Nunca fomos tão modernos
Capa por: Fanny Lopes, a partir de William Daniel, Self-Portrait, As Pedlar of Statues, 1850.  Organizadores: João Victor Batista, João Victor Rossetti Brancato, Ana Carolina Dias Florindo, Janaína da Silva Fonseca, Catherine Peggion Hergert, Letícia Asfora Falabella Leme, Fanny Tamisa Lopes, Fabriccio Miguel Novelli Duro, Fernando Pesce, Alysson Brenner Nogueira Pereira, Victoria Cristina Rozario Rodrigues.
PDF

Palavras-chave

Construtivismo
Abstracionismo
Progresso
Modernidade
Vida comum

Como Citar

FERREIRA JÚNIOR, A. H.; LEITE, E. Nunca fomos tão modernos: concretismo, neoconcretismo e contemporaneidade na obra de Willys de Castro. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 195–205, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4697. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4697. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

A partir da jornada criativa de Willys de Castro, este ensaio interpreta as crises que caracterizaram a passagem do concretismo ao neoconcretismo e da modernidade à contemporaneidade como momentos de depuração, reafirmação e fortalecimento de determinados valores — elegia do progresso, relação da arte e vida comum, abstracionismo geométrico e a vertente construtiva — que revelam, no contexto atual de nosso modo de vida uma presença marcante e resiliente dos valores vanguardistas e modernos.

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4697
PDF

Referências

CASTRO, Willys de. Galeria Aremar. Texto de apresentação da exposição. Habitat, v. 64, 1961.

CAUQUELIN, Anne. Arte contemporânea - uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

EAGLETON, Terry. A Ideologia da Estética. Trad. Mauro Sá Rego Costa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 1993.

GULLAR, Ferreira; CASTRO, Amilcar de; WEISSMANN, Franz; et al. MANIFESTO NEOCONCRETO (1959). Disponível em: http://www.dopropriobolso.com.br/index.php/cultura-geral-80603/47-textos-escolhidos/2214-manifesto-neoconcreto-1959 . Acesso em: 6 mar 2022.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 7. ed. São Paulo: Ed. Loyola, 1998. (Temas de atualidade, 2).

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. A caminho da superação dos opostos. Música Hoje - revista de Pesquisa Musical. NAPq e CPMC. UFMG. Belo Horizonte, n. 2, p. 07–25, 1993.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim; KATER, Carlos. Cadernos de Estudo. Educação Musical. Belo Horizonte: Atravez/EM-UFMG/FEA, 1997.

KRAUSS, Rosalind. A escultura no campo ampliado. Gávea, revista do Curso de Especialização em História da Arte e Arquitetura no Brasil. PUC-Rio, v. I, p. 97–93, 1984.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

MARX, Karl. Livro II. In: O capital: Crítica da Economia Política. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda, 1996. (Economistas).

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito. Trad. Paulo Neves, Maria Ermantina Galvão Gomes Pereira; Cássio de Arantes Leite. São Paulo: CosacNaify, 2013.

MERLEU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. Trad. José Artur Gianotti; Armando Mora d’Oliveira. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2003. (Debates).

OITICICA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Antonio Herci Ferreira Júnior, Edson Leite

Downloads

Não há dados estatísticos.