A perspectiva histórica da preservação do patrimônio nacional brasileiro no século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4676

Palavras-chave:

Patrimônio, Século XIX, Indentidade nacional

Resumo

A presente comunicação busca colocar em perspectiva histórica a noção do patrimônio no Brasil dando ênfase, sobretudo, ao período que antecedeu o Movimento Modernista. Mais do que procurar continuidades no que se refere à institucionalização de um órgão que cuidasse da proteção dos monumentos, e esse não existiu durante a etapa em estudo, pensou-se na ideia de patrimônio como uma construção social para melhor compreender sua trajetória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tássia Rocha, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

CERTEAU, Michel de 2000 “A história como mito”. In A escrita da história. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Trad. Luciano Vieira Machado. 4ª ed. São Paulo: Estação Liberdade: UNESP, 2006.

CAVALCANTI, Ana. A amada e odiada Academia Imperial de Belas Artes. In: Instituições de Arte / Emerson Dionisio Gomes de Oliveira & Maria de Fátima Morethy Couto (Orgs.): Porto Alegre, RS: ZOUK, 2012.

COLI, Jorge. Questões sobre a arte brasileira do século XIX? XXII Colóquio Brasileiro de História da Arte – CBHA, 2002. Disponível em: Acesso em: 27 maio. 2019.

DAZZI, Camila. “Pôr em prática a reforma da antiga Academia”: a concepção e a implementação da reforma que instituiu a Escola Nacional de Belas Artes em 1890. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ/EBA/PPGAV, 2011.

DAZZI, Camila.Crítica de Arte: uma nova forma de escrever o século XIX no Brasil. XXIV Colóquio Brasileiro de História da Arte – CBHA, 2004. Disponível em: Acesso em: 20 de fevereiro de 2021.

GIANNETTI, Ricardo. Ensaios para uma história de Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

GINZBURG Carlo. Sinais de um paradigma indiciário IN: Mitos, emblemas e sinais, São Paulo, Cia das Letras, 1989.

GONZAGA DUQUE, Luiz. Arte Brasileira. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

KNAUSS, Paulo. “O descobrimento do Brasil em escultura: imagens do civismo”, Projeto História – Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP. São Paulo, 2000.

IGLÉSIAS, Francisco. Modernismo: Uma Reverificação da Inteligência Nacional. In: PAULA, João Antônio de. (Org.). História e Literatura: Ensaios Para uma História das 110 Ideias no Brasil. PAULA, João Antônio de. (Org.). São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Cedeplar-FACE-UFMG, 2009.

LIMA, Kleverson Teodoro de. Ouro Preto: da cidade-memória à cidade-monumento (1897-1937). Belo Horizonte: UFMG/faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2015. (Tese de doutorado).

MACEDO, Joaquim Manoel. “Relatório do primeiro-secretário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Joaquim Manoel de Macedo”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, 1851: 480-512.

MARCELO, Hernan Venegas. A Noção de Patrimônio no Brasil Império. In: PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, Universidad de La Laguna El Sauzal (Tenerife), España. 2013.

MENICONI, Rodrigo Otávio de Marco. A construção de uma cidade monumento: o caso de Ouro Preto. Belo Horizonte: UFMG/ Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2000. (Dissertação de Mestrado).

OLIVEIRA, Myriam Andrade Ribeiro de. Situação das Artes Plásticas em Minas no século XIX: escultura e pintura. In: III Seminário sobre a Cultura Mineira: século XIX. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1982.

PEIXOTO, Gustavo Rocha. Protocombos: O Conceito de Patrimônio Cultural no Século XIX e Início do Século XX. In: Um olhar contemporâneo sobre a preservação do patrimônio cultural material / organização: Cláudia S. Rodrigues Carvalho, Marcus Granato, Rafael Zamorano Bezerra, Sarah Fassa Benchetrit. – Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008.

PEREIRA, Sônia Gomes. Arte brasileira no século XIX, Belo Horizonte, 2008.

PEREIRA, Sônia Gomes. Academia Imperial de Belas Artes do Rio de Janeiro: revisão historiográfica e estado da questão. In:Revista Arte & Ensaios.Rio de Janeiro: Programa de pós-graduação da Escola de Belas Artes/UFRJ, n. 8, 2001. p.73.

SERRÃO, Vítor. «Renovar», «repintar», «retocar»: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVI ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destruidor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de restauro utilitarista versus «restauro científico». Conservar Património, núm. 3-4, diciembre, 2006, pp. 53-71. Associação Profissional de Conservadores Restauradores de Portugal. Lisboa, Portugal.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

ROCHA, T. A perspectiva histórica da preservação do patrimônio nacional brasileiro no século XIX. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 571–580, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4676. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4676. Acesso em: 2 fev. 2023.