A tradição e o contemporâneo nas vozes de Clementina de Jesus e Sandra de Sá

duas décadas de Música Preta Brasileira

Autores

  • Marilda de Santana Silva Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v7i..13696

Palavras-chave:

Clementina de Jesus, Sandra de Sá, Música Preta Brasileira, Intérpretes negras

Resumo

O presente artigo tem por base a representação da voz feminina negra nos seus aspectos estéticos, históricos, identitários e interseccionais. A voz, por ser um instrumento de comunicação e perpetuação de tradições e conhecimento, possui fundamental importância para a continuidade e a permanência das culturas de uma sociedade. Utilizando o binômio tradição e contemporâneo, ilustro duas vozes negras da Música Preta Brasileira (MPB), a partideira Clementina de Jesus e a soul woman Sandra de Sá. Em Clementina a ancestralidade pode ser entendida como uma categoria de relação, ligação, inclusão, diversidade, unidade e encantamento (OLIVEIRA, 2007), que atualiza a tradição a partir de sua experiência, sua sabedoria de vida, sua ética e sua sensibilidade partilhada; é a permanência do passado no presente, a resistência do que o capital quer soterrar, o que está vivo no presente (SILVA, 2016). Sandra de Sá, herdeira da black music do início dos anos 1970, dos bailes funk na periferia do Rio de Janeiro, se torna um fenômeno de vendas em meados dos anos 1980. Seu canto negro deixa explícito seus lastros periféricos. As duas cantoras foram chanceladas por produtores homens, brancos, que sufocaram por vezes suas vozes singulares, únicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilda de Santana Silva, Universidade Federal da Bahia

Pós-Doutora pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas. Professora Permanente da Universidade Federal da Bahia. 

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento; Justificando, 2018.

ANTUNES, Gabriela Borges. Desenquadrando o samba: análise da trajetória de Clementina de Jesus. Tese (Doutorado) – Programa de Pós graduação em sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2019

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para mulheres escritoras do terceiro mundo. Revista Estudos feministas, Florianópolis, ano 8, jan./abr. 2000.

BIOGRAFIA Sandra de Sá. SOM13. Disponível em: https://som13.com.br/sandra-de-sa/biografia. Acesso em: 6 abr. 2020.

CAMARANO, Ana Amélia. Mulher idosa: suporte familiar ou agente de mudança? Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, set./dez. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid =S0103401420030003 00004. Acesso em: 14 abr. 2020.

CASTRO, Felipe; MARQUESINI, Janaína; COSTA, Luana; MUNHOZ, Raquel. Quelé, a voz da cor. Biografia de Clementina de Jesus. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CAVARERO, Adriana. Vozes plurais: filosofia da expressão vocal. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

CLEMENTINA de Jesus. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa12496/clementina-de-jesus. Acesso em: 7 abr. 2020. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. Routledge, 2002.

CRENSHAW, Kimberle. Porque e que a interseccionalidade não pode esperar. Disponível em: https://apidentidade.wordpress.com/2015/09/27/porque-e-que-a-interseccionalidade-nao-pode-esperar-kimberle-crenshaw/. Acesso em: 25 jul. 2020.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DINIZ, J. C. V. Sentimental demais: a voz como rasura. In: DUARTE, Paulo Sergio;

NAVES, Santuza Cambraia (org.). Do samba-canção à tropicália. Rio de Janeiro: Relume Dumará / FAPERJ, 2003, v. 1, p. 99-110.

FEITOSA, Beto. Os primeiros anos de Sandra de Sá. Disponível em: https://ziriguidum.com/os-primeiros-anos-de-sandra-de-sa/. Acesso em: 14 abr. 2020.

FEIXA, Carles; LECARDI Carmen. O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Revista Sociedade e Estado, v. 25, n.2, maio/ago. 2010.

FERNANDES, D.C. A rainha Quelé: raízes do empretecimento do samba. História: Questões & Debates, Curitiba: Editora UFPR, v. 63, n.2, p. 131-160, jul./dez. 2015.

FERREIRA, Mauro. Cantadas: a sedução da voz feminina em 25 anos de jornalismo musical. Rio de Janeiro: OrganoGrama livros, 2013.

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

HOOKS, Bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019.

HOOKS, Bell. Revista Gazeta de Cuba – Unión de escritores y Artista de Cuba, janeiro-fevereiro de 2005. Tradução do espanhol: Lia Maria dos Santos. blog coletivomarias.blogspot.com/.../alisando-o-nossocabelo, 2005.

HUBNER, Fred. O canto dos escravos– Clementina de Jesus, Tia Doca e Geraldo Filme. 5 nov. 2013. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=gil3Mw32OnU&t=209s. Acesso em: 14 abr. 2020.

JESUS, Clementina de. Clementina cadê você. LP. ODEON – MIS 013/070, 1970. IMMUB. Disponível em: https://immub.org/album/clementina-cade-voce. Acesso em:20 abr. 2020.

JESUS, Clementina de. Clementina de Jesus. LP. ODEON – MOFB 3463, jul. 1966. IMMUB. Disponível em: https://immub.org/album/clementina-de-jesus. Acesso em:20 maio 2020.

JESUS, Clementina de. Marinheiro só. LP. ODEON – SMOFB 3787, jul. 1973. DISCOGS. Disponível em: https://www.discogs.com/pt_BR/Clementina-De-Jesus-Marinheiro-S%C3%B3/release/2856957. Acesso em:10 abr. 2020.

JESUS, Clementina de; DOCA; FILME, Geraldo. O canto dos escravos. LP. Eldorado – 64.82.0347, 1982. IMMUB. Disponível em: https://immub.org/album/o-canto-dos-escravos-clementina-de-jesus-doca-e-geraldo-filme. Acesso em:10 abr. 2020.

JESUS, Clementina de; PIXINGUINHA; BAIANA, João. Gente da Antiga. LP. ODEON – MOFB 3527, abr. 1968. IMMUB. Disponível em: https://immub.org/album/gente-da-antiga-pixinguinha-clementina-de-jesus-e-joao-da-baiana. Acesso em:20 abr. 2020.

KILOMBA, Grada. Entrevista concedida a Sueli Rolnik para a revista Episódios do sul- Revista Goethe Institut. Disponível em: http://www.goethe.de/ins/br/lp/prj/eps/sob/pt16199210.htm.Acesso em: 24 abr. 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LEITE, Letieres. Disponível em: http://www.elcabong.com.br/entrevista-letieres-leite-toda-musica-brasileira-e-afrobrasileira/. Acesso em: 20 maio2020.

MOISES, Raika Julie; AMORIN, Taís. As negras mulheres do samba. Observatório de favelas. Disponível em: https://of.org.br/noticias-analises/as-negras-mulheres-do-samba/. Acesso em: 20 abr. 2020.

MPB – Música Preta Brasileira. Rap77, 25 de set. de 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HsD5hVPR8Hs. Acesso em: 17 abr. 2020.

MÚSICA Popular Brasileira. Sandra de Sá e Zé Ricardo. TV Brasil, Musicograma. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=AixA3ENik4M. Acesso em: 20 abr. 2020.

NAVES, Santuza Cambraia. Canção popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

PINA, Rute. Patrícia Collins: “Os EUA têm instituições democráticas, mas não têm uma democracia”. GELEDÉS, 16 out. 2019. Disponível em: https://ceert.org.br/noticias/politica-no-mundo/25875/patricia-collins-os-eua-tem-instituicoes-democraticas-mas-nao-tem-uma-democracia, consulta em 16 out. 2020.

RARA, Preta. Eu, empregada doméstica. Rio de Janeiro: Ed. Letramento, 2017

RIBEIRO, Juliana. Clementina cadê você? A construção de espaços de pertença na escuta de clementina de jesus. In: SANTANNA, Marilda. As bambas do samba: mulher e poder na roda. 2.ed. Salvador: EDUFBA, 2019.

SABADELHE, Zé Otávio; LIMA, Luiz Felipe. 1976, Movimento Black Rio 40 anos. TV da rua, 16 nov. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QktMezcTJoI. Acesso em: 20 abr. 2020.

SANDRA de Sá. Disponível em: www.sandradesa.com.br. Acesso em: 12 abr. 2020.

SANDRONI, Carlos. Adeus à MPB. In. CAVALCANTE, Berenice; STARLING, Heloísa Maria Murgel; EISENBERG, José (org.). Decantando a República, v.1 Inventário histórico e político da canção popular moderna brasileira. Rio de Janeiro: Nova fronteira; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTANNA, Marilda. (org.). As bambas do samba: mulher e poder na roda. 2.ed. Salvador: EDUFBA, 2019.

SILVA, Carlos Alberto Silva da. Clementina de Jesus: um corpo cultural, ancestral e da Indústria Cultural. Tese (Doutorado em Ciências da Linguagem) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, SC, 2016.

SOM DE PESO. Maria Fumaça: o clássico de estreia da BANDA BLACK RIO / ALBUM REVIEW. 16 jun. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ey6KwtKr14A. Acesso em: 20 abr. 2020.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

VALENTE, Heloísa de Araújo Duarte. As vozes da canção na mídia. São Paulo: Via Letera: FAPESB, 2003.

ZAN, J. R. Funk, soul e jazz na terra do samba: a sonoridade da Banda Black Rio. Artcultura, v. 7, n. 11, 2005.

Vídeos

Rainha Quelé, Clementina de Jesus. Direção Werinton Kermes. Gravação independente, 2011. Documentário. 56 minutos.

VoxPopuli. Convidada Clementina de Jesus. Direção: Paulo Roberto Leandro. TV Cultura. 1979.

Downloads

Publicado

2020-12-16

Como Citar

SILVA, M. de S. A tradição e o contemporâneo nas vozes de Clementina de Jesus e Sandra de Sá: duas décadas de Música Preta Brasileira. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e020004, 2020. DOI: 10.20396/muspop.v7i.13696. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13696. Acesso em: 6 dez. 2021.