Banner Portal
Makalister e a estética da insônia
PDF

Palavras-chave

Rap
Canção popular
Capitalismo tardio
Reificação
Fantasmagoria

Como Citar

PRUSCH, Vinícius de Oliveira. Makalister e a estética da insônia: um estudo do rap no mundo 24/7. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 117–138, 2019. DOI: 10.20396/muspop.v6i2.13164. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13164. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma leitura da estética do rapper brasileiro contemporâneo Makalister Antunes, concentrando-se nos debates acerca das contradições da etapa atual do sistema capitalista. Tem-se como horizonte, assim, as relações entre forma estética e contexto histórico, buscando marcas que possibilitem perceber nas canções a decantação de processos sociais dialeticamente constituídos. Como pressuposto, será trabalhada a noção de “estética da insônia”, pensada como certa disposição presente no gesto cancional de Makalister relacionada à supressão dos espaços subjetivos e não administrados pela lógica da forma-mercadoria na contemporaneidade. Espera-se, enfim, com base nesse movimento analítico — de cunho materialista e apoiado, ainda, nos modelos de Tatit (2002) e Tagg (2003) —, ser possível lançar luz sobre questões que, apesar de bastante profícuas, são ainda pouco discutidas no contexto da canção popular.

https://doi.org/10.20396/muspop.v6i2.13164
PDF

Referências

AUGÉ, Marc. Dos lugares aos não-lugares. In: ______. Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. São Paulo: Papirus, 1994, p. 71-105.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da história. In: ______. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987, p. 222-232.

______. Passagens. 2ª reimpressão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CEVASCO, Maria Elisa; COSTA, Iná Camargo. Para a crítica do jogo aleatório dos significantes. In: JAMESON, Fredric. Pós-Modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2000, p. 5-11.

CRARY, Jonathan. 24/7 – Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Ubu Editora, 2016.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DUNKER, Christian. Subjetividade em tempos de pós-verdade. In: DUNKER, Christian et al. Ética e pós-verdade. Porto Alegre: Dublinense, 2017, p. 10-41.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo Horizonte: Edições Viva Voz, 2010.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008. HUTCHEON, Linda. Começando a teorizar a adaptação: O quê? Quem? Por quê? Onde? Quando? In: ______. Uma teoria da adaptação. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013, p. 21-59.

JAMESON, Fredric. Pós-Modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2000.

LUKÁCS, Georg. A reificação e a consciência do proletariado. In: ______. História e Consciência de Classe: Estudos sobre a dialética marxista. 1a ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003, 193-411.

TAGG, Philip. Analisando a música popular: teoria, método e prática. Em Pauta, v. 14, n. 23, p. 5-40, dez. de 2003. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmPauta/article/view/9404. Acesso em: 15 fev. 2019.

TATIT, Luiz. O Cancionista: composição de canções no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

WAIZBORT, Leopoldo. Erich Auerbach e a condição humana. In: ALMEIDA, Jorge de; BADER, Wolfgang. Pensamento alemão no século XX. Vol. II. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.