Clube de Ciências como proposta para emancipação social

  • Maria Amélia Cândida Machado
  • Wender Faleiro Universidade Federal de Goiás (UFG)
Palavras-chave: Clube de Ciências, Educação, Emancipação Social, Ecologia dos Saberes

Resumo

A modernidade proporciona que revisemos a realidade social por meio de posturas que proporcionem um desenvolvimento de aprendizagens valorizando principalmente o que é comprovado cientificamente. Por isso é fundamental a compreensão do papel da educação com uma perspectiva amplificada para formação do sujeito crítico. Partindo da perspectiva da produção de existências, esse trabalho objetiva fazer uma reflexão sobre o Clube de Ciências como uma ferramenta que possibilite um despertar para emancipação social por meio das ecologias. Como a ciência se estrutura na sua universalidade em um saber único, logo o que é local se despreza e se marginaliza, sendo descartado por ser considerado sem utilidade e desprovido de veracidade. Entretanto, a ciência hegemônica esconde que os conhecimentos populares possuem sua universalidade local. Sendo assim, apostar em uma educação pautada na emancipação requer reconhecer e valorizar os conhecimentos locais, desenvolvendo a criticidade do que se encontra próximo do indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Amélia Cândida Machado

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Educação. UFG. Catalão. Membro do GEEPEC, UFG/RC.

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. 3. ed. Lisboa: Editorial Presença/Martins Fontes, 1980.

AMORIM, Nádia Ribeiro; LEITE, Sidnei Quezada Meireles; TERRA, Vilma Reis; SOUZA, Maria Alice Veiga Ferreira. Cineclube na Escola: uma proposta sociocultural interdisciplinar para a promoção da alfabetização científica. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, v. 2, n. 02, p. 111-121, 2012.

BASTOS, Roberta Freire; GONÇALVEZ, Thalita Matias. Contribuições de Boaventura de Sousa Santos para a educação brasileira. Pró -Discente: Caderno de Prod. Acad.-Cient. Prog. Pós-Grad. Educ., Vitória-ES, v. 21, n. 2, p. 26-38, jul./dez. 2015.

BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN, Sari K. Investigação qualitativa em educação. Porto (Portugal): Porto Editora, 1994.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Unijuí, 2ª ed. 2001.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista brasileira de educação, n. 22, p. 89-100, 2003.

FERRARINI, Adriane Vieira. Sociologia das ausências e das emergências na análise teórico-epistemológica de uma política pública participativa. Revista de Ciências Sociais: RCS, v. 49, n. 1, p. 400-425, 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 56 edições, Rio de Janeiro/São Paulo, Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. 47 edições, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2005.

CACHAPUZ, Antônio; GIL-PEREZ, Daniel; CARVALHO, Anna Maria Pessoa., PRAIA, João; VILCHES Amparo. A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo, Cortez, 2005.

MANCUSO, Ronaldo; LIMA, Valdez Marina do R.; BANDEIRA, Vera Alfama. Clubes de Ciências: criação, funcionamento, dinamização. Porto Alegre, SE/CECIRS, 1996.

MIGNOLO, Walter D. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. p. 33- 49 In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. ColecciÛn Sur Sur, CLACSO, Ciudad AutÛnoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005.

MENEZES, Celso; SCHROEDER, Edson; SILVA, Vera L. de S. Clubes de Ciências como espaço de Alfabetização Científica e Ecoformação. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 7, n. 3, p. 811-833, 2012.

PRÁ, Grazieli; TOMIO, Daniela. Clube de Ciências: condições de produção da pesquisa em educação científica no Brasil. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 7, n. 1, p. 179-207, maio 2014.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as Ciências. 5 edições, Ideias, 1987.

______. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo, Boitempo, 2007.

______. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3edição. São Paulo, Cortez, 2010.

SASSERON, Lúcia Helena; DE CARVALHO, Anna Maria Pessoa. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em ensino de ciências, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2016.

ROCHA, Nando Matheus; KERN, Fiama Cristina; TOMIO, Daniela. Como seria se não fosse como é: compartilhando a experiência da inclusão inversa em Clubes de Ciências. In: VII ENCONTRO REGIONAL SUL DO ENSINO DE BIOLOGIA, 2015, Anais..., Criciúma, UNESC, 2015.

TOMIO, Daniela; HERMANN, Andiara Paula. Mapeamento dos Clubes de Ciências da América Latina e construção do site da Rede Internacional de Clubes de Ciências. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 21, p. 1-23, 2019.

TRIVIÑOS, Augusto Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2013.

Publicado
2020-03-10
Como Citar
Cândida Machado, M. A., & Faleiro, W. (2020). Clube de Ciências como proposta para emancipação social. Ciências Em Foco, 12(2). Recuperado de https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9949
Seção
Artigos