Banner Portal
“Beatriz” ou O lirismo de arranha-céu
PDF

Palavras-chave

Beatriz
Chico Buarque
Grande circo místico
Divina comédia
Contemplação
Melancolia

Como Citar

LONGMAN, Gabriela Strozenberg. “Beatriz” ou O lirismo de arranha-céu. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 67–81, 2014. DOI: 10.20396/muspop.v2i2.12940. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12940. Acesso em: 15 jul. 2024.

Resumo

Sobre melodia de Edu Lobo, Chico Buarque escreveu “Beatriz” em 1982, como parte do balé O grande circo místico. O presente ensaio propõe uma análise quase que verso a verso para a letra da canção, buscando mapear as referências – literárias, arquitetônicas, políticas, geográficas – presentes e propondo uma interpretação geral baseada nos conceitos de contemplação, ascensão celestial e melancolia. Embora a Divina Comédia, de Dante, seja o principal universo referencial evocado, diversos outros textos e contextos se conjugam para descrever a figura feminina da “bela atriz”, numa sucessão de indagações e suposições sobre sua figura. Pensando em separado sobre cada uma das imagens evocadas, partimos, num segundo momento, para uma análise sobre os grandes fios que perpassam e costuram a composição.

https://doi.org/10.20396/muspop.v2i2.12940
PDF

Referências

ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia. São Paulo: Editora 34, 1998.

BEREZOVSKY, M. CAMARGO, P. F. C. Comunicação de Massa: a Mulher e o Sonho. In: A ambiguidade de uma ideologia – Instituições e Reprodução Humana no Brasil – Cadernos Cebrap, n. 29, 1978, p. 45-58.

BUARQUE, Chico; LOBO, Edu. Beatriz, 1982. Disponível em: http://www.chicobuarque.com.br/construcao/mestre.asp?pg=beatriz_82.htmAcesso em 11 jun. 2014.

______. O Grande Circo Místico, Dubas Música, 2004, CD.

BUARQUE, Chico. A busca solitária e silenciosa de quem conta e reconta a vida em textos e canções. Entrevista a revista Nossa América, 1989. Disponível em www.chicobuarque.com.br/texto/mestre.asp?pg=entrevistas/entre_1989.htm

Acesso em 11. jun. 2014.

LACAN, Jacques. Le Séminaire, Livre X, L'Angoisse: Paris: Seuil: June 9, 2004.

LIMA, Jorge de. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.

LLOYD, G.E.R. Aristotle: The Growth and Structure of his Thought. Cambridge: Cambridge Univ. Pr., 1968.

MÁXIMO, João. Edu Lobo: o grave e o agudo, música e letra em Beatriz in O Globo, 24.abr. 2011. Disponível em:

www.vermelho.org.br/tvvermelho/noticia.php?id_secao=11&id_noticia=152568 Acesso em 11. jun. 2014.

RIBEIRO, Renato Janine. A utopia lírica de Chico Buarque de Hollanda. In: Heloisa Starling; Berenice Cavalcante; José Eisenberg. (Org.). Outras conversas sobre os jeitos da canção. 1ª ed. Rio de Janeiro e São Paulo: Nova Fronteira/ Editora Fundação Perseu Abramo, 2004, v. 1, p. 149-168.

ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 2004.

SECCHIN, Antonio Carlos. 2004: “As Vitrines: A poesia no chão” in FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque do Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p.179-183

SEVERIANO, Jairo. DE MELLO, Zuza Homem. A canção no tempo - 85 anos de músicas brasileiras - Vol.2: 1958-1985. São Paulo: Editora 34, 1998.

SOUZA, Naum Alves de. In: BUARQUE, Chico e LOBO, Edu. O Grande Circo Místico. Dubas Música, 2004. CD, texto no encarte s/p.

STAROBINSKI, Jean. Portrait de l’artiste en saltimbanque. Paris: Éditions Gallimard, 2004.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.