Escola de Aprendizes Artífices: uma análise das práticas pedagógicas ao longo da Primeira República

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v9i00.17453

Palavras-chave:

Aprendizes Artífices. Método intuitivo. Educação profissional.

Resumo

O estudo adota por objetivo analisar diferentes trabalhos reportados na literatura sobre a criação das Escolas de Aprendizes Artífices em seu contexto histórico, cujo foco de investigação são as práticas pedagógicas empregadas nessas instituições precursoras da educação profissional no Brasil a partir de 1909. Como critério de seleção de artigos, foram selecionados os que apresentam o nome “Escola de Aprendizes Artífices” no título. A abordagem metodológica é qualitativa cujo procedimento de análise consiste no Trabalho de Tradução referendado em Boaventura de S. Santos. Verificou-se que essas escolas foram majoritariamente guiadas pela economia política nacional. Ademais, quanto às práticas pedagógicas, constatou-se a presença do método intuitivo sobre diferentes propostas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Lucchesi Schio, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Caxias do Sul, Brasil

Mestrado em Engenharia e Ciência dos Materiais (PPGMAT) pela Universidade de Caxias do Sul (2020) com bolsa da Capes. Atualmente é doutoranda, também no PPGMAT com bolsa da CNPq. 

Cleber Schaefer Barbaresco, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Brasil

Mestre pelo programa de pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica, pela Universidade Federal de Santa Catarina (2019). Doutorando do programa de pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica, pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Instituto Federal de Santa Catarina, campus Florianópolis, membro do Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática de Santa Catarina (GHEMAT/SC) e do Grupo Associado de Estudos e Pesquisa sobre História da Educação Matemática.

Felipe Figueiró Klovan, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Caxias do Sul, Brasil

Mestrado em História Social do Trabalho pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2011-2014). Atualmente é Professor EBTT (Educação Básica, Técnica e Tecnológica) do IFRS (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul) - Câmpus Caxias do Sul.

Fernanda Ferreyro Monticelli, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Caxias do Sul, Brasil

Doutorado na UFES, na linha de pesquisa: Diversidades e Práticas Educacionais Inclusivas. Membro do Grupo de Estudo Sobre Autismo (GESA), do Núcleo de Ensino Pesquisa e Extensão em Educação Especial (NEESP), do Centro de Educação da UFES, cujo interesse de estudo centra-se na prática pedagógica dirigida às crianças, adolescentes e jovens com autismo. 

Referências

BARBARESCO, Cleber Schaefer; COSTA, David Antonio da. A expertise de João Lüderitz: A organização do ensino de aritmética nas Escolas de Aprendizes Artífices (1920-1926). REMATEC: Revista de Matemática, Ensino e Cultura, [s. l.], v. 15, n. 34, p. 48–69, ago. 2020.

BARBARESCO, Cleber Schaefer; COSTA, David Antonio da. Os métodos de ensino das escolas de aprendizes artífices: vestígios da constituição saberes para ensinar a partir da mobilizaçãodos saberes aritméticos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [s. l.], v. 12, n. 5, p. 1–17, mai./jul. 2021.

BARBARESCO, Cleber Schaefer; COSTA, David Antonio da. Os Saberes para ensinar e saberes a ensinar aritmética na Escola de Aprendizes Artífices de Santa Catharina. Revista diálogo educacional, Curitiba, v. 18, n. 58, p. 890–921, jul./set. 2018.

BARBARESCO, Cleber Schaefer, COSTA, David, Antonio da. Lugar, tempo, relação pedagógica: a Escola de Aprendizes Artífices na perspectiva da Forma Escolar. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 10, n. 30, p. 01-449, 2019.

BRANDÃO, Marisa. Da Arte do Ofício à Ciência da Indústria: a conformação do capitalismo industrial no Brasil vista através da educação profissional. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 17-30, set./dez. 1999.

BRASIL. Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Ministério da Educação, Brasília, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/centenario/historico_educacao_profissional.pdf. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 24 de fevereiro de 1891. Presidência da República, Rio de Janeiro, 1891. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Crêa nas capitaes dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artifices, para o ensino profissional primario e gratuito. Diário Official da União, Rio de Janeiro, 1909a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL. Decreto nº 7.749, de 11 de novembro de 1909. Crea nas Escolas de Aprendizes Artifices, a que se refere o decreto n. 7.566, de 23 de setembro ultimo, os logares de professores dos cursos primarios nocturnos e de desenho e da outras providencias. Diário Official da União, Rio de Janeiro, 1909b. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-7649-11-novembro-1909-525418-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL. Decreto no 9.070, de 25 de outubro de 1911. Dá novo regulamento ás escolas de aprendizes artifices. Diário Official da União, Rio de Janeiro, 1911. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1910-1919/decreto-9070-25-outubro-1911-525591-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL. Lei nº 12.417, de 9 de junho de 2011. Presidência da República, Brasília, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/L12417.htm. Acesso em: 25 nov. 2022.

CANDIDO, Francineuma Guedes et al. Educação para o trabalho: a Escola de Aprendizes Artífices do Ceará. Educação, Santa Maria, v. 44, n. 1, p. 1–22, set./mai. 2019.

CARVALHO, José Murilo. A ortodoxia positivista no Brasil: um bolchevismo de classe média. In: TRINDADE, Hélgio (Org.). O positivismo: teoria e prática: sesquicentenário da morte de Augusto Comte. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

COLOMBO, Irineu Mario. Escola de Aprendizes Artífices ou Escola de Aprendizes e Artífices? Educar em Revista, Curitiba, v. 36, n. e71886, 2020.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino de ofício nos primórdios da industrialização. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

DARRÓZ, Lis Amanda; SCHELBAUER, Analete Regina. A trajetória do método analítico para o ensino da leitura no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 25, p. 75- 85, mar. 2007. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/4965/art07_25.pdf. Acesso em: 25 nov. 2022.

FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves. Brasil Republicano. Vol 1: O Tempo do Liberalismo Excludente: Da Proclamação da República à Revolução de 30. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FRANCO, Sebastião Pimentel. As escolas femininas de formação para o magistério no Espírito Santo: Primeira República. 2002. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/dimensoes/article/view/2660. Aceso em: 5 out. 2022.

FREIRE, Ana Maria Araújo. Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição do corpo à ideologia nacionalista, ou de como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu), Filipinas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Grácias até os Severinos. São Paulo: Cortez, 1993.

GOMES, Karina Barra. Entre memórias e narrativas de vida desde a Escola de Aprendizes Artífices em Campos dos Goytacazes (RJ). Orfeu, [s. l.], v. 7, n. 1, 2022.

GOMES, Luiz Claudio Gonçalves. As Escolas de Aprendizes Artífices e o ensino profissional na Velha República. Revista Vértices, [s. l.], v. 5, n. 3, p. 53–80, 2003.

LIMA, João Francisco Lopes de. Pestalozzi: o Romantismo e o nascimento da pedagogia social. Ciências e Letras, Porto Alegre, n. 47, p. 123-135, jan./jun. 2010.

LOBO NETO, Francisco José da Silveira. O Centenário de um Marco da Dualidade Educacional Brasileira: o Decreto das Escolas de Aprendizes Artífices. Trabalho necessário, [s. l.], v. 7, n. 9, p. 1–5, 2009.

MADEIRA, Maria das Graças de Loiola. Recompondo memórias da educação: a Escola de Aprendizes Artífices do Ceará (1910-1918). Fortaleza: CEFET-CE, 1999.

MONTICELLI, Fernanda Ferreyro. Processos de exclusão da/na escola no período da Primeira República (1889-1930) no Estado do Espírito Santo. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação.2014.

MOURA, Elmha Coelho Martins. A Estátua Equestre de D. Pedro I e a Educação Matemática nas Escolas de Aprendizes Artífices no Início da República. Boletim de Educação Matemática (BOLEMA), Rio Claro, v. 30, n. 56, p. 1244–1259, dez. 2016.

PIMENTEL, Elpidio. Postillas Pedagógicas. Vitória: [s.n.], 1923.

QUELUZ, Gilson Leandro. Escola de Aprendiz e Artífices no Paraná (1909-1930). Tecnol. & Hum., ano 24, n. 39, jul./dez. 2010.

QUELUZ, Gilson Leandro. Método Intuitivo e o Serviço de Remodelação do Ensino Profissional Técnico. Revista Educação & Tecnologia, Curitiba, v. 3, p. 96-114, 1998.

RODRIGUES, José. Celso Suckow da Fonseca e a sua “História do ensino industrial no Brasil”. Revista Brasileira de História da Educação, v.2, n. 4, fev. 2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SANTOS, Gizelle Rodrigues dos; AZEVEDO, Márcio Adriano de. A Alimentação como Política Social ao Longo da História do IFRN: da Escola de Aprendizes Artífices de Natal à Escola Industrial de Natal. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica (Online), [s. l.], v. 2, n. 15, p. e7179–e7179, abr./mai. 2018.

SANTOS NETO, Amâncio Cardoso dos. Da Escola de Aprendizes ao Instituto Federal de Sergipe: 1909 - 2009. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, v. 2, n. 2, p. 25-39, 2009.

SANTOS, Renato Marinho Brandão; SILVA, Jennefer Larissa Guedes da. Análise do Perfil dos Aprendizes e Servidores da Escola de Artífices de Natal (1909-1937). Holos, Natal, v. 1, n. 1, p. 1–22, 2020.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2010.

SCHELBAUER, Analete Regina. A constituição do método do ensino intuitivo na Província de São Paulo (1870-1889). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 3., 2004, Curitiba. [Anais...]. Curitiba: Adivan High Tech, 2004. v. 1, p. 1-15, 2004.

SCHWARTZ, Cleonara Maria. Ensino da leitura no Espírito Santo (1911-1930): uma análise das concepções de leitura, de texto e de linguagem. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 5., 2008, Aracajú. [Anais...]. Aracajú: Universidade Federal de Sergipe, 2008.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Maria Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SILVA, Francislene Rosas da et al. Trabalho Docente na Educação Profissional: das Escolas de Aprendizes Artífices aos Institutos Federais e os Desafios do Ensino Verticalizado. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica (Online), [s. l.], v. 2, n. 19, p. e9769–e9769, 2020.

SILVA, Juan Carlo da Cruz; MEDEIROS NETA, Olivia Morais de. História do ensino industrial no brasil: uma análise historiográfica da obra de Celso Suckow da Fonseca. Revista Brasileira de História da Educação, v. 19, 2019.

SOARES, Manoel de Jesus A. As Escolas de Aprendizes Artífices e suas fontes inspiradoras. Fórum educacional. Rio de Janeiro, v. 5, n. 4, p. 69-77, 1981.

SOËTARD, Michel. Johann Pestalozzi (Coleção Educadores). Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

ZANATTA, Beatriz Aparecida. O método intuitivo e a percepção sensorial como legado de Pestalozzi para a geografia escolar. Cadernos CEDES, v. 25, n. 66, p. 165-184, mai./ago. 2005.

Downloads

Publicado

2023-12-23

Como Citar

LUCCHESI SCHIO, Aline; SCHAEFER BARBARESCO, Cleber; FIGUEIRÓ KLOVAN, Felipe; FERREYRO MONTICELLI, Fernanda. Escola de Aprendizes Artífices: uma análise das práticas pedagógicas ao longo da Primeira República. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023009, 2023. DOI: 10.20888/ridphe_r.v9i00.17453. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/17453. Acesso em: 23 abr. 2024.