A transformação das formas

relações entre terra, casa, casamento e ancestrais entre falantes de Isizulu na África do Sul dos dias atuais

Autores

  • Aina Guimarães Azevedo Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v21i42.11030

Palavras-chave:

África do Sul, Zulu, Casa, Casamento, Reforma da terra

Resumo

A Land Reform na África do Sul dos dias atuais é analisada em termos dos significados que a terra tem para as pessoas negras falantes de isiZulu, em oposição ao que fazendeiros brancos consideram modelos de fracasso. As casas, experienciadas ao longo de vidas marcadas pelo desterro e por mudanças, são apreciadas em sua expressão de conquista, através da história da família Kubheka, contemplada, pelo programa fundiário sul-africano, com uma fazenda (anteriormente de brancos) para morar. A forma das casas é aqui questionada sob a “perspectiva da morada” de Ingold, quando atentamos para o que as pessoas fazem nas casas onde moram para que as considerem lares. Nesse sentido, rituais que relacionam pessoas, ancestrais e casas, como o casamento, surgem como imperativos a serem realizados. Ao lidarem com as diversas formas que pessoas e casas adquirem nas mudanças de moradias e nas performances rituais – que, de algum modo, ao restaurar pessoas e casas às suas formas originais, reinventam as formas atuais –, percebemos a criatividade no processo de morar e de transformar casas em lugares considerados próprios para se viver, nos termos daquilo que as pessoas fazem, ou desejam fazer, e não daquilo que deveriam fazer segundo olhares alheios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aina Guimarães Azevedo, Universidade de Brasília

Doutora em Programa de Pós-graduação da Universidade de Brasília.

Referências

BEINART, W.; DUBOW, S. Introduction: The historiography of segregation and apartheid. In: ______. Segregations and Apartheid in twenty century South Africa. London/New York: Routledge, 1995, p. 1-24.

BORGES, A. À Corte: notas etnográficas sobre conflitos fundiários na África do Sul. In: KANT DE LIMA, R; MOUZINHO, G. M. P. Segurança pública e justiça criminal. Niterói: Eduff, 2008a.

BORGES, A. Sem sombra para descansar: práticas, crenças, representações e outros males que acometem o Outro. In: CONGRESO LATINOMAERICANO de ANTROPOLOGÍA, San José. Antropología Latinoamericana: gestando un nuevo futuro, 2008b.

DOKE, C. M. et al. English-Zulu Zulu-English Dictionary. Johannesburg: Witswatersrand University Press, 2008.

FERGUSON, J. The Bovine Mystique: Power, Property and Livestock in Rural Lesotho. Man, New Series, v. 20, n. 4, p. 647-674, Dec. 1985.

GLUCKMAN, M. Parentesco y Matrimonio entre los lozi de Rodesia del Norte y los zulúes de Natal. In: RADCLIFFE-BROWN, A. R.; DARYLL, F. Sistemas Africanos de Parentesco y Matrimonio. Barcelona: Anagrama, 1982, p. 185-233.

GOTLIB, J. Getting People Back to the Land: interdependência entre Governo e ONGs na produção de beneficiários por terra da província de KwaZulu-Natal. Niterói. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Jurídicas e Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito, Universidade Federal Fluminense.

INGOLD, T. Part II: Dwelling. In: The Perception of the Environment – Essays on livelihood, dwelling and skill. Londres/Nova York: Routledge, 2000, p. 153-287.

JAMES, D. Gaining Ground? ‘Rights’ and ‘Property’ in South African land reform. Abingdon, Oxon: Routledge Cavendish, 2007.

KRIGE, E. J. The Social System of the Zulu. Pietemaritzburg: Shuter & Shooter, 1977.

KUPER, A. Wives for cattle – Bridewealth and marriage in Southern Africa. London: Routledge & Kegan Paul, 1982.

MONTEIRO, P. P. Desafiando o direito de propriedade: O embate entre diferentes concepções de direito à terra no contexto de reforma agrária sul-africana. Niterói. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal Fluminense. 2010.

MOYO, S. African Land Questions, Agrarian Transitions and the State: Contradictions of Neoliberal Land Reforms. Dakar: African Institute for Agrarian Studies, CODESRIA Working Paper Series, 2004.

MUNNIK, A.; ROOS, V.; GROGAN, T. Learn Zulu today. Pietermaritzburg, Cape Town, Randburg: Shuter & Shooter, 2008.

NTSEBEZA, L. Reconciliation and the land question. In: DU TOIT, F.; DOXTADER, E. In the Balance – South Africans debate reconciliation. Johannesburg: Jacana, p. 85-92, 2010.

POSEL, D.; RUDWICK, S.; CASALE, D. Is marriage a dying institution in South Africa? Exploring changes in marriage in the context of ilobolo payments. Agenda, 25:1, 102-111, 2011.

RADCLIFFE-BROWN, A. R. Introducción. In: RADCLIFFE-BROWN, A. R.; DARYLL, F. Sistemas Africanos de Parentesco y Matrimonio. Barcelona: Anagrama, p. 11-97, 1982.

RICHER, L.; MORRELL, R. Baba – Men and fatherhood in South Africa. Cape Town: HSRC Press, 2006.

ROSA, M. Mas eu fui uma estrela do futebol! As incoerências sociológicas e as controvérsias sociais de um militante sem-terra sul-africano. Mana, v. 17, n. 2, Rio de Janeiro, p. 365-394, Aug. 2011.

ROSA, M. Reforma agrária e land reform: movimentos sociais e o sentido de ser um sem-terra no Brasil e na África do Sul. CADERNO CRH, Salvador, v. 25, n. 64, p. 99-114, jan./abr. 2012.

SIGAUD, L. As condições de possibilidade das ocupações de terra. Tempo Social, v. 17, n. 1, p. 255-280, jun. 2005.

WHITE, Hylton. Outside the Dwelling of Culture: Estrangement and Difference in Postcolonial Zululand. Anthropological Quarterly, v. 83, n. 3, p. 497-518, Summer. 2010.

Downloads

Publicado

2013-12-30

Como Citar

AZEVEDO, A. G. A transformação das formas: relações entre terra, casa, casamento e ancestrais entre falantes de Isizulu na África do Sul dos dias atuais. Tematicas, Campinas, SP, v. 21, n. 42, p. 41–74, 2013. DOI: 10.20396/tematicas.v21i42.11030. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11030. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê