Tarsila global
PDF

Palavras-chave

Tarsila do Amaral
Exposições
Moma
Arte brasileira

Como Citar

LIMA, N. T. de M. de. Tarsila global: a exposição do Moma. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 13, p. 674–680, 2018. DOI: 10.20396/eha.13.2018.4587. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4587. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

O ano de 2018 marca a entrada de Tarsila do Amaral no circuito internacional de arte. Sob as recentes reivindicações de construção de uma história da arte mais policêntrica e plural, os grandes centros hegemônicos trazem à cena, manifestações artísticas oriundas das mais diversas regiões na tentativa de reparar as disparidades e romper com o silenciamento de áreas marginalizadas. Este movimento de revisão e reescrita da história da arte é impulsionado por fenômenos de interação global, que, a partir de instituições globais, organizam e reformulam as noções de arte, modernismo, etc, tornando-as conhecidas.

https://doi.org/10.20396/eha.13.2018.4587
PDF

Referências

BARROS, R.T. Tarsila Viajante.. Tarsila Viajante. São Paulo. Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2008.

BARRIENDOS, J. El arte global y las políticas de la movilidad. Desplazamientos (trans)culturales en el sistema internacional del arte contemporáneo. Revista LiminaR. Estudios sociales y humanísticos, ano 5, v. 1, 2007. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?pid=S1665-80272007000100159&script=sci_abstract

BARRIENDOS, J. “Geopolictics of Global Art: The reinvention of Latin America as a Geoaesthetic Region”. In: ___. BELTING, H. Global Art World: Audience, Markets and museums. Ostfilder: Hatje Cantz, 2009.

BARRIENDOS, J. Localizando lo identico/globalizando lo diverso. El activo ‘periferia’ en el mercado global del arte contemporáneo. Portal Iberoamericano de Gestión cultural, 2005. Acesso em 12 de outubro de 2018. Disponível em: http://www.gestioncultural.org/boletin/pdf/bgc12-JBarriendos.pdf

BARRIENDOS, J. La idea del arte latinoamericano. 2013. Tese (Doutorado em Estudios Globales del arte, geografías subalternas, regionalismos críticos) - Universitat de Barcelona. Barcelona.

BELTING, H. Global Art World: Audience, Markets and museums. Ostfilder: Hatje Cantz, 2009.

CABAÑAS, M.K. O Monolinguismo do Global. Rio de Janeiro: O que nos faz pensar, v.26, p.119-134, (2017). Disponível em:http://oquenosfazpensar.fil.pucio.br/index.php/oqnfp/article/view/552/522

GLICENSTEIN, J. L’Art: une histoire d’expositions. Paris: Presses Universitaires de France,2009.

GLICENSTEIN, J. “Éditorial.” Globalismes, Marges – Revue d’Art contemporain, Paris, v.23, 2016.

SPRICIGO, P. V. “Anthropophagisme et historiographie.” Globalismes, Marges – Revue d’Art contemporain, Paris, v.23, 2016.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Nerian Teixeira de Macedo de Lima

Downloads

Não há dados estatísticos.