O movimento de busca pelas transformações das concepções e práticas de formação de professores na Universidade de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v7i00.15953

Palavras-chave:

Licenciaturas, Institucionalização de políticas, Práxis docente

Resumo

O artigo tem por objetivo discutir o processo de implementação do Programa de Formação de Professores da Universidade de São Paulo (PFPUSP) no período 2006-2020, com destaque para as rupturas e inovações que trouxe ao campo das licenciaturas, bem como a identificação dos desafios e problemas enfrentados no âmbito da Universidade e frente às legislações federais e estadual que têm reconfigurado e, na maioria dos casos, desfigurado a formação dos docentes brasileiros. Com base em pesquisa bibliográfica sobre formação, em documentos da própria Universidade e na legislação, evidencia os esforços voltados para a superação das dicotomias, antigas e arraigadas na área, entre teoria/prática e entre saberes científicos/saberes pedagógicos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Selma Garrido Pimenta, Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, Brasil

Possui graduação em Pedagogia (1965), mestrado (1979), doutorado (1985) em Educação: Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), e Livre–Docência em Didática pela Faculdade de Educação (FE) da Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, é professora titular sênior da FE da USP e professora associada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Santos (Unisantos). Coordena (em parceria) o Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Formação do Educador (GEPEFE) desde 1989, junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da USP. Desde 2018, é vice-presidente e sócia-fundadora da Associação Nacional de Didática e Prática de Ensino (ANDIPE). Coordena a Coleção Docência em Formação junto à Cortez Editora, em São Paulo. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, didática, pedagogia e pesquisa educacional. É pesquisadora sênior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) (2021-2026).

Maria Isabel de Almeida, Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, Brasil

Professora associada sênior da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo e é professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Santos. Formou-se em História pela USP (1981) e realizou mestrado (1994), doutorado (1999) e livre docência (2011) na área de Didática na Faculdade de Educação da mesma Universidade. Realizou pós-doutorado na Universitat Autònoma de Barcelona (2007). Representa a região sudeste na Associação Nacional de Didática e Práticas de Ensino (ANDIPE) e integra o Comitê de Ética na Pesquisa da UNISANTOS. Coordena a série de publicações sobre Ensino Superior junto à Cortez Editora. Tem se dedicado ao ensino e à orientação em cursos de Graduação e Pós-Graduação, às pesquisas e publicações nos campos da didática e da formação/atuação de professores na articulação com as políticas públicas, as organizações curriculares e as reformas educacionais.

 

Referências

ALMEIDA, M. I. O sindicato como instância formadora dos professores: novas contribuições ao desenvolvimento profissional. 1999. 225 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ALMEIDA, M. I. Professores e competência: revelando a qualidade do trabalho docente. In: ARANTES, V. A. (org.) Educação e competências. São Paulo, Summus, 2009, p. 77-122.

ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G.; (Orgs.). Estágios supervisionados na formação docente. São Paulo: Cortez Editora, 2014, 156 p.

ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G.; FUSARI, J. C. Socialização, profissionalização e trabalho de professores iniciantes. Educar em Revista, n. 78., v.35, 2019, p. 187-206. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/RVf6F5s9DNwybqcZsVvdX5D/?lang=pt&format=pdf. Acesso em 15/07/2021.

ARRUDA, M. A. do N. Reflexões sobre cultura institucional e as universidades. In: Jornal da USP, 05/08/2019. Disponível em: https://jornal.usp.br/?p=263375. Acesso em: 09/08/2021

BRASIL. MEC/CNE. Resolução nº 01, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2002. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf. Acesso em 15/07/2021.

BRASIL. MEC/CNE. Resolução nº 02, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em 15/07/2021.

BRASIL. MEC/CNE. Resolução nº 02, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em:

< http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file>. Acesso em 15/07/2021.

CACETE, Núria H. Breve história do ensino superior brasileiro e da formação de professores para a escola secundária. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 1061-1076, out./dez. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022014005000011. Acesso em 10/07/2021.

CANDAU, Vera M. F. Novos rumos da licenciatura no Brasil. Brasília: INEP; Rio de Janeiro, PUC/RJ, 1987, 93 p.

CARDOSO, N.; FARIAS. I. S; MENDONÇA, S. G. L. O “ovo da serpente” na formação docente: as diretrizes paulistas. Práxis Educacional. Vitória da Conquista, v. 17, n.46, p. 1-26, Jul./Set. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8913. Acesso em 03/07/2021.

CASTRO, A. D. A licenciatura no Brasil. Revista de História. São Paulo, v. 50, n. 100, p. 627-652, out./dez, 1974. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/132649/128733. Acesso em 17/07/2021.

CONTRERAS, J. D. A autonomia de professores. Trad. Sandra T. Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002, 296 p.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A construção do campo da pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA, Salvador, v. 22, n. 40, p. 145-154. jul./dez. 2013. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7445/4808. Acesso em: 15/07/2021.

EVANGELISTA, O.; FIERA, L.; TITTON, M. Diretrizes para formação docente é aprovada na calada do dia: mais mercado. Jornal socialista e independente: Universidade à Esquerda, 2019. Disponível em: https://universidadeaesquerda.com.br/debate-diretrizes-para-formacao-docente-e-aprovada-na-calada-do-dia-mais-mercado/. Acesso em 24/02/2021.

FERNANDES, F. Formação de profissionais e especialistas nas faculdades de filosofia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 37, n. 85, p. 227-233, 1962.

FÉTIZON, B. A. M. A propósito da formação de professores. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, 8(2): 165-174, jul./dez. 1982.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996, 135 pp.

GIMENO SACRISTÁN, J. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (org.). Profissão professor. 2 ed. Porto Ed., 1995. p. 63-92.

GUARNIERI, M. R. O início da carreira docente: pistas para o estudo do trabalho do professor. In: GUARNIERI, M. R. (Org.) Aprendendo a ensinar: o caminho nada suave da docência. 2 ed. Campinas: Autores Associados, 2005, p. 5-25.

GUIMARÃES, V. Socialização Profissional e Profissionalização Docente. In GUIMARÃES (org). Formar para o mercado ou para a autonomia? O papel da Universidade. Campinas. Papirus. 2006, p. 129-152.

KONDER, L. O futuro da filosofia da práxis: o pensamento de Marx no século XXI. 1ª. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992, 140 p.

LIMA, E. F. A construção do início da docência: reflexões a partir de pesquisas brasileiras. Revista do Centro de Educação, v. 29, n. 2, 2004.

LÜDKE, M.; BOING, L. A. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1159-1180, set./dez, 2004.

MARCELO GARCIA, C. Formación del professorado para el cambio educativo. 2º edição. Barcelona: EUB, 1995, 526 p.

NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992a, 158 p.

NÓVOA, A. (Org..). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992b, 214 p.

PROGRAMA de Formação de Professores da Universidade de São Paulo – PFPUSP. Pró-Reitoria de Graduação – USP. Disponível em: http://www4.fe.usp.br/wp-content/uploads/programa-de-formacao-de-professores/programa-de-formacao-de-professores.pdf. Acesso em 10/07/2021.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: Educação e Pesquisa (USP), São Paulo, v. 22, n.2, 1996, p. 72-89.

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica do conceito. 1ª edição. São Paulo. Cortez. 2002, 261 p.

PIMENTA, S.; ALMEIDA, M. I. A construção da Pedagogia Universitária no âmbito da Universidade de São Paulo. In: PIMENTA, S.; ALMEIDA, M. I. (orgs). Pedagogia Universitária: caminhos para a formação de professores. 1ª. São Paulo: Cortez, 2011, p.19-44.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 8a. edição. São Paulo: Cortez, 2017, 310 p.

PIMENTA, S. G. Relatório Final de Pesquisa - A pesquisa na graduação: Ensinando com pesquisa e pesquisando o ensinar. Bolsa de Produtividade em Pesquisa (2006 – 2021). CNPq. 2021. 30 p.

PIPITONE, M. A. P.; ZUFFI, E. M.; RIVAS, N. P. Um programa de formação de professores: o caso da Universidade de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, 2010, v. 91, n. 227, p. 144-160, jan./abr.

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - Programa de Formação de Professores da Universidade de São Paulo - PFPUSP, 2004. Disponível em: http://www4.fe.usp.br/wp-content/uploads/programa-de-formacao-de-professores/programa-de-formacao-de-professores.pdf. Acesso em 15/06/2021.

RELATÓRIO DE GESTÃO 2006/2009. Pró-Reitoria de Graduação, Universidade de São Paulo, nov. 2009. Disponível em: < http://www.prg.usp.br/wp-content/uploads/rel_selma.pdf.

RELATÓRIO - COMISSÃO INTERUNIDADES DAS LICENCIATURAS, PRG, USP. (inédito). 27 pp. Fevereiro de 2016.

RELATÓRIO - COMISSÃO INTERUNIDADES DAS LICENCIATURAS, PRG, USP. (inédito). 27 pp. Fevereiro de 2016.

RESOLUÇÃO CoG nº 7825, de 25/09/2019, disponível em http://www.leginf.usp.br/?resolucao=resolucao-cog-no-7825-de-25-setembro-2019. Acesso em 23/07/2021.

SALCES, C. D. Ser professor formador de professores na Educação Superior privada contemporânea. 2020. 221 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SÃO PAULO. CEE. Deliberação CEE nº 111, de 01/02/2012 Fixa Diretrizes Curriculares Complementares para a Formação de Docentes para a Educação Básica nos Cursos de Graduação de Pedagogia, Normal Superior e Licenciaturas, oferecidos pelos estabelecimentos de ensino superior vinculados ao sistema estadual. Disponível em https://www.fe.unicamp.br/eventos/seminariofe/2013/GT1-PropostaAlteracaoDelib-CEE111-2012. Acesso em 22 set. 2019.

SÃO PAULO. CEE. Deliberação nº 126, de 14 de junho de 2014 – Altera dispositivos da Deliberação 111/2012. Disponível em: http://www.ceesp.sp.gov.br/ceesp/textos/2014/651-06-Delib-126-14-Indic-127-14.pdf. Acesso em 14/07/2021.

SÃO PAULO. CEE. Deliberação nº 132, de 09 de abril de 2015 – Altera dispositivos da Deliberação 111/2012. Disponível em: http://www.ceesp.sp.gov.br/ceesp/textos/2015/651-06-Delib-132-15-Indc-132-15.pdf>. Acesso em 14/07/2021.

SÃO PAULO. CEE. Deliberação nº 154, de 31 de maio de 2015 – Publicada no DOE/SP em 07/06/2017. Dispõe sobre alteração da Deliberação CEE nº111/2012. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/pdf/CEE-SP_PAR_635_794_2000.pdf>. Acesso em 14/07/2021.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14 n. 40 jan./abr. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/45rkkPghMMjMv3DBX3mTBHm/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 08/07/2021.

SILVA JÚNIOR, C. A. Das instituições às organizações escolares: políticas comprometidas, culturas omitidas e memórias esquecidas. In: Para uma teoria da escola pública no Brasil. SILVA JÚNIOR, C. A. (org). Marília: M3T Edições, 2015. p.39/64.

SILVA, V. G.; ALMEIDA, P. C. A.; GATTI, B. A. Referentes e critérios para a ação docente. Cadernos de Pesquisa, vol. 46, n.160, p. 286-311. abr/jun. 2016. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/3415 Acesso em 12/07/2021.

ZAN, D. D. P. Formação de professores em disputa: a experiência da Unicamp. Formação em movimento, Rio de Janeiro, v.1, n.2, p.314-328, jul./dez. 2019. Disponível em: http://costalima.ufrrj.br/index.php/FORMOV/article/view/524. Acesso em 12/07/2021.

ZUFFI, E. M. O programa de formação de professores e a gestão dos cursos de licenciatura na Universidade de São Paulo. In Políticas para a formação de professores da educação básica: modelos em disputa. In: PENITENTE, L. A. A.; MENDONÇA, S. G. L. (orgs). Marília: Cultura Universitária. 2016. p. 57/72.

Downloads

Publicado

2021-11-27

Como Citar

PIMENTA, S. G.; ALMEIDA, M. I. de . O movimento de busca pelas transformações das concepções e práticas de formação de professores na Universidade de São Paulo. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e021013, 2021. DOI: 10.20888/ridpher.v7i00.15953. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/15953. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO