v. 80, p. 145-164, 2015.

BOITO JR., A. Reforma e crie política no Brasil - os conflitos de classe nos governos do PT. Campinas e São Paulo: Editora Unicamp e Editora Unesp, 2018.

BRAGA, R. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo, SP: Boitempo, 2012.

BRAGA, R. A pulsão plebeia: trabalho, precariedade e rebeliões sociais. São Paulo, SP: Alameda, 2015.

BRAGA, R. Os sindicatos no governo Lula. Le Monde Diplomatique Brasil. Disponível em: http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=683. Acesso em: 7 de julho de 2016.

BRASIL. Lei 11.648, de 31 de março de 2008. Leis das Centrais Sindicais, Brasília, DF, março de 2008.

CAMPOS, C. Conflitos trabalhistas nas obras do PAC: o caso das Usinas Hidrelétricas de Jirau, Santo Antônio e Belo Monte. Dissertação de Mestrado. IFCH-UNICAMP, 2016.

CARDOSO, A. M. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo, SP: Boitempo, 2003.

CASTELO, R. O novo desenvolvimentismo e a decadência ideológica do pensamento econômico brasileiro. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 112, p. 613-636, out./dez. 2012.

DIEESE. A situação do Trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo: DIEESE, 2012.

DIEESE. Estudos e Pesquisas, n. 79: Balanço das greves em 2013, 2015.

DIEESE. Estudos e Pesquisas, n. 80: Balanço das negociações salariais em 2015, 2016.

DIEESE. Anuário da saúde do trabalhador. São Paulo: DIEESE, 2016.

DIEESE. Nota técnica: Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016, 2017.

DOMINGUES, J. M. A conjuntura em duas durações: da crise à disputa do futuro. Trincheiras, p. 5-7, 15 abr. 2015.

DRUCK, G. Os sindicatos, os movimentos sociais e o governo Lula: cooptação e resistência. Osal, ano vi, 19: 329-340, 2006.

DRUCK, G; FILGUEIRAS, L. Política social focalizada e ajuste fiscal: as duas faces do governo Lula. Rev. katálysis [online]. 2007, vol. 10, no.

GALVÃO, A. A CUT na encruzilhada: dilemas do movimento sindical combativo. Idéias, Campinas, v. 09, 2003.

GALVÃO, A. A reconfiguração do movimento sindical nos governos Lula. In: BOITO, A; GALVÃO, A. (Org.). Política e classes sociais no Brasil dos anos 2000. São Paulo, Alameda, 2012, p. 187-221.

GALVÃO, A.; LEMOS, P. R.; GONCALVES, T. Conlutas e Intersindical: um sindicalismo de funcionários públicos? In: RODRIGUES, F; NOVAES, H.; BATISTA, E. (Org.). Movimentos sociais, trabalho organizado e educação para além do capital, 2012.

GALVÃO, A. A contribuição do debate sobre a revitalização sindical para a análise do sindicalismo brasileiro. Critica Marxista (São Paulo), v. 38, p. 103-117, 2014a.

GALVÃO, A. O sindicalismo enquanto movimento social: enfrentando rupturas e dicotomias. In: 38º Encontro Nacional da ANPOCS, 2014, Caxambu. GT 14 entre as ruas e os gabinetes: institucionalização e contestação nos movimentos sociais latino-americanos, 2014b.

GALVÃO, A., et al. As novas centrais sindicais brasileiras. Curitiba, Appris, 2015.

IPEA. Mercado de trabalho nos anos 90: fatos estilizados e interpretações. Brasília: Ipea, 2010.

LEMOS, P. R. Entre o mercado e a sociedade: o sindicalismo da União Geral dos Trabalhadores (UGT). Dissertação de Mestrado. IFCH-UNICAMP, 2014.

MARCELINO, P. Sindicalismo e neodesenvolvimentismo: analisando as greves entre 2003 e 2013 no Brasil. Tempo Social, v. 29, p. 201-227, 2017.

MARTINS, H. H. T. S.; RODRIGUES, I. J. O Sindicalismo Brasileiro na Segunda Metade dos Anos 90. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 11(2), n.2, p. 155-182, 1999.

MATTOS, M. B. A CUT hoje e os dilemas de adesão à ordem. Revista Outubro, 9: 57-75, 2003.

MATTOS, M. B. As lutas da classe trabalhadora no Brasil dos “mega-eventos”. OSAL, Argentina, núm. 36, 2014.

MATTOS, M. B. Novas formas de protesto social e velhos caminho de luta da classe trabalhadora: encontros e desencontros. Um estudo a partir do caso brasileiro recente. In: CORBERA, M. M.; SAMPERE, X. D.; MUNTADA, R. M. (Org.). III International Conference Strikes and Social Conflicts: Combined historical approaches to conflict. Barcelona: Proceedings, p. 1140-1152, 2016.

MEDONÇA, M. A. A influência das manifestações de junho de 2013 nas lutas e greves de trabalhadores sindicalizados de São Paulo. Relatório de Iniciação Científica (FAPESP). FFLCH-USP, 2017.

OLIVEIRA, F; BRAGA, R.; RIZEK, C. Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo, SP: Boitempo, 2010.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista/O ornitorrinco. São Paulo, Boitempo, 2003.

OLIVEIRA, R.V. Sindicato Cidadão: Novos Rumos do Sindicalismo Brasileiro?. Oficina do Ces, Coimbra, n.166, p. 01-22, 2002.

OLIVEIRA, R.V.; BRIDI, M. A.; FERRAZ, M.O sindicalismo na era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2014.

PAC, Comitê Gestor do PAC. Lançamento PAC 2, 2010.

PIMENTEL JR., J. Impeachment, oposição e autoritarismo – o perfil e demanda dos manifestantes em São Paulo. Em debate: Belo Horizonte. v.7, n.2, p. 15-22, abr. 2015.

POCHMANN, M. Nova Classe Média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: São Paulo, 2012.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo. São Paulo, Companhia das Letras, 2012.

SINGER, A. O lulismo em crise: o quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SOARES, J. L. As centrais sindicais e o fenômeno do transformismo no governo Lula. Revista Sociedade e Estado, 28 (13): 541-564.

SÓRIA e SILVA, S. Intersecção de classes: fundos de pensão e sindicalismo no Brasil. Campinas, tese de doutorado em Sociologia, IFCH-UNICAMP, 2011.

TRÓPIA, P. Força Sindical: política e ideologia no sindicalismo brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

VOLPON, T. Brazil: Dilma 2.0. Nomura Economic Insights: Emerging Markets. Global Markets Research, 2014.

Downloads

Publicado

2019-10-08

Como Citar

CAMPOS, C. V. As relações entre o movimento sindical e os governos petistas (2003-2016). Tematicas, Campinas, SP, v. 27, n. 53, p. 185–224, 2019. DOI: 10.20396/tematicas.v27i53.11606. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11606. Acesso em: 25 out. 2021.