O patrimônio histórico-educativo: a escola, o professor e as “rosas verdes”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v6i00.13840

Palavras-chave:

Diários, Cultura material escolar, Patrimônio Hist´órico-Educativo

Resumo

O objetivo do artigo é analisar aspectos do patrimônio histórico-educativo da narrativa (auto)biográfica escrita nos diários manuscritos por uma mulher agricultora de 86 anos de idade. Esses manuscritos trazem relatos da autora sobre o trajeto percorrido até a escola, a arquitetura do espaço físico da mesma, o seu primeiro professor e sobre a materialidade de objetos de sua escolarização primária (1940). Os aspectos teórico-metodológicos estão baseados principalmente nos conceitos de cultura escolar e cultura material escolar, ancorados em autores como Escolano Benito (2017), Felgueiras (2015), entre outros. O artigo traz contribuições ao patrimônio histórico-educativo perpetuado, no caso dessa análise, pela memória e pela escrita presente nos diários analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Grim Thies, Universidade Federal de Pelotas

Possui graduação em Pedagogia (UFPel, 2004), especialização em Alfabetização e Letramento (UFPel, 2005), Mestrado em Educação (UFPel, 2008) e Doutorado em Educação (UFPel, 2013). É professora da Universidade Federal de Pelotas atuando no Departamento de Ensino da Faculdade de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/ Fae/UFPEL). Coordenadora adjunta do centro de memória e pesquisa História da Alfabetização, Leitura, Escrita e dos Livros Escolares (Hisales). Coordenadora adjunta do grupo de pesquisa Hisales. Tem experiência na área de Educação atuando nos seguintes temas: História da Educação, História da Cultura Escrita, Escritas ordinárias, Práticas de leitura e escrita escolares e não escolares.

Joseane Cruz Monks, Universidade Federal de Pelotas

Graduação em Pedagogia (2014). Docente nos anos iniciais na Rede Municipal de Ensino de Pelotas (2015), Mestra em Educação pelo Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas (2019). Doutoranda em Educação PPGE/FaE/UFPel; Pesquisadora e integrante do centro de memória e pesquisa História da Alfabetização, Leitura, Escrita e dos Livros Escolares - Hisales (FaE/ UFPel). Durante a graduação atuou como Bolsista de Iniciação Científica/FAPERGS (2011-2014) - atuando em pesquisas na área de Educação, com ênfase nos seguintes temas: acervos, história da alfabetização, cultura material escolar, alfabetização e letramento.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto; BRAGANÇA, Inês Ferreira de Souza. Histórias de Vida de Educadores/as Sociais em Pesquisa Narrativa (Auto) Biográfica. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, Salvador, BIOgraph, v. 5, n. 13, p. 16-23, 2020.

BAHIA, Joana. A “lei da vida”: confirmação, evasão escolar e reinvenção da identidade entre os pomeranos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 69-82, jan./jun. 2001.

BECK, Dinah Quesada. Uniformes escolares: delineando identidades de gênero. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 58, p. 136-150, set. 2014.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Territórios abertos para a História. In: PINSKY, Carla Bassanezi; De Luca, Tania Regina (Orgs). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2013.

CHARTIER, Roger. História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CHARTIER, Roger. As revoluções da leitura no Ocidente. In: CHARTIER, Roger. Leitura, História e Hisória da leitura. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2000.

CHARTIER, Roger. Inscrever e apagar: cultura escrita e literatura (séculos XI-XVIII). São Paulo: Editora UNESP, 2007.

ESCOLANO BENITO, Agustín. A escola como cultura: experiência, memória e arqueologia. Trad. Heloisa Pimenta Rocha; Vera Gaspar da Silva. Campinas, SP: Alínea, 2017.

FABRE, Daniel (Org.). Écritures Ordinaires. Paris Centre Georges Pompidou. Bibliothéque Publique d’ Informatión, 1993. p.11-94

FELGUEIRAS, Margarida Louro. Materialidade da cultura escolar: A importância da museologia na conservação/comunicação da herança educativa. Pro-Posições, v. 16, n. I (46), p. 87-102, jan./abr. 2005.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Histórias das culturas do escrito: tendências e possibilidades de pesquisa. In: MARINHO, Marildes; CARVALHO. Gilcinei (Orgs.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escritas ordinárias: o espaço gráfico do caderno escolar. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, p. 115-141, jan./jun. 2001.

KREUTZ, Lúcio. Escolas comunitárias de imigrantes no Brasil: instâncias de coordenação e estruturas de apoio. Revista Brasileira de Educação, n.15, p.159-176, set/dez. 2000.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Trad. Viviane Ribeiro. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

POMPOUGNAC, Jean-Claude. Relatos de aprendizado. In: FRAISSE, Emmanuel; POMPOUGNAC, Jean-Claude; POULAIN, Martine. Representações e imagens de leitura. São Paulo: Ática, 1997.

SILVA, Vera Lucia Gaspar da. PETRY, Marilia Gabriela (Org.). Objetos da Escola: espaços e lugares de constituição de uma cultura material escolar (Santa Catarina – séculos XIX e XX). Florianópolis: Insular, 2012.

THIES, Vania Grim. Patrimônio do escrito: cadernos de usos não escolares e as contribuições para a cultura escrita. Revista História da Educação/RHE (Online), v. 24, p. 01-28, 2020.

VIDAL, Diana Gonçalves. História da Educação como Arqueologia: cultura material escolar e escolarização. Revista Linhas. Florianópolis, v. 18, n. 36, p. 251-272, jan./abr. 2017.

VIDAL, Diana Gonçalves. Cultura e prática escolares: Uma reflexão sobre documentos e arquivos escolares. In: SOUZA, Rosa Fátima. VALDEMARIN, Vera Teresa (Org.) A cultura escolar em debate: questões conceituais, metodológicas e desafios para a pesquisa. Campinas, São Paulo. Autores Associados, 2005.

VINÃO FRAGO, Antonio. Historia de la educación e historia cultural. Revista Brasileira de Educação, n.0, set./dez. 1995.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

GRIM THIES, Vania; CRUZ MONKS, Joseane. O patrimônio histórico-educativo: a escola, o professor e as “rosas verdes”. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 6, n. 00, p. e020016, 2020. DOI: 10.20888/ridpher.v6i00.13840. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/13840. Acesso em: 15 jul. 2024.