Quando Portugal virou “colônia”

política e colecionismo da comunidade imigrante portuguesa no Rio de Janeiro na virada do século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/eha.15.2021.4661

Palavras-chave:

José Malhoa, Ramalho Ortigão, Comunidades Imaginadas, Real gabinete português de leitura do Rio de Janeiro, Imigração portuguesa

Resumo

Neste trabalho discute-se a atuação, organização e os interesses do grupo de portugueses membros de instituições culturais e associações beneficentes radicados no Rio de Janeiro entre o final do século XIX e início do XX. Propõe-se remontar brevemente o histórico de formação e atuação de instituições culturais por eles organizadas, com especial ênfase sobre o Real Gabinete Português de Leitura e as exposições de arte nele decorridas. Busca-se estabelecer uma correlação entre os padrões de gosto do grupo e seu projeto estético e ideológico, que pretendia contribuir para reposicionar a identidade nacional Portuguesa em relação ao Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Weslei Estradiote Rodrigues, Universidade de São Paulo

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. Reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo. São Paulo : Companhia Das Letras, 2008.

ARAÚJO, Raquel A. de. Telas que atravessam o Atlântico: pintura portuguesa no Rio de Janeiro e em São Paulo durante a Primeira República brasileira (1889-1929). Tese de Doutorado. História da Arte Contemporânea. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 2018.

ALVES, Jorge F. “O Brasil sob o olhar Europeu de Ramalho Ortigão”, in: Europa, Atlântico, Mundo – Mobilidades, crises, dinâmicas culturais. Pensar com Maria Manuela Tavares Ribeiro [Encontro]. Coimbra : Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017.

ARTE Portuguesa. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 18 de Julho de 1902, p. 1.

ARTE Portuguesa na Exposição, A. Gazeta de Notícias. Rio de Janeiro, 16 de Agosto de 1908, p. 3.

AZEVEDO, Artur. “Arte Portuguesa”. O Paiz, Rio de Janeiro, 25 de Julho de 1902.

AZEVEDO, Fabiano Cataldo de. A memória discursiva e as estratégias em torno da identidade luso-brasileira nos discursos do Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro: 1837-1888. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2012.

BOTELHO, Abel. “Arte portuguesa – A exposição Malhôa”. Gazeta de Notícias. Rio de Janeiro, 3 de junho de 1906, pp. 2-3.

CHAGAS, João. “Um artista português no Brasil”. O Paiz, Rio de Janeiro, 17 de fevereiro de 1906, p.1.

DOLORES, Carmen [Emília Moncorvo Bandeira de Melo]. “Impressão de luz”, O Paiz, Rio de Janeiro, 26 jul. 1906, p.3.

GONZAGA DUQUE Estrada, Luiz. “Exposição Malhoa”, Kosmos, Revista Artística, Ciêntifica e Literária. Rio de Janeiro, ano III, n. 7, jul. 1906.

EÇA DE QUEIROZ, J M. de, e ORTIGÃO, J. D. R. Os brasileiros. Org. Coelho, E. e Gonçalves, Z. C. Rio de Janeiro : Língua Geral, 2008.

EXPOSIÇÃO de arte portuguesa, A. Revista da Semana, Rio de Janeiro, n. 116, 8 de Agosto de 1902, p. 252.

EXPOSIÇÃO de arte portuguesa. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 18 de julho 1902, p. 1.

EXPOSIÇÃO d’arte portuguesa no Brasil, A. O Dia, Lisboa, 20 de setembro de 1902, p. 2.

EXPOSIÇÃO Malhôa. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 4 de julho de 1906, p.2.

EXPOSIÇÃO Malhôa - A Inauguração - O Banquete. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 5 de julho de 1906, p.1.

EXPOSIÇÃO José Malhôa”. O Paiz, Rio de Janeiro, 4 de julho de 1906, p.1.

FAORO, R. Os Donos do Poder. A formação do patronato político brasileiro. Rio de Janeiro : Editora Globo, 3a Edição, 2001.

FERREIRA, Marie-Jo. Os portugueses do Brasil, atores das relações luso-brasileiras, fim do século XIX - início do século XX. Rio de Janeiro: Arquivo da Cidade do Rio de Janeiro, 2007.

HERCULANO, Alexandre. “A Emigração (1873-1875)”, in: Opúsculos. Tomo IV. Coimbra: Imprensa da Universidade/Viúva Bertrand e Cia. Sucessores Carvalho, [1879] 1983.

JOSÉ MALHÔA. O Paiz, Rio de Janeiro, 30 de março de 1906, p.2.

JOSÉ MALHÔA. O Paiz, Rio de Janeiro, 12 de junho de 1906, p.1.

JOSÉ Malhôa - Uma Carta de Antonio Parreiras. O Paiz, Rio de Janeiro, 19 de junho de 1906, p.1.

JOSÉ Malhôa - A sua exposição no Rio de Janeiro. Brasil-Portugal, Lisboa, n. 177, 1 jun. 1906, pp. 139-141.

ORTIGÃO, J. D. R. A Arte Portuguesa. Tomo III. Obra Completa: Crítica e Polémica. Lisboa : Livraria Clássica Editora, 1947.

PINTOR Malhôa no Brasil, O. Illustração Portugueza, Lisboa, n. 11, II série, 7 de Maio de 1906, pp.329-337.

RIOS, Adolpho Morales de los. “Arte Portuguesa”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 18 de Julho de 1902, p. 1.

SILVA, Isabel C. da. “Arquivo pessoal do Conselheiro Camelo Lampreia” in: ROSA, Maria de Lurdes (ed.). Arquivos de família, seculos XIII-XX: que presente, que futuro? Lisboa: IEM – Instituto de Estudos Medievais, CHAM – Centro de História de Além-Mar e Editora Caminhos Romanos, 2012.

SILVA, Raquel H. e PATERNOSTRO, Zuzana (Orgs). O Grupo do Leão e o Naturalismo português. São Paulo : Catálogo de exposição, Pinacoteca do Estado, 1996.

SILVEIRA, Maria de Aires. “Figueiró dos Vinhos no centro de um caleidoscópio naturalista”, in: A Escola Naturalista de Figueiró dos Vinhos. [Catálogo] Clube Figueiroense – Casa da Cultura. 19 de Junho a 9 de Julho de 2004.

TAVARES, António Rodrigues. Fundamentos e actualidades do Real Gabinete Português de Leitura. Rio de Janeiro: Real Gabinete Português de Leitura, 1977.

VALLE, Arthur. “Considerações sobre o Acervo de Pintura Portuguesa da Pinacoteca da Escola Nacional de Belas Artes”. 19&20, Rio de Janeiro, v. VII, 2012.

VALLE, Arthur. “A ‘Exposição de Arte Portuguesa’ no Rio de Janeiro em 1902 e sua recepção”. In: Fênix. Revista de História e Estudos Culturais, Vol. 12, Ano XII, no.1, 2015. pp.1-20.

VASCONCELLOS, Henrique. “Exposição d’Arte”, Brasil – Portugal, Ano 4º, 79, Lisboa, 1 de Maio de 1902, pp.482-488.

VENÂNCIO, Giselle. “Comemorar Camões e repensar a nação: o discurso de Joaquim Nabuco na festa do tricentenário de morte de Camões no Rio de Janeiro (1880)”, in: Rev. Brasileira de História, São Paulo, v. 33, n. 65, p. 277-290, 2013.

ZAN, João Carlos. Ramalho Ortigão e o Brasil. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo, 2009.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

RODRIGUES, W. E. Quando Portugal virou “colônia”: política e colecionismo da comunidade imigrante portuguesa no Rio de Janeiro na virada do século XIX. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 15, p. 595–605, 2021. DOI: 10.20396/eha.15.2021.4661. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4661. Acesso em: 2 fev. 2023.