Banner Portal
O punk não é só para o seu namorado
PDF

Palavras-chave

Rock
Identidades
Luta política
Feminismo
Esfera pública alternativa

Como Citar

CASADEI, Eliza Bachega. O punk não é só para o seu namorado: esfera pública alternativa, processos de identificação e testemunho na cena musical Riot Grrrl. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 1, n. 2, p. 197–214, 2013. DOI: 10.20396/muspop.v1i2.12889. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12889. Acesso em: 14 jul. 2024.

Resumo

O movimento Riot Grrrl surgiu em meados dos anos 90 e é constituído por garotas que usam o rock como instrumento da luta política feminista. Além de utilizar a música como elemento identitário e político central, esse movimento também é caracterizado pela constituição de uma esfera pública alternativa (formada por fanzines, blogs e e-zines) que funciona tanto como um modo de divulgar as suas músicas quanto como disparadores de mecanismos de identificação em relação às suas causas políticas. O objetivo do presente trabalho é estudar os instrumentos que estas bandas feministas – que se afastam dos movimentos políticos feministas tradicionais – utilizam para criar identificação com o seu público, principalmente a partir de uma pesquisa empírica dos e-zines publicados por estas bandas e pela ação comunicativa de suas líderes nas redes sociais. É possível notar que, a despeito de outros mecanismos de identificação, é o testemunho que funciona como elo de sociabilização que marca a esfera pública alternativa composta pelas publicações feitas pelas Riot Grrrls. O testemunho funciona como um poderoso agenciador das identidades coletivas, uma vez que está pressuposto no reconhecimento de um mundo em comum, alocando a identidade enquanto ato performativo.

https://doi.org/10.20396/muspop.v1i2.12889
PDF

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAMARGO, Michelle Alcântara. “Manifeste-se, faça um zine!”: uma etnografia sobre “zines de papel” feministas produzidos por minas do rock (São Paulo, 1996-2007). Cadernos Pagu, n. 36, Janeiro-Junho de 2011, p. 155-186.

DERRIDA, Jacques. Fé e Saber: as duas fontes da “religião” nos limites da simples razão. In: DERRIDA, Jacques e VATTIMO, Gianni (dir.). A Religião: seminário de Capri. Lisboa: Relógio D’Água, 1997.

FACCHINI, Regina. “Não faz mal pensar que não se está só”: estilo, produção cultural e feminismo entre as minas do rock em São Paulo. Cadernos Pagu, n. 36, Janeiro-Junho de 2011, p. 117-153.

GIRON, Luís Antônio. Minoridade crítica: a ópera e o teatro nos folhetins da corte. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

HERBST, Susan. Politics at the margin: historical studies of public expression outside the mainstream. New York: Cambridge University Press, 1994.

RICOEUR, Paul. A Memória, a História, o Esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ROSA, Fernando. O rock dos setenta em jornal. Disponível em: http://www.senhorf.com.br/sf3vs/literatura/RSerie/rolstone.htm . Acesso em:. 23 mar. 2013.

SALDANHA, Rafael Machado. Rock em Revista: o jornalismo de rock no Brasil. Monografia apresentada à Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.