Lobão e Caetano Veloso

desdobramentos da dialética nacional-estrangeiro

Autores

  • Ana Carolina Serpa Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Dmitri Cerboncini Fernandes Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v5i2.13137

Palavras-chave:

MPB, Rock, Sociologia da música, Sociologia dos intelectuais

Resumo

Por meio da análise comparativa das trajetórias e tomadas de posição de dois artistas que ocupam espaços distintos no campo da música popular, buscamos compreender o modo tenso pelo qual os estilos a que eles se vinculam se desenvolveram ora em consonância, ora em dissonância, mas sempre se pautando por uma dialética de elementos nacional e estrangeiro na música popular. Os roqueiros brasileiros dos anos 1980, de acordo com os valores vigentes no campo, buscaram agregar elementos de brasilidade aos seus trabalhos, visando conferir legitimidade às suas produções. Em contrapartida, nas esferas predominantemente comerciais, vislumbramos que os mpbistas não lograram exercer a mesma influência, demonstrando que os estilos rock e MPB continuavam a se desenvolver em polos distintos do campo. Para tanto, são mobilizados materiais variados, como entrevistas, canções e conteúdos jornalísticos e biográficos, que enlacem as trajetórias do roqueiro Lobão e do mpbista Caetano Veloso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Serpa, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora.

Dmitri Cerboncini Fernandes, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo. Professor Adjunto IV do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Juiz de Fora. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

ABIRACHED, Milton. O show do homem-múmia. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 1. 29 ago. 1988.

ABIRACHED, Milton. O rock rola entre a vida e a morte. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 3, 12 jan. 1989.

AGUIAR, Aurora. O Rio é o túmulo do rock. Quem Acontece. 28 jul. 2008. Disponível em: http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,ERT9112-8219,00.html. Acesso em: 04 dez. 2014.

ALEXANDRE, Ricardo. Dias de luta: o rock e o Brasil dos anos 80. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2013.

ALMEIDA, Carlos Helí de. Lobão muda de rótulos em novo CD. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 4, 26 out. 1995.

ARAÚJO, Lucina. Só as mães são felizes (depoimento a Regina Echeverria). São Paulo: Globo, 1997.

AUTRAN, Margarida. Fama e cama. O Globo, Matutina, Cultura, p. 34, 19 ago. 1975.

BAHIANA, Ana Maria. O rock brasileiro nos embalos da Mãe África. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 1, 08 abr. 1986.

BAN, Ana. Nostalgia em pele de Lobão. Folha de S. Paulo, Revista da Folha, p. 20-21. 05 nov. 1995. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/11/05/revista_da_folha/11.html. Acesso em: 28 fev. 2018.

BARBOSA, Airton Lima. Que caminho seguir na música popular brasileira? Revista Civilização Brasileira, ano I, n. 7, p. 375-385, mai. 1966.

BARBOSA, Marco Antonio. Caetano Veloso faz bonito na festa do Oscar. ChiqueMusic. 23 mar. 2003. Disponível em: http://cliquemusic.uol.com.br/materias/ver/caetano-veloso-faz-bonito-na-festado-oscar. Acesso em: 13 mar. 2018.

BARTOLOMEI, Marcelo. Lobão critica Caetano com “declaração de amor” em música. Folha de S. Paulo, Ilustrada, p. 4, 27 jun. 2001.

BIZZ. Cazuza x Lobão, ed. nº 2, p. 32-33, set. 1985. Disponível em: http://pararecordarnovelasefamosos.blogspot.com.br/2011/10/cazuza-e-lobao-oque-e-rock.html. Acesso em: 06 jun. 2015. BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Lisboa: Editorial Presença, 1996.

______. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996.

______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1989.

______. A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. São Paulo: Zouk, 2004.

______. Meditações pascalianas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. Tradução: José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

CAMPOS, Augusto de (Org.). Balanço da Bossa e outras bossas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CASTRO, Fernando de. Lobão: aquele que não livra a cara de ninguém. Pasquim, 20ª semana de 2004. Disponível em: https://www.vegetarianismo.com.br/lobaoaquele-que-nao-livra-a-cara-de-ninguem. Acesso em: 28 nov. 2014.

DAPIEVE, Arthur. BRock: o rock brasileiro dos anos 80. 4. ed. São Paulo: Ed. 34, 2015.

DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

DRUMMOND, Carlos Eduardo; NOLASCO, Marcio. Caetano: uma biografia – A vida de Caetano Veloso, o mais Doce Bárbaro dos trópicos. São Paulo: Seoman, 2017.

DUMAR, Deborah. Quem vende mesmo. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 12, 29 mai. 1988.

FERNANDES, Dmitri Cerboncini. Sentinelas da tradição: a constituição da “autenticidade” no samba e no choro. São Paulo, EDUSP, 2018.

FERREIRA, Mauro. A crise do Brock. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 1, 17 fev. 1996.

______. O solitário mostra as garras. O Globo, Matutina, Rio Show, p. 28, 21 jan. 1994.

FERREIRA, Sonia Nolasco. Paralamas e Lobão, rock bem brasileiro para americano ouvir. O Globo, Matutina, Cultura, p. 25, 01 out. 1983.

FRANÇA, Jamari. Os nossos ídolos do “rock”. Jornal do Brasil, Caderno B, p. 8, 07 dez. 1984.

______. Um primo-irmão do anarquismo. Jornal do Brasil, Caderno B, p. 6-7, 30 mar. 1986.

FRIEDLANDER, Paul. Rock and roll: uma história social (Tradução de A. Costa). 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2013.

GIL, Marisa Adán. Lobão quer exibir sua “promiscuidade”. Folha de S. Paulo, Acontece, p. 1, 1 ago. 1996.

GONÇALVES, Marcos Augusto. Lobão, contra a “mediocridade imitativa”. Folha de S. Paulo, Ilustrada, p. 7, 25 mar. 1986.

JAIME, Leo. Quem matou “all that rock, man”?. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 3, 12 jan. 1989.

JORNAL DO BRASIL. O que pensam esses jovens roqueiros brasileiros. Caderno B, p. 7. 29 jul. 1984.

LOBÃO. Manifesto do nada na Terra do Nunca. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

______. Em busca do rigor e da misericórdia: reflexões de um ermitão urbano. Rio de Janeiro: Record, 2015.

LOBÃO; TOGNOLLI, Cláudio. Lobão: cinquenta anos a mil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

LUNA, Fernando; MARSIGLIA, Ivan. Um tapinha não dói. Revista Trip, v. 14, n. 91, p. 8-20, jul. 2001.

MAFRA, Antonio. Brasileiros acham que foram discriminados. O Globo, Matutina, Cultura, p. 6, 20 jan. 1985.

MAGI, Érica Ribeiro. Metrópoles em cenas: o rock em São Paulo e no Rio de Janeiro nos anos 1980. Tese de Doutorado em Sociologia. São Paulo: FFLCH-USP, 2016.

MÁXIMO, João. Rock que reinventa o mesmo. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 2, 16 out. 2007.

MELLO, Patrícia Campos. Lobão tem razão?. Folha de S. Paulo, Poder, p. 18. 14 dez. 2014.

MICELI Carmine. MPB: à procura do seu espaço nas rádios. O Globo, Matutina, Jornais de Bairro, p. 19, 11 dez. 1987.

MIGUEL, Antônio Carlos. A geração perdida do rock. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 1, 15 mai. 1993.

MIGUEL, Antonio Carlos; LEÃO, Tom. Retrato de geração. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 1, 20 out. 1996.

MOTTA, Nelson. Aparição, martírio e glória de Caetano Veloso. O Globo, Matutina, p. 7, 03 ago. 1975.

______. O rock não morreu. Apenas agoniza. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 1, 11 jan. 1989.

NAPOLITANO, Marcos. A música popular brasileira (MPB) dos anos 70: resistência política e consumo cultural, Anais do IV Congresso de la Rama latinoamericana del IASPM, Cidade do México, abr. 2002.

______. Esquerdas, política e cultura no Brasil (1950-1970): um balanço historiográfico, Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 58, p. 35-50, jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i58p35-50

NATALI, João Batista. Indústria do disco encolhe 44% em dois anos. Folha de S. Paulo, Ilustrada, p. 3, 24 dez. 1991.

O GLOBO. A festa é aqui. Matutina, Segundo Caderno, p. 3, 11 jan. 1985.

O GLOBO. Lobão lança disco no Metropolitan. Matutina, Segundo Caderno, p. 7, 23 jan. 1996.

PAIANO, Enor. Berimbau e o som universal: lutas culturais e indústria fonográfica nos anos 60. Dissertação de mestrado em Comunicação. São Paulo: ECA-USP, 1994.

PAIVA, Anabela. Lobão arma novo bote. Jornal do Brasil. Caderno B, p. 1, 9 jan. 1998.

PINTO, Marcelo Garson Braule. Jovem Guarda: a construção social da juventude na indústria cultural. Tese de Doutorado em Sociologia. São Paulo: FFLCH–USP, 2015.

PINTO, Marcus Barros. É grave a crise. O Globo, Matutina, Segundo Caderno, p. 12, 8 nov. 1987.

Downloads

Publicado

2018-08-26

Como Citar

SERPA, A. C.; FERNANDES, D. C. Lobão e Caetano Veloso: desdobramentos da dialética nacional-estrangeiro. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 88–115, 2018. DOI: 10.20396/muspop.v5i2.13137. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13137. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê