“Triste surpresa para uma artista”
Capa por: Fanny Lopes, a partir de William Daniel, Self-Portrait, As Pedlar of Statues, 1850.  Organizadores: João Victor Batista, João Victor Rossetti Brancato, Ana Carolina Dias Florindo, Janaína da Silva Fonseca, Catherine Peggion Hergert, Letícia Asfora Falabella Leme, Fanny Tamisa Lopes, Fabriccio Miguel Novelli Duro, Fernando Pesce, Alysson Brenner Nogueira Pereira, Victoria Cristina Rozario Rodrigues.
PDF

Palavras-chave

Camille Claudel
Internamento psiquiátrico
Crítica feminista

Como Citar

SALVI, A. C. “Triste surpresa para uma artista”: legitimação, conflito e sofrimento em Camille Claudel. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 606–615, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4669. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4669. Acesso em: 28 fev. 2024.

Resumo

Este trabalho analisa, a partir da crítica feminista, a complicada situação enfrentada por Camille Claudel no mercado e meio artístico e os impactos em sua subjetividade. Escultora atuante entre 1880 e 1913, cessou toda a produção artística em 1913 ao ser internada em um asilo psiquiátrico compulsoriamente, onde permaneceu até a morte. É debatido entre estudioso/as como a rejeição pelo mercado e por Rodin foram cruciais no adoecimento psíquico que a levou ao asilo, tema que será aqui debatido. 

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4669
PDF

Referências

BASTOS, Othon. Camille Claudel: a revulsion of nature. The art of madness or the madness of art? Jornal Brasileiro de Psiquiatria. v. 55, n. 3, p. 250–253, 2006.

BATTERSBY, Christine. Gender and genius: towards a feminist aesthetics. London: The Women’s Press, 1989.

COOPER, B. Camille Claudel: trajectory of a psychosis. Medical Humanities. v. 34, n. 1, p. 25–29, 2008.

CLAUDEL, Camille. Correspondência. Ebook. ISBN: 9788584742066. Distribuição: e-galáxia, 2018.

FOUCAULT, Michel. História da Loucura: na idade clássica. 12. ed. São Paulo: Perspectiva, 2019.

KROMM, Jane E. The feminization of madness in visual representation. Feminist Studies. v. 20, n. 3, p. 507, 1994.

MARMIN, M. L. Camille Claudel (1864-1943). Mémoires de la Société d'agriculture, sciences, belles-lettres et arts d’Orléans. séance du 7 décembre, 1989, p. 121-7.

NAVARRO-SWAIN, Tânia. Mulheres indômitas e malditas: a loucura da razão. In: Fonseca, M.A.; MUCHAIL, S.T.; VEIGA-NETO, A. (Org.). O mesmo e o outro: 50 anos de História da Loucura. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

POLLOCK, G. Artists, Mythologies and Media -- Genius, Madness and Art History. Screen. v. 21, n. 3, p. 57–96, 1980.

POLLOCK, Griselda. Whither Art History?. The Art Bulletin. v. 96, n. 1, p. 9–23, 2014.

ROSA, Maria Laura. La cuestión del género. In: OLIVERAS, Elena (Ed.). Cuestiones de arte contemporâneo: hacia un nuevo espectador del siglo XXI. Buenos Aires: Emecé Arte, 2008.

SILVA, L. do A. Mulheres Artistas: reflexões sobre a vida e obra de Camille Claudel. Tese (Doutorado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Unesp, São Paulo, 2020.

TVARDOVSKAS, L.S. O imaginário habitado: gênero, história e cultura visual. In: MENESES, Patrícia; SCHIAVINATTO, Isis. (Org.). A imagem como experimento: debates contemporâneos sobre o olhar. Vitória: Editora Milfontes, 2020.

WAHBA, L. L. Camille Claudel: criação e loucura. 2. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.

WILSON, Susannah. Du rêve que fut ma vie ceci c’est le cauchemar. In: Voices from the Asylum. Oxford: Oxford University Press, 2010.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Ana Carolina Salvi

Downloads

Não há dados estatísticos.