Ações de choque e retomada

tensionamentos entre arte contemporânea e teoria decolonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4695

Palavras-chave:

Arte contemporânea brasileira, Teoria decolonial, Instituições de arte, História da arte brasileira

Resumo

O debate decolonial se faz cada vez mais constante no campo da História da Arte brasileira. O assunto é presente em recentes ações de instituições nos últimos anos. Apesar da tentativa de reposicionamento, é um fato histórico que instituições de arte contribuíram para o apagamento de mulheres, pessoas negras e indígenas e suas produções imagéticas. Este artigo tem como objetivo analisar algumas ações no campo das artes visuais brasileira no eixo Rio de Janeiro e São Paulo nos últimos anos.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Medeiros de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda no Programa da Pós-Graduação em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Referências

BAKER, Julia. Curadoria participativa: o caso da exposição Dja Guata Porã no Museu de Arte do Rio (MAR), In: Anais do 27º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 27 º, 2018, São Paulo. Anais do 27 º Encontro da Anpap. São Paulo: Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Artes, 2018. p.2600-2611.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, nº11. Brasília, p. 89-117, 2013.

CAMPOS, Marcelo; KNAUSS, Paulo. Imagens que não se conformam: texto curatorial. Museu de Arte do Rio. Disponível em: https://museudeartedorio.org.br/programacao/imagens-que-nao-se-conformam. Acesso em: 20 nov. 2021.

COCOTLE, Brenda Caro. Nós prometemos descolonizar o museu: uma revisão crítica da política museal contemporânea. MASP Afterall, 2019.

MIGNOLO, Walter. Museus no horizonte colonial da modernidade, Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília. Museologia e Interdisciplinaridade. Vol 7. Nº13, Jan/jun 2018.

QUIJANO, Aníbal. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a lacolonialidad/descolonialidad del poder - 1a edición especial - Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; Lima: Universidad Nacional Mayor de San Marcos, 2020, p.329.

SCHWARCZ, Lilia. Introdução: História não é bula de remédio. In: Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, pp. 11-26

SIMÕES, Igor Moraes. Montagem fílmica e exposição: vozes negras no cubo branco da arte brasileira. Tese (Doutorado em Artes Visuais). Porto Alegre: UFRGS, 2019.

SIMÕES, Igor Moraes. Todo cubo branco tem um quê de Casa Grande: racialização, montagem e histórias da arte brasileira. Revista PHILIA | Filosofia, Literaturacias & Arte, Porto Alegre, volume 3, número 1, p. 314-329, maio de 2021.

VENTURA PROFANA y Poderdesligado. Restituição. Álbum: Traquejos Pentecostais Para Matar o Senhor, 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

OLIVEIRA, P. M. de. Ações de choque e retomada: tensionamentos entre arte contemporânea e teoria decolonial. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 438–447, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4695. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4695. Acesso em: 2 fev. 2023.