Educação popular em pauta

uma história de resistência

Autores

  • Sofia Caroline Moraes Signorelli Universidade Estadual de Campinas
  • Alberto Lopo Montalvão Neto Universidade Estadual de Campinas https://orcid.org/0000-0002-4875-646X
  • Maria Laura Arantes Bessa Ferreira Universidade Estadual de Campinas
  • Yuri Andrews Feitoza da Silva Universidade Federal do Pampa

DOI:

https://doi.org/10.20396/ijoce.v2i00.15191

Palavras-chave:

Educação libertadora, Educação popular, Cursinho popular, Práticas de resistência

Resumo

Historicamente, diversos movimentos sociais buscaram combater as formas de opressão vivenciadas pelas camadas populares da sociedade. No presente trabalho, refletimos sobre a história de um cursinho popular localizado na cidade de Campinas, intitulado Liberte-se!, apresentando-o como uma organização de militância e como uma extensão universitária articulada à luta por uma educação dialógica e crítica, classificando-o, inclusive, como um desses movimentos. Desse modo, fundamentados em pressupostos educacionais que se voltam para uma perspectiva crítico-transformadora, refletimos sobre a educação popular, pensando em desafios e possibilidades a partir de nossa própria história. Por conseguinte, as reflexões nos levam a apontar que o Liberte-se! configura-se como um exemplo de possibilidade de transformação de sujeitos e de realidades sociais que emergem em meio aos recentes movimentos estudantis. Outrossim, essa mistura de sujeitos e de histórias nos indica a necessidade de que sejam consolidadas práticas que possibilitem uma educação democrática e libertadora.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sofia Caroline Moraes Signorelli, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em Engenharia Química pela Universidade Estadual em Campinas.

Alberto Lopo Montalvão Neto, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Educação pela Universidade Estadual de Campinas.

Maria Laura Arantes Bessa Ferreira, Universidade Estadual de Campinas

Graduanda em Sociologia e Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas. Professora de Sociologia do Cursinho Popular Liberte-se.

Yuri Andrews Feitoza da Silva , Universidade Federal do Pampa

Graduado em Educação pela Universidade Federal do Pampa. Pesquisador na área de Educação de Jovens e Adultos e da Educação Popular.

Referências

BRANDÃO, C. R. (1986). O que é educação popular. São Paulo: Brasiliense.

FOUCAULT, M. (1987). Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. (Lígia Vassalo, Trad.) Petrópolis: Vozes.

FOUCAULT, M. (1979). Microfísica do poder. (Roberto Machado, Trad.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

FOUCAULT, M. (1978). História da loucura na idade clássica. (José Teixeira, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

FREIRE, P. (1987). Pedagogia do oprimido. (17a ed.) Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P.; NOGUEIRA, A. S. (1989). Que fazer: Teoria e Prática em educação popular. (4a ed.) Petrópolis: Vozes.

GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

PIZETTA, A. M. J. (2007). A construção da Escola Nacional Florestan Fernandes: um processo de formação efetivo e emancipatório. Libertas, 7(1), 24-47.

SANTOS, A. L. C.; WERMUTH, M. A. D. (2016). Michel Foucault e a arquitetura do poder: da sociedade disciplinar e biopolítica. Quaestio Iuris, 9 (1), 405-424.

SURIANO, A. L. C.; RESCHILIAN, P. R. (2012). Urbanização, habitação e segregação socioespacial. Revista Univap, 18 (32), 190-202.

VASCONCELOS, E. M. (2004). Educação popular: de uma prática alternativa a uma estratégia de gestão participativa das políticas de saúde. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, 14(1), 67-83.

Downloads

Publicado

2021-06-27 — Atualizado em 2021-06-27

Versões

Como Citar

Signorelli, S. C. M., Montalvão Neto, A. L. ., Ferreira, M. L. A. B., & Silva , Y. A. F. da. (2021). Educação popular em pauta: uma história de resistência. Revista Internacional De Extensão Da UNICAMP, 2(00), e021010. https://doi.org/10.20396/ijoce.v2i00.15191

Edição

Seção

Práticas em extensão universitária