As folhas da Revista La Escuela Popular (1912-1914) e os sonhos de uma escola revolucionária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v8i00.17481

Palavras-chave:

Revista La Escuela Popular, Liga de Educación Racionalista., Argentina.

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal analisar panoramicamente o conteúdo produzido pela Revista La Escuela Popular (1912-1914), órgão de difusão da Liga de Educación Racionalista argentina. A sucursal argentina foi criada no ano de 1912 seguindo o modelo da Liga Internacional pela Educação Racional da Infância (1908), criada pelo catalão Francisco Ferrer y Guardia, que buscava continuar a divulgação dos propósitos da educação racionalista em escala transnacional. A análise quanti-qualitativa dos vinte volumes publicados mensalmente pela Revista indicou os principais temas discutidos ao longo dessa produção, bem como as principais personalidades que realizaram publicações no periódico. Os aspectos da proposta de educação racionalista e as críticas proferidas às escolas estatais e confessionais ganharam destaque nesta análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kaithy das Chagas Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Brasil

Doutora em Ciências Sociais – Estudos Comparados sobre as Américas, junto ao Departamento de Estudos Latinos Americanos da Universidade de Brasília. Docente da área de Educação no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás – Campus Formosa.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução Denise Bottman. 5ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BARRANCOS, Dora. Anarquismo, Educación y Costumbres en la Argentina de principios de siglo. Buenos Aires: Editorial Contrapunto, 1990.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Organização e tradução de João Barreto. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

CHAUÍ, Marilena. História a contrapelo (Prefácio). In: DE DECCA, Edgar Salvadori. O silencio dos vencidos. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CODELLO, Francesco. “A Boa Educação”: Experiências libertárias e teorias anarquistas a Europa, de Godwin a Neill. Volume 1: A teoria. Tradução de Silene Cardoso. São Paulo: Imaginário/Ícone, 2007.

COLOMBO, Eduardo. Una historia escamoteada. In: COLOMBO, Eduardo (Compilador). Historia del movimiento obrero revolucionario. Buenos Aires: Libros de Anarres, 2013.

CORDERO, Laura Fernández. Amor y anarquismo. Experiencias pioneras que pensaron y ejercieron la libertad sexual. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2017.

DE DECCA, Edgar Salvador. 1930: O silêncio dos vencidos. Memória, História e Revolução. 6. ed. 1ª Reimpressão. São Paulo: Brasiliense, 1997.

GALLO, Silvio. Francisco Ferrer Guardia: o mártir da Escola Moderna. Pro-Posições, Campinas, v. 24, n. 2, maio/ago. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73072013000200015. Acesso em: 30 out. 2022.

GODOY, Clayton Peron Franco de. Ação direta: transnacionalismo, visibilidade e latência na formação do movimento anarquista em São Paulo (1892-1908). Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2013.

LEUTPRECHT, Douglas Bahr. O legado de Francisco Ferrer y Guardia em movimento: Apropriações do modelo Pedagógico Racionalista nas Escolas Modernas Nº 1 e de Stelton (1913-1925). 2018. 230 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina. Disponível em https://sistemabu.udesc.br/pergamumweb/vinculos/000050/000050ac.pdf. Acesso em: 03 dez. 2022.

MURO, Gabriel. Julio Barcos, el inspector anarquista. ESPECTROS, Buenos Aires, año 1, n. 2. Disponível em https://espectros.com.ar/wp-content/uploads/Julio-Barcos_el-inspector-anarquista_por-Gabriel-Muro.pdf. Acesso em: 03 dez. 2022.

OLIVEIRA, Kaithy das Chagas. Folhas libertárias na América Latina: disputas pelos sentidos políticos das Escolas Populares no início do século XX, na Argentina e no Brasil. 2021. 270 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados sobre as Américas, Brasília, 2021. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/42235. Acesso em: 30 nov. 2022.

PUIGGRÓS, Adriana. Sujetos, Disciplina y Curriculum: en los orígenes del sistema argentino (1885-1916). 3. ed. Buenos Aires: Galerna, 1996.

RUBIO, Lucas Domínguez. El Anarquismo Argentino. Bibliografía, Hemerografía y Fondos de Archivos. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Libros de Anarres, 2018.

TRAGTENBERG, Maurício. A escola como organização complexa. Educ. Soc., Campinas, v. 39, n. 142, p. 183-202, jan./mar. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/pnS8pJwmqZQmy74Nq4dKpHf/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 fev. 2021.

Bibliotecas e arquivos consultados

Argentina

Centro de Documentación e Investigación de la Cultura de Izquierdas (CEDINCI);

Biblioteca Archivo de Estudios Libertarios (Grupo BAEL)/Federación Libertaria Argentina (FLA);

Biblioteca Popular José Ingenieros.

Brasil

Acervo João Penteador do Centro de Memória da Educação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSPE);

Biblioteca Terra Livre;

Arquivo Edgard Leuenroth - Centro de Pesquisa e Documentação Social (AEL), da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Periódicos consultados

Argentina

La Protesta Humana / La Protesta;

Revista Mensual Francisco Ferrer;

Revista Mensual La Escuela Popular;

Boletín de la Liga de Educación Racionalista.

Brasil

O Amigo do Povo;

A Lanterna;

A Voz Do Trabalhador;

Boletim da Escola Moderna;

O Início.

Downloads

Publicado

2022-12-17

Como Citar

OLIVEIRA, K. das C. As folhas da Revista La Escuela Popular (1912-1914) e os sonhos de uma escola revolucionária. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e022013, 2022. DOI: 10.20888/ridpher.v8i00.17481. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/17481. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO