“Beatriz” ou O lirismo de arranha-céu

Autores

  • Gabriela Strozenberg Longman École des Hautes Études en Sciences Sociales

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v2i2.12940

Palavras-chave:

Beatriz, Chico Buarque, Grande circo místico, Divina comédia, Contemplação, Melancolia

Resumo

Sobre melodia de Edu Lobo, Chico Buarque escreveu “Beatriz” em 1982, como parte do balé O grande circo místico. O presente ensaio propõe uma análise quase que verso a verso para a letra da canção, buscando mapear as referências – literárias, arquitetônicas, políticas, geográficas – presentes e propondo uma interpretação geral baseada nos conceitos de contemplação, ascensão celestial e melancolia. Embora a Divina Comédia, de Dante, seja o principal universo referencial evocado, diversos outros textos e contextos se conjugam para descrever a figura feminina da “bela atriz”, numa sucessão de indagações e suposições sobre sua figura. Pensando em separado sobre cada uma das imagens evocadas, partimos, num segundo momento, para uma análise sobre os grandes fios que perpassam e costuram a composição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Strozenberg Longman, École des Hautes Études en Sciences Sociales

Mestrado em Théories et Pratiques du Langage et des Arts pela Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales.

Referências

ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia. São Paulo: Editora 34, 1998.

BEREZOVSKY, M. CAMARGO, P. F. C. Comunicação de Massa: a Mulher e o Sonho. In: A ambiguidade de uma ideologia – Instituições e Reprodução Humana no Brasil – Cadernos Cebrap, n. 29, 1978, p. 45-58.

BUARQUE, Chico; LOBO, Edu. Beatriz, 1982. Disponível em: http://www.chicobuarque.com.br/construcao/mestre.asp?pg=beatriz_82.htmAcesso em 11 jun. 2014.

______. O Grande Circo Místico, Dubas Música, 2004, CD.

BUARQUE, Chico. A busca solitária e silenciosa de quem conta e reconta a vida em textos e canções. Entrevista a revista Nossa América, 1989. Disponível em www.chicobuarque.com.br/texto/mestre.asp?pg=entrevistas/entre_1989.htm

Acesso em 11. jun. 2014.

LACAN, Jacques. Le Séminaire, Livre X, L'Angoisse: Paris: Seuil: June 9, 2004.

LIMA, Jorge de. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.

LLOYD, G.E.R. Aristotle: The Growth and Structure of his Thought. Cambridge: Cambridge Univ. Pr., 1968.

MÁXIMO, João. Edu Lobo: o grave e o agudo, música e letra em Beatriz in O Globo, 24.abr. 2011. Disponível em:

www.vermelho.org.br/tvvermelho/noticia.php?id_secao=11&id_noticia=152568 Acesso em 11. jun. 2014.

RIBEIRO, Renato Janine. A utopia lírica de Chico Buarque de Hollanda. In: Heloisa Starling; Berenice Cavalcante; José Eisenberg. (Org.). Outras conversas sobre os jeitos da canção. 1ª ed. Rio de Janeiro e São Paulo: Nova Fronteira/ Editora Fundação Perseu Abramo, 2004, v. 1, p. 149-168.

ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 2004.

SECCHIN, Antonio Carlos. 2004: “As Vitrines: A poesia no chão” in FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque do Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p.179-183

SEVERIANO, Jairo. DE MELLO, Zuza Homem. A canção no tempo - 85 anos de músicas brasileiras - Vol.2: 1958-1985. São Paulo: Editora 34, 1998.

SOUZA, Naum Alves de. In: BUARQUE, Chico e LOBO, Edu. O Grande Circo Místico. Dubas Música, 2004. CD, texto no encarte s/p.

STAROBINSKI, Jean. Portrait de l’artiste en saltimbanque. Paris: Éditions Gallimard, 2004.

Downloads

Publicado

2014-04-22

Como Citar

LONGMAN, G. S. “Beatriz” ou O lirismo de arranha-céu. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 67–81, 2014. DOI: 10.20396/muspop.v2i2.12940. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12940. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos