“Abrir as janelas e deixar o Brasil entrar”

o regional e universal nos álbuns Orquestra popular de câmara e Danças, jogos e canções

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v7i..13776

Palavras-chave:

Indústria fonográfica, Música Popular Instrumental Brasileira, World Music, Núcleo Contemporâneo, Gravadoras

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar os álbuns Orquestra popular de câmara (1998) e Danças, jogos e canções (2003), do grupo Orquestra Popular de Câmara, à luz da ligação com a gravadora Núcleo Contemporâneo - cujos fundadores eram os próprios membros do grupo. Sendo assim, a hipótese deste trabalho sugere que a Núcleo Contemporâneo se firmou, em termos administrativos, com estratégias autônomas de produção; já esteticamente, sofreu influência do fenômeno da World Music, demonstrando interesse pelo “Outro” por meio da conciliação entre diferentes culturas. Optou-se pelos métodos qualitativos de pesquisa, considerando a literatura acadêmica sobre temas correlatos, a crítica jornalística sobre os objetos e dados coletados em entrevistas com alguns músicos. Como resultado, procurou-se demonstrar como os fonogramas mencionados inauguraram uma linha estética e um modo de produção autônomo no contexto da indústria fonográfica na segunda metade dos anos 1990 e no começo da década de 2000, mas que ainda guiam a gravadora até a atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Pedrosa de Matos, Universidade de São Paulo

Mestranda em Meios e Processos Audiovisuais, na linha Cultura Audiovisual e Comunicação, pela Universidade de São Paulo. Professora voluntária da Universidade de São Paulo.

Referências

CIRINO, G. Narrativas musicais: performance e experiência na música popular instrumental brasileira. 2005. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

DIAS, M. T. Os donos da voz: Indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2008.

ERLMANN, V. The Aesthetics of the Global Imagination: Reflections on World Music in the 1990s. Public Culture, n. 8, p. 467-487. 1996.

GAROFALO, R. Whose world, what a beat: the transnational music industry, identity and cultural imperialism. Music of world: journal of the International Institute for the Traditional Music (IITM), n. 35, vol 2, 1993, Berlim.

MARCHI, L. de. Indústria Fonográfica Independente Brasileira: Debatendo um Conceito. In: INTERCOM. Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – INTERCOM 2005. (GT Rádio e Mídia Sonora). Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares de Comunicação, 2005.

NETTO, M. O discurso da diversidade = a definição da diferença a partir da world music. 2012. 391 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/280864>. Acesso em 21 jun. 2020.

PIEDADE, A. Brazilian Jazz and the Friction of Musicalities. In: ATKINS, T. (Editor). Jazz Planet. Jackson: University Press of Mississipi, p. 41-58, 2003. Disponível em: <https://www.academia.edu/3674309/Brazilian_Jazz_and_Friction_of_Musicalities_2003_>. Acesso em 3 jul. 2020.

RAHKONEN, C. What is World Music?. In: World Music in Music Libraries. Technical Report n. 24, Canton, 1994.

VICENTE, E. Da vitrola ao iPod: uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda, 2014.

VILELA, I. Canonizações e esquecimentos na música popular brasileira. Revista USP, n. 111, p. 125-134, 16 dez. 2016.

ZAN, J. Música popular brasileira, indústria cultural e identidade. EccoS Revista Científica, n. 1, v. 3, 2001. p. 105-122.

ZIMBRES, P. Q. C. Gismontipascoal: a música instrumental brasileira como releitura pós-moderna do ideal modernista. 2017. 124 p. Dissertação (Mestrado) –Universidade de Brasília, Instituto de Artes, Brasília, DF. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/handle/10482/31314>. Acesso em 1 set. 2020.

Entrevistas realizadas por e-mail

CARDOSO, T. Re: perguntas – parte 1 [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <[e-mail privado]> em 18 jun 2020.

TAUBKIN, B. Re: perguntas - orquestra popular de câmara [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <[e-mail privado]> em 15 jun 2020.

Artigos em jornais e sites

FONSECA, J. A música ecumênica de Benjamim Taubkin. Zero Hora. 2019. Disponível em: Acesso em 12 jun 2020.

KELMAN, J. Orquestra Popular de Camara. All About Jazz. 2004. Disponível em: < https://www.allaboutjazz.com/orquestra-popular-de-camara-orquestra-popular-de-camara-adventure-music-review-by-john-kelman.php>. Acesso 7 jul. 2020.

MEME, F. “Sons de Orquestra” mistura estilos. Folha Acontece. 1997. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/acontece/ac180601.htm>. Acesso em 31 mai. 2020.

MIGUEL, A. C. Ronda dos CDs. G1. 2013. Disponível em: <http://g1.globo.com/musica/antonio-carlos-miguel/platb/tag/benjamim-taubkin/> Acesso em 12 jun. 2020.

NESTROVSKI, A. O que nos leva além das meras paixões. Folha Acontece. 2002. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/acontece/ac1410200201.htm>. Acesso 10 jul. 2020.

SHOEMAKER, B. Moacir Santos – Ouro Negro; Orquestra Popular de Camara - Orquestra Popular de Camara. Adventure Music. [2000?]. Disponível em: < http://www.monicasalmaso.mus.br/new/ZIPS%20IMRENSA/ARQUIVOS/USA%20arqu/DownBeatOPCago04.zip>. Acesso em 7 jul. 2020.

Fonogramas

FREIRE, R. Quando ouvi pela primeira vez a Orquestra Popular de Câmara....In: Encarte de “Orquestra Popular de Câmara”. São Paulo: Núcleo Contemporâneo, 1998. CD.

ORQUESTRA POPULAR DE CÂMARA. Danças, jogos e canções. São Paulo: Núcleo Contemporâneo, 2003. CD.

ORQUESTRA POPULAR DE CÂMARA. Orquestra Popular de Câmara. São Paulo: Núcleo Contemporâneo, 1998. CD.

TAUBKIN, B. Blackbird – tema incidental “A mesma fé”. In: Encarte de “Danças, jogos e canções”. São Paulo: Núcleo Contemporâneo, 2003. CD.

TAUBKIN, B. Correnteza. In: Encarte de “Danças, jogos e canções”. São Paulo: Núcleo Contemporâneo, 2003. CD.

TAUBKIN, B. E eles ainda dançam. In: Encarte de “Danças, jogos e canções”. São Paulo: Núcleo Contemporâneo, 2003. CD.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Como Citar

MATOS, A. P. de. “Abrir as janelas e deixar o Brasil entrar”: o regional e universal nos álbuns Orquestra popular de câmara e Danças, jogos e canções. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e020003, 2020. DOI: 10.20396/muspop.v7i.13776. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13776. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos temáticos