Banner Portal
Uma reflexão a partir do rap “Vida Loka II”, do Racionais MC’s
PDF

Palavras-chave

Rap
Vida loka
Jovem
Criminalidade
Periferia

Como Citar

MARTINS, Raquel Mendonça. Uma reflexão a partir do rap “Vida Loka II”, do Racionais MC’s: valorização do jovem negro pelos signos de poder econômico. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 151–175, 2014. DOI: 10.20396/muspop.v2i2.12943. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12943. Acesso em: 22 jul. 2024.

Resumo

Este artigo pretende desenvolver uma discussão teórica a partir do rap “Vida Loka parte II”, do grupo Racionais MC’s, que faz parte do álbum duplo Nada como um dia após o outro dia, lançado em 2002. A argumentação contemplará aspectos estético-musicais e de contestação, imanentes a este rap, que o diferenciam, em certa medida, dos padrões impostos pela indústria cultural, tal qual analisados por Theodor W. Adorno, apesar de possuir traços de mercadoria musical.  A reflexão teórica proposta neste artigo partirá dos elementos que compõem o rap “Vida Loka parte II”, que são o vídeo-clipe, a letra e a base musical. Pretende-se identificar tanto em sua base instrumental, quanto no conteúdo da letra, características que possuem relevância estética e potencial crítico, além de analisar como sua sonoridade se funde à temática abordada. O conteúdo da narrativa apresentada pelo rap “Vida Loka parte II” expõe o problema da entrada do jovem negro e pobre para a vida do crime, tendo como principal motivação o fetichismo dos artigos de alto valor. O artigo se propõe a analisar como o fenômeno da valorização da auto-estima, pela via do consumo, foi traduzido musicalmente pelos Racionais MC´s, a partir dos componentes estéticos que configuram o objeto artístico em questão.

https://doi.org/10.20396/muspop.v2i2.12943
PDF

Referências

ADORNO, Theodor W. O fetichismo na música e a regressão da audição. In: Textos escolhidos, Ed. Abril Cultural, 1980, pp.165-191.

AMARAL, Mônica G. T. do. O rap, o hip-hop e o funk: a “eróptica” da arte juvenil invade a cena das escolas públicas nas metrópoles brasileiras. In: Psicologia USP. – São Paulo, 2011, 22(3). pp. 593-620.

BÉTHUNE, Christian. Le Rap: une esthétique hors de la loi . Paris: Autrement, 2003.

BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

COTIDIANO. Folha de São Paulo. São Paulo, Sexta-feira, 2 de novembro de 2012, C4.

COTIDIANO. Folha de São Paulo. São Paulo, Sexta-feira, 23 de novembro de 2012, C1.

COTIDIANO. Folha de São Paulo. São Paulo, sexta-feira, 30 de novembro de 2012, C5.

DUARTE, Rodrigo. Sobre o Constructo estético-social. In: Sofia – vol. XI – nº 17 e 18 – 2007. pp. 239 – 263.

GARCIA, Walter. Diário de um detento: uma interpretação. In: NESTROVSKI, Arthur (Org.) Lendo música – 10 ensaios sobre 10 canções. São Paulo; Publifolha, 2007. pp. 179-216.

KEHL, Maria Rita. A fratria órfã – o esforço civilizatório do rap na periferia de São Paulo. In: Maria Rita Kehl (Org.) Função fraterna. – Rio de janeiro: Relume Dumará, 2000. pp. 209 – 244.

LACERDA, Oswaldo. Compêndio de teoria elementar da música. 11. edição. – São Paulo: Ricordi Brasileira.

MAIEROVITCH, Wálter Fanganiello. Alckmin perde para o PCC. Carta Capital, ano XVIII, nº 723,14 de novembro de 2012, p. 35.

MARTINS, Rodrigo. O crime não descansa. Carta Capital, ano XVIII, n. 723, 14 de novembro de 2012, p. 32-33.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. Editora Perspectiva. 2000.

SOARES, Luiz Eduardo; BILL, Mv; ATHAYDE, Celso. Cabeça de porco. 2005. Editora Objetiva.

SOUZA, Jessé. As metamorfoses do malandro. In: CAVALCANTE, B.; STARLING, H., M., M.; EISENBERG, J. (Orgs.). Decantando a República, v. 3: inventário histórico e politico da canção moderna brasileira. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira: São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SOUZA; SILVA. SOUZA, Maria Cecília C. C. de; SILVA, Paula Nascimento da. 2011. Juventude, consumismo e preconceito. In: AMARAL, Mônica G. T. do. II. SOUZA, Maria Cecília C. C. de (Orgs). Educação pública nas metrópoles brasileiras: impasses e novos desenlaces. – Jundiaí, SP: Paco Editorial; São Paulo: Edusp, 2011.

TONI C; MANDRAKE. Mano Brown: Mil faces de um homem leal. Revista Rap nacional. Outubro-novembro de 2012, n. 6, p. 38-61.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. – São Paulo: Companhia das letras, 1989.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.