Práticas escolares a partir do acervo João Penteado (na perspectiva da história comparada)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v8i00.17502

Palavras-chave:

Educação libertária, Trabalho, Práticas escolares, Escolas anarquistas e escolanovismo

Resumo

Este trabalho tem por objetivo discutir a experiência da Escola Oficina No. 1 de Lisboa, em Portugal, na perspectiva da história comparada. A Escola Oficina No. 1 foi criada em 1905 pela Sociedade Promotora de Asilos, Creches e Escolas como uma escola de ofícios, por maçons, republicanos e anarquistas. O seu principal propósito era atingir alunos de bairros operários, dando início a um projeto associado ao princípio da educação integral. Busca-se compreender as singularidades da experiência da escola oficina No. 1 em comparação com a Escola Moderna de São Paulo, organizada em 1912 por associação de trabalhadores anarquistas. Um dos principais objetivos do texto consiste em apontar semelhanças e aspectos que as diferenciavam, dentro do contexto histórico no qual surgiram e atuaram. O estudo baseia-se no levantamento bibliográfico em torno das duas escolas, assim como de outras experiências libertárias do período, com consulta aos documentos do Acervo João Penteado e da Escola Oficina No. 1.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana da Silva Calsavara, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, Brasil

Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Atuou como Coordenadora nos Cursos de Pedagogia e Tecnológico em Processos Escolares (EaD) na Universidade Santo Amaro e Coordenadora Institucional do PIBID/UNISA (Programas de formação de professores vinculados aos cursos de História e Pedagogia). Integra o Grupo de Pesquisa que estuda o Acervo João Penteado no CME - FEUSP. Atualmente é Coordenadora Pedagógica na Escola SESI - Osasco.cleardot.gif

Carmen Sylvia Vidigal Moraes, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, Brasil

Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1990). É professora Titular da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, educação do trabalhador, história da educação, ensino médio, educação profissional e políticas públicas. Atualmente é coordenadora do Centro de Memória da Educação da FEUSP e membro do Comitê Científico do GT Trabalho e Educação da ANPED.

Angela Rabello Maciel de Barros Tamberlini, Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Brasil

Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2003). Está realizando estágio pós-doutoral na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Atualmente é Professor Associado IV da Universidade Federal Fluminense. É membro permanente do Núcleo de Estudos, Documentação e Dados sobre Trabalho-Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, NEDDATE, do qual foi vice-coordenadora de março de 2017 a maio de 2019. Integra o Comitê Científico da Revista Trabalho Necessário, pertencente ao Neddate. Participa do Núcleo de Filosofia, Política e Educação, NUFIPE, da Faculdade de Educação da UFF.

Referências

ALBERTI, Verena. História dentro da História. In: PINSKY, C. (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2010.

BARREIRA, Luiz Carlos. A função social da escola na ótica de um professor de Sociologia de uma escola operária portuguesa, na transição da monarquia para a república (1907-1914). In: XXIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, ANPUH, Londrina, 2005. Disponível em: https://anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548206570_64720284e3f9a4946b4a39f32d1681f3.pdf.

BARREIRA, Luiz Carlos. A educação escolar nas páginas do Boletim da Escola-Oficina Nº. 1 de Lisboa: o ensino de ciências. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 4, p. 73-84 jan./jun. 2010. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/2220.

BARROS, José D’Assunção. História Comparada – da contribuição de Marc Bloch à constituição de um moderno campo historiográfico. Disponível em: https://ojs.ifch.unicamp.br/index.php/rhs/article/view/207/199.

BLOCH, Marc. Pour une histoire comparée des sociétés européenes. Revue de Synthèse Historique, v. 6, p. 15-50, 1928.

CALSAVARA, Tatiana da Silva. A militância anarquista através das relações mantidas por João Penteado - estratégias de sobrevivência pós anos 20. 2012. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-30072012-154255/pt-br.php. Acesso em: 10 jul. 2019.

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Ed. UNESP, 1999.

CANDEIAS, António. Educar de outra forma: A Escola Oficina Nº 1 de Lisboa: 1905-1930. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1994.

CANDEIAS, António. Lima, Adolfo Ernesto Godfroy de Abreu e. In: NÓVOA, A. (Dir.). Dicionário de Educadores Portugueses. Porto: Edições ASA, 2003. p. 736-746.

CANDEIAS, António. A Escola Oficina n.º 1 de Lisboa 1905 -1930: Mudar a escola para mudar o mundo. Análise Psicológica, 4 (XI), p. 447-463, 1993. Disponível em: http://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/1698/1/AP%2011(4)%20447-463.pdf .

CASTRO, Rogério Cunha de. A utopia possível: Paul Robin e o Orfanato Prevóst. In: ANAIS DO XXVI SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, ANPUH. São Paulo, jul. 2011.

CUNHA, Luiz Antonio. Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

FIGUEIRA, Manuel Henrique. Um Roteiro da Educação Nova em Portugal. Escolas Novas e Práticas Pedagógicas Inovadoras (1882-1935). Lisboa: Livros Horizonte, 2004.

FIGUEIRA, Manuel Henrique. A Educação Nova em Portugal (1882 - 1935): semelhanças, particularidades e relações com o movimento homónimo internacional - Parte II. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/30279

LIMA, Adolfo. Educação e ensino: Educação Integral. Lisboa: Guimarães & Cª Editores, 1914.

LIMA, Adolfo. Educação Social. Educação Social: Revista de Pedagogia e Sociologia, ano 1, n. 1, p. 1-4, 10 janeiro 1924.

LIMA, Adolfo. A Escola Única: Os seus fundamentos. Educação Social: Revista de Pedagogia e Sociologia, ano 1, n. 2, p. 27-29, 25 jan. 1924.

MATE, Cecilia Hanna; SANTOS, Luciana; CALSAVARA, Tatiana. Acervo João Penteado: os livros e o Ensino Libertário. In: MORAES, Carmen S. Vidigal (org.). Educação Libertária no Brasil. Acervo João Penteado: inventário de Fontes. São Paulo: Ed. FAP-Unifesp e EDUSP, 2013.

MOGARRO, Maria João. O Modelo Pedagógico da Escola Oficina nº 1: corpo, regras e práticas no quotidiano de uma instituição alternativa. Cad. Cedes, Campinas, v. 38, n. 104, p. 63-74, jan./abr., 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v38n104/1678-7110-ccedes-38-104-63.pdf.

NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

NOA, Francisco José Cuevas. Disponível em: https://periodicohumanidad.files.wordpress.com/2009/01/francisco-cuevas-noa-anarquismo-y-educacion.pdf.

NUNES, Clarice. Historiografia comparada da Escola Nova: algumas questões. Revista da Faculdade de Educação, v. 24, n. 1, São Paulo, jan./jun. 1998.

NUNES, Clarice. Anísio Teixeira: a poesia da ação. Revista Brasileira de Educação, n. 16, jan./fev./mar./abr. 2001.

RIGH, Daniel; URZUA, Flávia. As imagens no arquivo João Penteado. In: MORAES, Carmen S. Vidigal (org.). Educação Libertária no Brasil. Acervo João Penteado: Inventário de Fontes. São Paulo: Ed. FAP-Unifesp e EDUSP, 2013.

ROMANELLI, Otaíza. História da Educação no Brasil – 1930-1973. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 1978.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

CALSAVARA, T. da S.; MORAES, C. S. V.; TAMBERLINI, A. R. M. de B. . Práticas escolares a partir do acervo João Penteado (na perspectiva da história comparada). RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e022034, 2022. DOI: 10.20888/ridpher.v8i00.17502. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/17502. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO