Sonhos do Oriente

trajetórias de vida e identidades atravessadas pelo K-Pop em Curitiba

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v8i00.15105

Palavras-chave:

K-Pop, Identidade, Trajetórias de vida, Cultura, Música Popular

Resumo

É possível perceber no decorrer da última década um crescimento relevante do consumo de K-Pop (gênero musical sul-coreano) a nível global, e isso não é uma exceção na realidade brasileira. Tendo um crescimento sensível principalmente entre os jovens, o consumo do gênero acaba por ocupar, em muitos casos, um lugar central na vivência cotidiana de seus consumidores, que passam a estabelecer contatos com outros sujeitos que também estão vinculados a essa música, atravessando suas identidades e modificando suas trajetórias de vidas junto com objetivos que acompanham imaginários atrelados ao gênero. A partir disso, a presente pesquisa buscou compreender como esse fenômeno se manifesta na cidade de Curitiba, PR, Brasil, utilizando-se de entrevistas com consumidores de K-Pop sobre suas experiências prévias ao gênero, seu contato com ele e suas perspectivas futuras, auxiliando a elucidar as estruturas que envolvem essa vivência. Foi possível perceber que o aprendizado do coreano, viajar para a Coreia do Sul e a construção de sua identidade foram aspectos centrais para as participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Barth da Silva, Universidade do Porto

Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Mestrando em Sociologia pela Universidade do Porto.

Referências

ANGELITA. Entrevista concedida a Gabriel Barth da Silva em 19 dez. 2020. 22 anos.

BAHL, Miguel; MURAD, Ivana Gaio. Legado japonês e turismo em Curitiba (Paraná, Brasil). RITUR: Revista Iberoamericana de Turismo, v. 1, n. 1, p. 47-62, 2011.

BECKER, Howard S. Art worlds: updated and expanded. Berkeley: University of California Press, 2008.

BERTO, Rachel Goulart; ALMEIDA, Mariza Costa. Quem são os fãs de K-pop no Brasil? Tecnologia & Cultura, Rio de Janeiro, ano 17, v. 25, 20271, p. 38-44, jan./jun. 2015. Disponível em: http://www.cefet-rj.br/attachments/article/195/revista25_virtual.pdf.

BOURDIEU, Pierre. Understanding. Theory, Culture & Society, v. 13, n. 2, p. 17-37, 1996.

BRAGA, Lívia. BTS: O fenómeno K-pop além da dimensão musical. Desenvolvimento e Sociedade, v. 4, n. 7, p. 79-86, 2019.

CAROLINA. Entrevista concedida a Gabriel Barth da Silva em 23 dez. 2020. 22 anos.

CHUN, Elaine W. How to drop a name: hybridity, purity, and the K-pop fan. Language in Society, v. 46, n. 1, p. 57-76, 2017.

DENORA, Tia. Music as a technology of the self. Poetics, v. 27, n. 1, p. 31-56, 1999

DENORA, Tia. Music in everyday life. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

GELERNTER, Lior; REGEV, Motti. Internet and globalization. The Routledge International Handbook of Globalization Studies, p. 62, 2010.

GEOVANNA. Entrevista concedida a Gabriel Barth da Silva em 26 dez. 2020. 23 anos.

GUERRA, Paula. A instável leveza do rock: gênese, dinâmica e consolidação do rock alternativo em Portugal (1980-2010). Porto: Afrontamento, 2013.

GUERRA, Paula. Under-Connected: Youth Subcultures, Resistance and Sociability in the Internet Age. In: GILDART, Keith; GOUGH-YATES, Anna; LINCOLN, Sian; OSGERBY, Bill; ROBINSON, Lucy; STREET, John; WEBB, Peter; WORLEY, Matthew (ed.). Hebdige and Subculture in the Twenty-First Century. London: Palgrave Macmillan, 2020a. p. 207-230.

GUERRA, Paula. Women, migrations and rock without borders. Mémoire(s), identité(s), marginalité(s) dans le monde occidental contemporain, n. 21, 2020b.

GUERRA, Paula; BRANDÃO, Marcílio Dantas; SARROUY, Alix Didier. Antoine Hennion: música, mediação e amadores. Estudos de Sociologia, v. 2, n. 25, p. 29-49, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/243762/34002.

HAN, Benjamin. Korean Wave| K-pop in Latin America: transcultural fandom and digital mediation. International Journal of Communication, v. 11, p. 20, 2017. Disponível em: https://ijoc.org/index.php/ijoc/article/view/6304.

HENNION, Antoine. Pragmática do gosto. Desigualdade & Diversidade: Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, v. 8, p. 253-277, 2011.

LAURA. Entrevista concedida a Gabriel Barth da Silva em 04 jan. 2021. 24 anos.

MADRID-MORALES, Dani; LOVRIC, Bruno. “Transatlantic connection”: K-pop and K-drama fandom in Spain and Latin America. The Journal of Fandom Studies, v. 3, n. 1, p. 23-41, 2015.

MALIK, Zunera; HAIDAR, Sham. Online community development through social interaction—K-Pop stan twitter as a community of practice. Interactive Learning Environments, p. 1-19, 2020.

MESSERLIN, Patrick A.; SHIN, Wonky. The K-pop Success: How Big and Why So Fast. Asian Journal of Social Sciences, v. 45, n. 4-5, p. 409-439, 2017.

REGATIERI, Ricardo Pagliuso. Development and Dream: On the Dynamics of K-Pop in Brazil. Development and Society, v. 46, n. 3, p. 505-522, 2017.

REGEV, Motti. Cultural uniqueness and aesthetic cosmopolitanism. European Journal of Social Theory, v. 10, n. 1, p. 123-138, 2007.

REGEV, Motti. Postlude: world culture after cultural globalization. Poetics, v. 75, 2019.

THOMPSON, Paul Richard. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

WILLIAMS, J. Patrick. Negotiating fan identities in K-Pop music culture. Studies in Symbolic Interaction, v. 47, p. 81-96, 2016.

VALQUÍRIA. Entrevista concedida a Gabriel Barth da Silva em 12 dez. 2020. 26 anos.

YIN, Robert K. Case study research and applications: design and methods. [S. l.]: Sage, 2017.

YOON, Kyong. Global imagination of K-pop: Pop music fans’ lived experiences of cultural hybridity. Popular Music and Society, v. 41, n. 4, p. 373-389, 2018.

Downloads

Publicado

2021-06-04

Como Citar

SILVA, G. B. da. Sonhos do Oriente: trajetórias de vida e identidades atravessadas pelo K-Pop em Curitiba. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.20396/muspop.v8i00.15105. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/15105. Acesso em: 2 ago. 2021.